Um policial é morto após tentativa fracassada para prender o ex-presidente do Quirguistão

fotos
Ambulâncias conduzem um grupo de simpatizantes do ex-presidente do Quirguistão, Almazbek Atambayev, a bloquear uma rua na vila de Koi-Tash – local da residência de Atambayev – nos arredores de Bishkek, enquanto membros das forças especiais quirguizes realizam uma operação especial para deter o ex-líder, em 7/08/ 2019. (Photo by Vyacheslav OSELEDKO / AFP)

 Forças do Quirguistão foram retiradas de um vilarejo depois de um ataque fracassado para tentar prender o ex-presidente do país em sua residência em uma operação que deixou um soldado morto e mais de 40 pessoas feridas.

A incursão na residência do ex-presidente Almazbek Atambayev ao sul da capital do Quirguistão, Bishkek, começou na noite de quarta-feira e continuou até as primeiras horas da madrugada. Uma multidão de apoiantes de Atambayev resistiu aos atacantes; alguns entrincheiraram-se dentro e levaram seis recrutas como reféns.

A agência de notícias Interfax citou o vice-ministro do Interior, Kursan Asanov, dizendo que a decisão de retirar-se foi tomada após negociações com os partidários de Atambayev, que concordaram em libertar os seis reféns pela manhã se as forças fossem retiradas. A agência de notícias do Quirguistão também relatou que as forças estavam deixando a vila de Koi-Tash, mas não forneceu detalhes.

O Ministério da Saúde disse que 45 pessoas foram levadas para hospitais, incluindo um membro das forças especiais que foi baleado de dentro da residência e morreu.

O ataque levanta preocupações sobre a estabilidade política no Quirguistão, que faz fronteira com a China e abriga uma base aérea militar russa.

Notícias locais dizem que algumas pessoas foram feridas por armas disparadas por forças especiais no ataque, incluindo um jornalista. O comitê de segurança do estado disse que apenas balas de plástico foram disparadas.

O parlamento do Quirguistão em junho rescindiu a imunidade a que Atambayev havia recebido como ex-presidente, abrindo-o a um possível processo.

Desde então, os partidários têm vigiado fora de sua residência em Koi-Tash, a cerca de 20 quilômetros de Bishkek, esperando uma tentativa de prendê-lo.

Ele é acusado de vários crimes, incluindo corrupção e expropriação de propriedade.

Atambayev, que estava no cargo de 2011 a 2017, disse que as acusações foram inventadas pelo presidente Sooronbai Jeenbekov, que já foi seu protegido.

Atambayev se reuniu com o presidente russo, Vladimir Putin, em julho, sugerindo que ele desfruta do apoio do Kremlin. Mas Putin depois disse que a Rússia está comprometida em trabalhar com Jeenbekov.

O Quirguistão, outrora saudado como uma “ilha da democracia” na Ásia Central pós-soviética, foi repetidamente abalado por convulsões políticas. Seus dois primeiros presidentes após a independência foram expulsos do poder por distúrbios.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × quatro =