Xadrez do verdadeiro gabinete do ódio

O caso mostra, pela primeira vez, como as conexões do bolsonarismo estão se infiltrando no serviço público e ganhando fôlego econômico para futuras incursões.

máfia

Por Luis Nassif

Vamos por partes, para entender como um cabo da Polícia Militar, alguns coronéis da reserva e um reverendo obscuro quase conseguiram emplacar um contrato de mais de R$ 1 bilhão para compra de vacinas – que eles não possuíam.

Peça 1 – os esquemas de Bolsonaro

Desde o início do governo Bolsonaro, mostramos aqui as peças centrais do esquema – com imbricações no exterior – que o bancava.

Os principais parceiros são a indústria de armas, a máfia do jogo de Las Vegas, os evangélicos ligados à ultradireita de Israel.

No dia 1o de janeiro de 2019 mostramos suas ligações com a indústria de armas no artigo “Xadrez da indústria de armas e o financiamento da direita”.

armamento

Nela, mostramos o relacionamento dos Bolsonaro com a influente NRA, a Associação Nacional dos Rifles dos Estados Unidos. Desmoralizada nos Estados Unidos, devido a uma campanha de armamento deflagrada dois dias depois de um massacre em escola da Pensilvânia, a NRA mirou os mercados do Brasil e da Austrália, segundo reportagem da Bloomberg.

Um ano antes, em 2017, Jair e Eduardo Bolsonaro foram recebido com todas as regalias pela NRA, conforme reportagem da Bloomberg.

No dia 10 de novembro de 2018, o site da America´s 1st Freedom, da NRA, dizia:  “Tiremos o chapéu para Bolsonaro por ver a situação pelo que realmente é”.

“Enquanto estavam lá, eles experimentaram uma AK-47 e outras armas de assalto. Depois, Eduardo, vestindo uma camiseta “F — ISIS”, segurou cartuchos de grande calibre para a câmera e expressou consternação por eles poderem “ter um problema” se tentassem trazer a munição para o Brasil.”

Quando explodiu o escândalo da interferência russa nas eleições norte-americanas, a agente russa Butina, em sua delação, informou que sua missão era encontrar americanos politicamente influentes infiltrando-se em uma “organização de defesa dos direitos das armas”. Justamente, a NRA.

O pior estava por vir .

A NRA foi alvo de uma campanha pesada do governador democrata de Nova York, Andrew Cuomo. A revelação das ligações com os russos ajudou a cortar os laços da NRA com a mídia norte-americana. Sem a retaguarda da mídia, e com o aumento das ações judiciais, as seguradoras passaram a ter receio de negociar com a NRA. Segundo reportagem da Bloomberg, a esperança da associação foi direcionar seu foco para o Brasil e Austrália.

O segundo braço era a indústria dos cassinos, de Las Vegas, liderada por um judeu, Sheldon Adelson, fanático pelo sionismo e financiador das campanhas de Donald Trump e do primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.
cassino

Através de Sheldon e da indústria de armas, Bolsonaro se aproxima de grupos econômicos internacionais, sediados em Israel. Essa aproximação se consolida quando facções de evangélicos voltam a incensar Israel, tentando ressuscitar previsões bíblicas.

Demos mais detalhes em “Xadrez de como os cassinos financiaram a ultradireita e negociam com os Bolsonaro”.

Peça 2 – as bases do golpe

Desde o início do governo sabia-se que uma das bases de apoio de Bolsonaro eram os clubes de caça e tiro. Ficou claro no artigo “Xadrez do momento mais decisivo da história“. Nele, traçamos alguns dos preparativos para o golpe.

1. Entrada descontrolada de armamentos beneficiando dois setores formais e um setor criminoso ligados a Bolsonaro: ruralistas e clubes de tiro e caça, e as milícias propriamente ditas

2. Cooptação das bases das polícias militares. A última iniciativa, do Ministério da Justiça – dirigido por um ministro bolsonarista – é conseguir o e-mail de todos os policiais militares do país para um suposto levantamento das suas condições socio-conservadoras

3. As benesses aos militares, escancarando os cargos na administração civil para militares da ativa e da reserva, ampliando suas verbas e benefícios proporcionados.

4. Fortalecimento das bases evangélicas, com atuação pertinaz do Ministério Damares destruindo políticas de saúde e inclusão para transferir poder a asilos e escolas especiais dominadas pelo neopentecostalismo.

5. Manutenção dos laços de parceria com a ultradireita mundial através do Itamarati. Tirou-se um Ministro das Relações Exteriores trapalhão, mas não se alterou a orientação do Itamarati.

Peça 3 – os personagens dos negócios da vacina

No “Xadrez para entender a história do cabo das vacinas” detalhamos as confusões em torno das denúncias de pedidos de propinas para a venda de vacinas.

Soava algo incompreensível que um cabo da Polícia Militar de Minas Gerais, alguns coronéis da reserva, um da Força Aérea, outro do Exército.

Nela mostramos que o cabo Dominguetti – que teria oferecido inacreditáveis 600 milhões de doses da Astra Zeneca – se apresentava como representante de uma tal Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah), uma organização do Distrito Federal tendo como principais nomes o reverendo Amilton Gomes e Carlos Alberto Rodrigues Tabanez.

O bispo aparece em foto com Flávio Bolsonaro, o representante comercial da família

bandidagem

O cabo Dominguetti conseguiu acesso ao Ministério por representar a Senah. Mas onde estava a fonte de influência da empresa?

Peça 4 – os vínculos da Senah

Acompanhe as imagens:

Aqui, um pedaço do site da Senah

senah

Na home, há o dístico de uma tal National Secretariat for Humanitarian Affairs, aparentemente a cabeça da organização à qual pertence a Senah brasileira. A imagem atrás, do site da organização, foi traduzida pelo Google.

O site americano traz informações relevantes.

senah

O site mostra todos os sinais do bolsonarismo. A começar do “America First!. Acima do dístico da empresa, está o botão da Association of the United States Army, o site do Exército americano.

Clicando no botão, vai-se ao site da associação.

army

A influência de Israel é nítida na tal associação, na composição do conselho.

senah

Peça 5 – o Clube de Tiro

O segundo nome relevante da Senah é Carlos Alberto Tabanez. É um policial civil, especialista em explosivos, e foi candidato a deputado estadual do Distrito Federal pelo PROS. Recebeu apenas 8 mil votos e não se elegeu.

milícia

Mas mantém boas relações com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha.

milícia

E, especialmente, com Bolsonaro.

milícia

Além de membro da Senah, Tabarez é dono de um Clube de Caça e Tiro.

GSI

O clube foi visitado por Bolsonaro.

Tabanez também tem estreitas relações com os militares bolsonaristas.

Em 2007, recebeu o título de “cidadão de Brasília” por ter sido instrutor no treinamento de técnicos em explosivos para preparação do 4º e 9º Contingentes da Companhia de Engenharia do Exército para a Força de Paz no Haiti, comandada pelo general Heleno.

Um frequentador habitual do Clube de Tiro GSI é Marcos Pollon, do Movimento Pró-Armas, muito próximo da família Bolsonaro e frequentemente associado à defesa armada do governo no melhor estilo miliciano. Seu slogan “Não é sobre armas; é sobre liberdade” é um mantra nos clubes de tiros do país, e no Clube de Tiros GSI não é diferente.

Em julho do ano passado, com a pandemia fora de controle e Bolsonaro pressionado, foi no Clube de Tiro GSI, de Tabanez, que Marcos Pollon fez um discurso para “implorar que vocês não permitam que o sonho de viver num país livre não seja destruído por um bando de filhos da puta”.

miliciano

Peça 6 – os negócios da G.S.I.

Mas o que chama a atenção é o nome do Clube, G.S.I., e a menção ao Grupo G.S.I. O que vem a ser?

Uma busca no Portal da Transparência traz informações interessantes sobre a G.S.I. Serviços Especializados.

Pertence a Kelly Fragoso Souza, companheira de Tabanez. Em seu nome existem três empresas:

  • Instituto de Cultura, Cidadania e Desenvolvimento Social, criada em 21.12.2018
  • G.S.I.Consultoria e Treinamento, criada em 30.07.2007, com capital social de R$ 10.000,00.
  • G.S.I.Serviços Especializados Eirelli, criada em 5.3.2012, com capital social atual de R$ 104.500.

Ou seja, empresas com capital ínfimo. Mesmo assim, no Portal da Transparência, há 16 contratos da G.S.I. que perfazem R$ 21 milhões.

Os cinco maiores são:

  • 2 do Hospital das Forças Armadas, no valor de R$ 4,3 milhões e R$ 4,2 milhões.
  • 1 da Empresa de Planejamento e Logística, cujo presidente Arthur Luis Pinho de Lima é da cota dos militares. Trabalhava com a Escola de Comando e Estado Maior do Exército.
  • O 5o contrato, no valor de quase R$ 2 milhões, é do Ministério de Direitos Humanos.

Detalhe: com exceção de 2 contratos, de 2018, todos os demais foram conquistados no período Bolsonaro.

contratos

Peça 7 – as conclusões

O caso mostra, pela primeira vez, como as conexões do bolsonarismo estão se infiltrando no serviço público e ganhando fôlego econômico para futuras incursões.

O episódio da Davati, que envolveu uma parceria do milicianismo com os militares de Bolsonaro,  foi excesso de gula, mas que ajuda a chamar a atenção para esses movimentos de criação de grupos umbilicalmente ligados ao bolsonarismo, conquistando espaço no setor público e trabalhando com armamentos.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!