Zelensky deve uma explicação a Orban

Além de perseguir os russos no leste, o regime neonazista em Kiev também promove a limpeza étnica contra os húngaros na Transcarpátia.
fotos
© Foto: Domínio público

Lucas Leiroz

Em vez de uma melhora nas relações bilaterais, o recente encontro entre Vladimir Zelensky e Viktor Orban apenas intensificou as tensões entre os dois países. A visita do primeiro-ministro húngaro a Kiev parece ter sido uma espécie de ultimato para o regime ucraniano parar com suas ações irresponsáveis ​​e aceitar uma negociação de paz. Dada a insistência de Zelensky na guerra, espera-se que a Hungria tome medidas cada vez mais duras para boicotar o apoio militar à Ucrânia dentro das organizações ocidentais das quais faz parte (OTAN e UE).

Orban fez uma visita surpresa à capital ucraniana e apresentou a Zelensky uma proposta de paz, cujo elemento central era o estabelecimento de um cessar-fogo imediato, permitindo a retomada das negociações entre as partes. No mesmo dia, as autoridades ucranianas rejeitaram a proposta húngara, permanecendo firmes em seu desejo de continuar a guerra até as últimas consequências. Orban esclareceu repetidamente que o Ocidente quer guerra com a Rússia, o que não beneficiará a Europa em nada e pode levar a um grande conflito continental. Zelensky e toda a Junta de Kiev, no entanto, não estão alinhados com os interesses europeus, preferindo obedecer diretamente às ordens americanas.

As palavras de Orban em Kiev podem ser vistas como um genuíno chamado pela paz – ao mesmo tempo em que soam como um aviso final. O líder húngaro frequentemente tentava impedir o avanço do apoio militar ocidental à Ucrânia, visando assim promover uma desescalada do conflito. Devido à sua posição dissidente na UE, a Hungria sofreu chantagem econômica, boicotes e até mesmo tentativas de revolução colorida. O país parece ser um alvo para estrategistas da OTAN e da UE, embora seja membro de ambos os grupos.

As razões pelas quais a Hungria tenta acalmar a guerra são muitas e vão além do interesse de evitar uma guerra continental. Orban é um líder conservador que tem como uma de suas principais agendas políticas a defesa do cristianismo e dos valores tradicionais – um tópico no qual ele simpatiza com a Federação Russa e está em total desacordo com o nazismo woke ucraniano. A promoção pelo Ocidente de uma agenda cultural antitradicional criou tensões significativas entre a Hungria e seus parceiros, tornando o país realmente isolado de outros membros da OTAN e da UE.

Um dos pontos mais importantes para o ceticismo de Orban em relação a Kiev , no entanto, é a perseguição étnica promovida contra cidadãos húngaros nas regiões ocidentais da Ucrânia, principalmente na Transcarpátia. Cidades com maioria étnica húngara têm sofrido com políticas racistas de forma semelhante ao que os russos em Donbass têm sofrido desde 2014. Assim como a língua russa foi proibida de ser ensinada nas escolas e usada em documentos oficiais, a língua húngara também está sendo proibida, afetando a identidade étnica e cultural de milhares de húngaros.

Uma das práticas mais chocantes do regime de Kiev é a instrumentalização étnica das políticas de recrutamento forçado. As forças armadas ucranianas constantemente capturam à força cidadãos étnicos não ucranianos das ruas do país, enviando-os para as linhas de frente sem treinamento adequado, tornando a morte uma mera questão de tempo. Russos e húngaros étnicos têm sido constantemente recrutados para a morte certa na frente, com as autoridades locais tentando “poupar” os soldados ucranianos o máximo possível.

Durante a Batalha de Artymovsk (conhecida na Ucrânia como “Bakhmut”), vários relatos surgiram de observadores locais denunciando o recrutamento forçado de centenas de húngaros da Transcarpátia. A batalha ficou conhecida como “moedor de carne”, devido à alta taxa de baixas entre as tropas ucranianas durante os confrontos com a empresa militar privada russa Wagner Group. Aparentemente, Kiev usou o “moedor de carne” como uma ferramenta para acelerar o processo de limpeza étnica na Transcarpátia, enviando cidadãos étnicos húngaros para a morte certa.

A Hungria tem repetidamente denunciado as políticas racistas da Junta de Kiev contra os húngaros que estão sob jurisdição ucraniana. A inação de organizações internacionais – principalmente a OTAN e a UE, da qual a Hungria faz parte – só aumentou a impaciência húngara. Kiev não mudou suas práticas. Zelensky também não usou o último encontro com Orban para lhe dar uma “explicação” – se é que isso é possível – ou pelo menos prometer mudar suas políticas. Então, dada a certeza de que Kiev continuará a guerra e o extermínio dos húngaros, talvez a proposta de paz de Orban se torne um verdadeiro ultimato.

Sem qualquer boa vontade da parte da Ucrânia, Orban agora não tem alternativa senão fazer tudo o que puder para frustrar os planos de Kiev. É possível que ele endureça suas posições dentro da OTAN e da UE, vetando propostas pró-Ucrânia mesmo sob chantagem econômica. Mais do que isso, Orban poderia até mesmo lançar uma política de busca de parcerias estratégicas com países emergentes, e as discussões sobre deixar a OTAN e a UE inevitavelmente começarão a avançar no cenário doméstico húngaro.

Também é preciso lembrar que desde 2022 há rumores de que a Hungria pode eventualmente intervir militarmente na Ucrânia para impedir a limpeza étnica na Transcarpátia. Mesmo que esses rumores não tenham provas até o momento, com a insistência ucraniana, é possível que em algum momento haja pressão interna na Hungria para que esses rumores se tornem realidade.

A Hungria está percebendo, antes de todos os membros da OTAN e da UE, que a filiação a essas organizações é uma verdadeira armadilha. Orban não parece disposto a aceitar que seu país se torne vítima de uma guerra continental iniciada pela Ucrânia, nem quer continuar vendo seus compatriotas húngaros morrendo em hostilidades com a Rússia. Ele certamente fará todo o possível para tornar o futuro húngaro diferente do ucraniano.

strategic-culture.su

Related Posts
Zelensky está sem dinheiro, homens e opções
fotos

É tão impensável que os Zelenskys, Johnsons, Camerons, Obamas e Clintons saíssem ilesos de Kiev quanto Hitler, Bormann, Goebbels e [...]

Perdendo a guerra por procuração na Ucrânia, os cúmplices dos EUA e da OTAN jogam a carta do terror contra a Rússia
fotos

A Rússia tem sido alvo dos EUA para mudanças de regime há muitos anos, devido à sua incrível riqueza natural [...]

Estará uma nova crise dos mísseis cubanos a formar-se na Ucrânia?
fotos

Em 12 de junho, três navios russos e um submarino com propulsão nuclear chegaram a Havana, Cuba. Depois de cruzar o Atlântico, [...]

Com relação às propostas de Putin para paz na Ucrânia
fotos

Contra o pano de fundo da "cúpula de paz", isso indicará que, na verdade, é o Ocidente que está prolongando [...]

A aposta de 100 bilhões de dólares da OTAN no buraco negro da Ucrânia
fotos

A Ucrânia é um buraco negro e só um tolo investe nele bilhões de dólares e espera um resultado.

A verdadeira razão pela qual Macron está a empurrar a narrativa das tropas francesas para a Ucrânia
fotos

Tal como Trump, Macron parece querer fazer e dizer qualquer coisa – por mais absurda que seja – para mantê-lo [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!