Segredos e mentiras. O papel da OTAN na Ucrânia é tão desprezível quanto o da UE

As elites ocidentais já não se preocupam sequer em encobrir o fato de que a guerra na Ucrânia tem, na realidade, muito pouco a ver com a Ucrânia.

fotos
strategic-culture

Martin Jay

Jens Stoltenberg realmente disse que recentemente deu “permissão” à Ucrânia para usar caças F-16 na guerra contra a Rússia? Nesse caso, podemos adicioná-lo à lista de deslizes freudianos desajeitados e bufões que ele mesmo cometeu enquanto estava no cargo. Mas pelo menos dá-nos uma ideia de como as elites ocidentais já não se preocupam sequer em encobrir o fato de que a guerra na Ucrânia tem, na realidade, muito pouco a ver com a Ucrânia, mas é antes uma guerra muito maior travada pelo Ocidente contra a Rússia.

No entanto, toda a questão sobre os F-16 na Ucrânia estará envolta em mentiras, linguagem ambígua e notícias falsas. A verdadeira história destes caças obsoletos vindos dos Países Baixos – alguns poderão exigir um suborno a Biden para assegurar o primeiro-ministro holandês como próximo chefe da OTAN – provavelmente nunca será conhecida. Os jornalistas que queiram perguntar quem realmente pilotará estes aviões – os pilotos ucranianos ou os norte-americanos – nunca obterão uma resposta direta, mas serão enganados com os “segredos e mentiras” normais da OTAN, que são o que todos nós entendemos ser o modus operandi normal para esta chamada organização de defesa. O tempo é crítico. A Ucrânia tem o tempo mínimo de 6 meses que os pilotos ucranianos precisarão apenas para pilotá-los, após treinamento intensivo? É uma boa aposta que os veremos operacionais até o final do verão com pilotos contratados e aposentados da Força Aérea dos EUA voando com eles – provavelmente não em cenários de combate aéreo, pois não são páreo para os Su-35 mais novos que a Rússia tem – usado em ataques ar-solo. É claro que uma tal mudança de estratégia levará a Rússia a visar os aeródromos ucranianos, o que alguns analistas relatam que já está a acontecer, mas na realidade, tal como tantas decisões tomadas pela OTAN, esta última é apenas a mais recente numa longa série de erros de cálculo. Estes aviões de 20 anos serão um verdadeiro prêmio para a Rússia disparar dos céus como patos numa tarde de domingo. Tenha pena dos pilotos que estarão em suas cabines, pois estão em uma missão suicida.

A verdade, porém, será muito difícil de ser alcançada com os F-16. A OTAN já terá as suas notícias falsas prontas para os jornalistas suplicantes prontos a obedecer.

É uma história semelhante com uma declaração recente do próprio Zelensky, que afirmou que cerca de 30.000 ucranianos até agora tinham morrido em batalha. Ele esqueceu um zero lendo suas anotações? Muita cocaína afetou sua visão? Foi uma piada?

Não, não foi brincadeira. Apenas mais notícias falsas devidamente processadas pelos meios de comunicação ocidentais corruptos que não têm jornalistas entre eles sequer capazes de questionar a declaração.

No entanto, a razão pela qual o número de soldados ucranianos mortos é tão poléêmica é interessante. Poderemos ser perdoados por pensar que se o número real de pelo menos 300 mil ucranianos mortos fosse admitido, isso teria uma consequência política para o próprio Zelensky. E isso seria verdade num contexto democrático. Mas Zelensky fechou todos os meios de comunicação que não reproduzem a sua propaganda, eliminou todos os partidos da oposição, por isso é pouco provável que alguém questione este número ridículo de cerca de 30.000. Na realidade, há uma razão muito mais lasciva, se não inconstante, pela qual ele precisa se ater a esta obra de ficção: o suborno.

O que não é de todo relatado, nem mesmo aludido, é a extorsão dirigida por oficiais superiores do exército próximos dele, que recebem os salários dos soldados mortos – e como o Ocidente faz vista grossa, mais uma vez, a esta fraude específica que envolve milhões de dólares de ajuda ocidental. Recentemente, a UE concordou em enviar a Kiev 12,5 bilhões de euros por ano em dinheiro para salários do setor público. Dada a agitação em torno dos salários dos soldados mortos, isto torna Bruxelas cúmplice no branqueamento de capitais. Seria absurdo presumir que altos funcionários da UE estão a receber propinas, em troca? Dadas as negociações obscuras de Ursula von der Leyen com a Pfizer e as recentes notícias de que ela deverá escapar a qualquer escrutínio durante mais 5 anos no cargo, assumindo que os seus amigos corruptos na UE apoiam o seu segundo mandato, torna-se claro quais são os objetivos da UE e da OTAN. Ultimamente para a Ucrânia: basta manter a máquina a funcionar e Zelensky no poder. A guerra na Ucrânia não é um caso de caridade, como alguns líderes ocidentais gostariam que acreditassem. Não se trata sequer de proteger os chamados valores do Ocidente, pois ninguém acredita realmente na besteira de que Putin vai invadir outros países da UE assim que os seus tanques chegarem a Kiev, depois de o país entrar inevitavelmente em colapso quando o exército se render ou se ocupar com uma guerra civil. A guerra na Ucrânia é uma raquete e a OTAN faz parte dela, tal como a elite da UE. Ninguém trabalha de graça e deveríamos suspeitar muito do fato de Boris Johnson ter aparecido em Kiev para dar o seu apoio a Zelensky. Ele está na folha de pagamento deste último para serviços de relações públicas? Provavelmente. Será que algum jornalista perguntará isto ou apresentará pedidos de “liberdade de informação” para esclarecer quem pagou pela viagem (já que qualquer pessoa que conheça Boris sabe que ele não tem dinheiro)? Claro que não.

strategic-culture

Related Posts
Iwo Jima 2.0: Que história esta imagem está contando?
fotos

Se o Estado Profundo não puder influenciar o resultado das eleições de novembro, eles podem encontrar seis maneiras de cancelá-las [...]

Como a esquerda francesa salvou o regime político putrefato
fotos

O grande perdedor nas eleições francesas não foi a extrema direita. É certo que, se não fossem os acordos espúrios [...]

Ainda é possível evitar uma guerra civil na Ucrânia?
fotos

Com uma população armada e medidas militares cada vez mais impopulares, o regime de Kiev pode ser confrontado por seus [...]

Tentativa de assassinato contra Donald Trump mostra que os EUA são um estado falido
fotos

Os EUA não são mais a terra da liberdade e da democracia, mas um exemplo de um estado falido e [...]

O retorno de Trump: uma verdadeira revolução política no regime americano?
fotos

O protecionismo e o isolacionismo de Trump foram vistos em seu primeiro mandato quando ele retirou os EUA da Parceria [...]

Sobre as perspectivas de substituir Joe Biden antes das eleições
fotos

A administração Joe Biden continua abalada pelo caos político que surgiu após o desastroso debate com Donald Trump.

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!