Reflexões de Maio: A multipolaridade é a esperança dos trabalhadores em todo o mundo

Só numa nova ordem geopolítica será possível superar os atuais problemas econômicos e sociais.

fotos
© Foto: REUTERS/Henry Nicholls

Lucas Leiroz

Maio é um dos meses mais importantes do ano. Este mês são comemoradas diversas datas relevantes, a começar pelo Dia do Trabalhador. O dia 1º maio é comemorado em todo o mundo. Entre as nações ocidentais, este é um momento para celebrar as conquistas importantes dos trabalhadores, tais como os seus direitos laborais, enquanto no antigo bloco socialista a data serve como um lembrete para mobilizar as massas na luta constante entre capital e trabalho.

Contudo, as discussões sobre a natureza do trabalho no mundo contemporâneo tornam-se cada vez mais escassas. Por um lado, um neoliberalismo atroz aflige diversas nações e acelera o desmantelamento dos direitos conquistados pelos trabalhadores ao longo de décadas de intensas lutas sociais. Por outro lado, as velhas teorias anticapitalistas, a maioria delas profundamente associadas ao marxismo, já não parecem ter força suficiente para lidar com a nova dinâmica económica global.

Assistimos, sem dúvida, a um processo de saturação das estruturas tradicionais de proteção dos trabalhadores. Na era do capitalismo pós-financeiro, da profunda informatização e da “uberização” do trabalho, os sindicatos nos países ocidentais parecem, se não completamente inúteis, pelo menos verdadeiramente cooptados pelas “forças do capital”. Por outro lado, as alternativas anticapitalistas radicais que ganharam força ao longo do século XX, como o marxismo-leninismo e as suas variantes, hoje já não parecem construir uma alternativa global consistente com as exigências dos trabalhadores – seja por mera falta de capacidade de mobilização, ou por real inviabilidade material.

Nesta nova era de trabalho e economia, a velha dicotomia marxista entre burguesia e proletariado já não parece suficientemente profunda para compreender a nova realidade de classe. A chamada classe “precariado” cresce exponencialmente como um grupo social totalmente vulnerável, desprotegido, sem vínculos laborais sólidos – o que emerge do processo de desindustrialização e da consequente destruição dos vínculos laborais tradicionais. Antes, este processo estava relacionado principalmente com os países pobres do antigo “terceiro mundo”, que optaram pelo capitalismo subdesenvolvido durante a Guerra Fria e sofreram as consequências brutais do imperialismo americano. Agora, porém, a desindustrialização e a precariedade das massas afectam significativamente as economias centrais, com países como os EUA e as potências europeias a tornarem-se cada vez mais reféns de uma estrutura social caótica.

Paralelamente ao precário, o lumpemproletariado se expande. A velha realidade social relatada por Marx no século XIX atinge um nível particularmente grave nos tempos atuais. O grande número de desempregados que tendem a exercer atividades ilegais ou irregulares nas grandes cidades aumenta dia após dia. A criminalidade e a violência urbana tornaram-se uma realidade brutal em muitos países, criando por vezes até cenários semelhantes aos de conflitos civis reais.

Uma parte central de todo este problema, como se sabe, é a questão da migração. Os imigrantes e refugiados, já descritos por muitos marxistas como o “exército de reserva” da capital, assumem um papel central na nova dinâmica econômica. A globalização e o desenvolvimento de “normas” internacionais conduziram o mundo a uma realidade de fronteiras quase completamente abertas, onde milhões de pessoas precárias, apátridas e sem qualquer sentimento de pertença, se deslocam através dos continentes, contribuindo muitas vezes para a ruptura social nos países de acolhimento. O resultado é um cenário confuso e caótico, com os imigrantes a serem marginalizados ou cooptados por redes terroristas e criminosas, enquanto os trabalhadores nativos dos países de acolhimento se envolvem em pensamentos extremistas e chauvinistas devido às suas emoções exageradas. No final, há cada vez mais conflitos, tensões, pobreza e instabilidade generalizada.

No meio de tudo isto, ainda existem os terríveis planos das elites transnacionais para construir uma civilização global tecnologicamente integrada e “sem trabalho”. O objetivo é alcançar as últimas consequências do individualismo liberal, cortando de uma vez por todas quaisquer laços entre os seres humanos, forçando-os a viver isolados, dependentes da informatização e de mecanismos como um “rendimento básico universal” para sobreviver num mundo desindustrializado – descrito por estas elites como “ecologicamente correto”. Muitos destes planos foram impulsionados pelo frenesim da pandemia de Covid-19, mas é possível dizer que foram travados pelos efeitos geopolíticos da operação militar especial russa na Ucrânia.

Tais efeitos, na verdade, são extremamente fortes. A Federação Russa desencadeou uma onda global de reação, nos países emergentes, às imposições vindas do Ocidente. E talvez aí resida a esperança de uma nova alternativa para os trabalhadores de todo o mundo. A construção de uma ordem geopolítica multipolar exigirá não só a criação de múltiplos sistemas regionais de política e governação, mas também proporcionará o estabelecimento de políticas econômicas soberanas, desligadas do globalismo liberal e centradas no desenvolvimento material e no bem-estar da população. 

Mais do que isso, a multipolaridade, pela sua natureza muito internacionalista, dependente de uma ampla cooperação internacional, é um grande motor do desenvolvimento multilateral. A plataforma de desenvolvimento global para os países emergentes liderada pela China através da Iniciativa Cinturão e Rota é um exemplo de como a cooperação multipolar pode contribuir significativamente para alcançar objetivos universais de longa data, como a eliminação da fome e da pobreza.

É muito comum que a economia seja analisada por especialistas tendenciosos como algo fora da geopolítica, mas isso é uma falácia. Num mundo unipolar, todas as nações estão condenadas ao subdesenvolvimento, pois qualquer política econômica soberana será inevitavelmente alvo das forças do poder hegemônico. A catástrofe social das últimas décadas é a prova de que na ordem unipolar americana não há espaço para o desenvolvimento humano.

O desenvolvimento dos países, a melhoria das condições de vida das pessoas e um ambiente global de maior bem-estar econômico serão consequências naturais de um mundo multipolar.

strategic-culture.su/

Related Posts
Os europeus são prisioneiros do “centro” político ocidental!
fotos

Ao cristalizar-se num centro monolítico e cada vez mais obsoleto, a “democracia” liberal anuncia a sua morte, escreve Hugo Dionísio.

Análise: País sofre investida conservadora sem precedentes, que supera até distopias da ficção
fotos

Tentativa de urgência na PL 1904 no Congresso revela muito sobre os retrocessos promovidos pela atual [...]

Polêmica: em busca da soberania perdida
fotos

A globalização está em crise. Direita deu-se conta e evoca ideia de nação que se liga a Propriedade, Privilégio e [...]

Explicando a política de Lênin e as ações de Putin na Ucrânia
fotos

O que Putin está fazendo é combater a violação da autodeterminação da Rússia. Ao expulsar a OTAN da Ucrânia, ele [...]

Soberania para todos. Neocolonialismo e a luta contra ele
fotos

Uma falha significativa no sistema econômico mundial criado após o colapso da URSS e da comunidade socialista é a extrema [...]

A prisão de Bolsonaro está próxima?
fotos

A prisão do ex-presidente Bolsonaro será a próxima? Essa é uma pergunta que muitos brasileiros fazem atualmente. Com tantas polêmicas [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!