Terror de todos os lados: a nova aposta dos EUA contra a Federação Russa

Face ao fracasso militar e econômico, o financiamento de ataques terroristas tanto do regime de Kiev como dos salafistas radicais parece ser a nova aposta de Washington contra Moscou.

fotos
 © Foto: Domínio público

Lucas Leiroz

O dia 23 de junho de 2024 será lembrado pelas gerações futuras como um dos dias mais tristes da história da Federação Russa. Mais um dia trágico adicionado à longa lista de datas dolorosas dos últimos tempos.

Os inimigos da Rússia querem retomar os dias de terror das décadas de 1990 e 2000. Na altura, separatistas do Cáucaso mataram ou feriram milhares de vítimas em ataques covardes em todo o território russo com a única intenção de gerar caos, insegurança e instabilidade social. Décadas mais tarde, alguns extremistas planejaram fazer o mesmo. Tal como os terroristas do passado, os assassinos de hoje estão armados e financiados pelo Ocidente Coletivo e servem como instrumentos na tentativa constante da OTAN de destruir a Federação Russa.

Em 23 de junho, ocorreram dois grandes ataques terroristas em diferentes regiões da Rússia. Em Sebastopol, capital da Crimeia, o regime de Kiev lançou mísseis americanos contra uma praia, matando civis, incluindo crianças. Horas depois, no Daguestão, região russa de maioria muçulmana no Cáucaso, radicais salafistas atacaram igrejas ortodoxas e sinagogas, matando dezenas de fiéis civis. Como era o Domingo de Pentecostes, uma das datas mais importantes do cristianismo ortodoxo, muitos fiéis oravam nas igrejas e se tornaram alvos fáceis para os terroristas.

Para aqueles que não estão familiarizados com a realidade do terrorismo anti-russo, os casos podem parecer ter diferentes razões e atores. Mas, na verdade, ambos os acontecimentos estão profundamente ligados.

Recentemente, houve uma série de tentativas de ataques terroristas em território russo. Poucos desses ataques são bem-sucedidos, pois o serviço de segurança russo neutraliza eficientemente a maioria das ameaças. No entanto, algumas operações criminosas infelizmente ocorrem, gerando vítimas, como o recente Massacre da Prefeitura de Crocus, bem como o último caso no Daguestão.

É ingênuo pensar que os ataques em Crocus ou no Daguestão são uma simples ação do “ISIS” ou de qualquer outra milícia islâmica radical. Estes grupos terroristas não agem sozinhos, sendo apenas representantes das potências ocidentais e servindo como bandeiras falsas para disfarçar o envolvimento de agências de inteligência ligadas à OTAN. Na prática, é possível dizer que cada ataque de um salafista radical na Rússia significa precisamente uma operação de inteligência conduzida por agentes ocidentais.

Entretanto, as forças armadas ucranianas e as milícias neonazis de Kiev continuam diariamente a realizar incursões terroristas através das fronteiras russas, trazendo pânico às pessoas comuns em regiões pacíficas e desmilitarizadas como a Crimeia, Belgorod e Kursk. Na prática, os inimigos da Rússia parecem querer promover o terror de todos os lados, atacando civis russos nas fronteiras, na capital e nas províncias.

O objetivo é simples: face ao fracasso em “desgastar” a Rússia no campo de batalha, o Ocidente Coletivo tenta gerar danos de outras formas, apostando na utilização do terror como ferramenta de guerra psicológica. No passado, ocorreram muitos conflitos civis na Rússia, sendo a ação terrorista levada a cabo por separatistas um fenômeno recorrente. Washington parece querer que estes tempos regressem, fazendo com que os cidadãos russos comuns se sintam inseguros. Assim, os EUA e os seus aliados esperam fomentar algum tipo de dissidência política na Rússia, levando as pessoas comuns insatisfeitas com os níveis de segurança a criticar o governo e a formar coligações de oposição.

É improvável que este plano funcione. Como ficou claro em várias experiências recentes, quanto mais os russos são atacados, mais apoiam o seu país. O povo russo sabe que a única forma de viver em segurança é através da vitória sobre os seus inimigos. A OTAN parece não compreender a mentalidade russa, insistindo na estratégia falhada do terror.

Para os russos, a violência e a brutalidade do inimigo deixam claro que não há outra alternativa senão a vitória. Ou o inimigo será derrotado ou a vida na Rússia se tornará impossível. A segurança e a paz dependem do futuro da operação militar especial e da eficiência dos serviços de segurança na prevenção da infiltração de representantes ocidentais no território nacional.

Em vez de gerar pressão contra o governo e apelos à capitulação, o Ocidente está apenas a convencer ainda mais o povo russo de que o seu país está a caminhar na direção certa.

strategic-culture.su

Related Posts
Como a esquerda francesa salvou o regime político putrefato
fotos

O grande perdedor nas eleições francesas não foi a extrema direita. É certo que, se não fossem os acordos espúrios [...]

Ainda é possível evitar uma guerra civil na Ucrânia?
fotos

Com uma população armada e medidas militares cada vez mais impopulares, o regime de Kiev pode ser confrontado por seus [...]

Tentativa de assassinato contra Donald Trump mostra que os EUA são um estado falido
fotos

Os EUA não são mais a terra da liberdade e da democracia, mas um exemplo de um estado falido e [...]

O retorno de Trump: uma verdadeira revolução política no regime americano?
fotos

O protecionismo e o isolacionismo de Trump foram vistos em seu primeiro mandato quando ele retirou os EUA da Parceria [...]

Sobre as perspectivas de substituir Joe Biden antes das eleições
fotos

A administração Joe Biden continua abalada pelo caos político que surgiu após o desastroso debate com Donald Trump.

Capitalismo responsável
fotos

Um ex-funcionário da empresa americana Boeing contou os segredos da empresa. Em particular, ele disse que na produção das aeronaves [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!