“A Argentina não renuncia à justiça social”

Os discursos foram dirigidos especialmente aos legisladores, poucas horas depois da decisão que chegou de madrugada. Além das críticas ao Governo, houve apelos aos deputados peronistas. 

fotos

Por Karina Micheletto

Histórico. Incrível. Multidão. Subindo e descendo o palco montado desta vez na Plaza del Congreso, todos concordaram em destacar desta forma a magnitude e a contundência da marcha do dia 24. As palavras ouvidas também foram contundentes, dirigidas mais do que ao governo, aos deputados que têm nas mãos o tratamento da Lei da Motosserra e, principalmente, aos peronistas.

  • Para evitar a derrota, Governo adiou sessão para discussão da lei omnibus nos Deputados
  • Três deputados rompem com a Unión por la Patria e criam um novo bloco

“A Pátria não está à venda” foi o slogan que norteou o evento e foi levantado repetidas vezes, mas também houve outros que ecoaram poucas horas depois de uma decisão na madrugada, rearranjos e partições no Poder Legislativo: “ Deputados e senadores “Devem fortalecer-se com esta marcha massiva , para defender com o seu voto a divisão de poderes e a Constituição”, foi expresso no documento assinado pela CGT , as duas CTA , organizações de direitos humanos, cultura, desporto, ciência, inquilinos, PME e profissionais.

“ Um peronista não pode votar esta lei que vai contra os trabalhadores, os aposentados, a soberania nacional ”, destacou por sua vez Pablo Moyano. E Héctor Daer apelou “aos radicais que se lembram de Alfonsín e Hipólito Yrigoyen ”. Por todo o país, as marchas foram replicadas com grandes manifestações, de especial importância em locais como Rosário, Mar del Plata, Córdoba, Bariloche e Tucumán, onde houve repressão por parte da polícia provincial. Também houve manifestações diante das embaixadas argentinas de diversos países. Em Buenos Aires, a presença das Mães da Plaza de Mayo no palco do evento principal, juntamente com numerosos líderes sindicais e sociais, também marcou a relevância do apelo.

“Tenha dignidade”

“Eles fazem campanha cantando a marcha peronista, com as pinturas de Perón e Evita, e quando têm que discutir uma lei, se escondem e temos que vir procurá-los aqui em seus escritórios”, começou Moyano diretamente. “Eles estão tomando uma decisão histórica. Que digam publicamente se estão com os trabalhadores ou com as corporações monopolistas e o modelo econômico levado a cabo por Javier Milei ”, pediu aos legisladores. “Não pode ser que esses deputados montem blocos, subblocos e não sei mais o que, sendo peronistas. E um peronista não pode votar neste DNU e nesta lei”.

Lembrou que “muitos líderes que estão aqui denunciaram a Lei Banelco quando a Aliança liderada por De la Rúa e Bullrich subornou os senadores para que votassem por uma reforma trabalhista contra os trabalhadores ” . E continuou dirigindo-se aos deputados: “Pedimos que tenham dignidade, que tenham princípios, que não traiam os trabalhadores ”. Ele deu como exemplo “os deputados peronistas discutindo se a YPF deveria ser privatizada ou não, como moeda de troca: a YPF não está privatizada, mas os outros 40 estão. Não vote nisso, você não pode, irmão!” .

O parágrafo que mais repercutiu nas redes e meios de comunicação foi o dedicado ao Ministro da Economia: “Há poucos dias disse que temos que carregar o Presidente nos ombros. É o mesmo que desperdiçou 45 bilhões de dólares. Se ele tomar essas medidas de fome e demissões, os aposentados e os mais humildes vão carregar nas costas, mas jogar no rio, para parar esse modelo econômico”, disse ele. Recebeu resposta de Luis Caputo : “Espero que a justiça tome medidas sobre o assunto”. 

“Viemos dizer aos deputados e senadores que a possibilidade de exigir a divisão de poderes está nas mãos deles, com a Constituição em mãos, que diz claramente que os direitos são progressivos e que não podem voltar atrás”, continuou. . E fez as contas: “São 600 leis. Cada deputado tem 5 minutos em comissão e 5 minutos na Câmara.

Denunciou que “vêm com uma palavra tão nobre como liberdade, usam-na para alardear a fórmula de atualização dos reformados. Impulsionam-nos com liberdade e querem levar-nos a entregar o fundo de garantia de sustentabilidade”. E pediu aos legisladores que “agissem de acordo com o mandato popular. Olhem as pessoas nos olhos e ajam de acordo”. “ Viemos aqui bancá-los para que possam bancar o povo ”, concluiu.

Presenças e multidões

“E você vê, e você vê, só tem uma CGT ”, cantava a multidão perto do palco, enquanto, por volta das 13h30 e sob um sol que não deu trégua durante todo o dia, eles começaram a subir para o palco diferentes dirigentes sindicais, da CGT e dos dois CTA: Carlos Acuña, Hugo Moyano, Hugo Yasky (de muletas, com corte de tendão “para tentar jogar futebol”), Hugo Cachorro Godoy, Daniel Tano Catalano (ATE Capital) , Roberto Baradel (Suteba), Sonia Alesso (CTera), Víctor Santa María (Suterh e coordenador do Grupo Octubre), Omar Plaini (Canillitas), Marina Jaureguiberry (secretária geral do Sadop, sindicato dos professores particulares, foi responsável pela leitura documento conjunto), Juan Carlos Schmid (Dragagem e Balizamento), Julio Piumato (Judiciários), Mario Paco Manrique (Smata), Andrés Rodríguez (UPCN), entre muitos.

Axel Kicillof também se juntou à mobilização (causando outro blef do ministro Bullrich, que o acusou de “violar a lei” ao ir marchar), juntamente com prefeitos como Fernando Espinoza e Jorge Ferraresi, e vários dos ministros de seu gabinete. Na que hoje é sua marca, Gabriel Katopodis chegou de trem, com uma parada para falar sobre o rumo da viagem na estação Retiro. Máximo Kirchner juntou-se à coluna Cámpora , junto com Nicolás Kreplak, Wado de Pedro, Mariano Recalde, Mayra Mendoza, Horacio Pietragalla. Também estiveram presentes, entre outros, Agustín Rossi, Malena Galmarini, Federico Storani , e um grande número de deputados da Unión por la Patria.

Também estiveram no palco representantes de espaços sindicais internacionais, entre eles Rafael Freire , presidente da Confederação Sindical das Américas, que lembrou: “Já derrotamos a extrema direita com Bolsonaro no Brasil. aqui também “Hoje toda a América Latina é Argentina”.

A partir daí, os presentes comentaram o impacto da foto que devolveu a visão de uma praça completamente lotada, com quarteirões e quarteirões de gente além do 9 de Julio, e também nas laterais. E também a “palhaçada” do “piquete Bullrich” em Puente Pueyrredón, com uma inusitada operação policial que buscava impedir que os manifestantes chegassem ao evento, gerando, justamente, o corte da ponte, além de cenas desnecessárias de tensão.

Com lenços brancos

As presenças mais notáveis ​​subiram ao palco com lenços brancos: as Mães da Plaza de Mayo Línea Fundadora, Taty Almeida, Vera Jarach e Clara Westein , e Josefa “Pina” de Fiore e Sara Mrad , da Associação Mães da Plaza de Mayo.

“É emocionante ver a unidade que está sendo demonstrada, com ações, não com palavras”, disse Taty à multidão, e levantou dois gritos com ela: “O povo unido nunca será derrotado” e “Presentes”, para os 30.000.

“Foi histórico, foi histórico”, repetiu ela depois em uma entrevista ao Página/12, ainda emocionada. “O fato de terem me pedido para dizer algumas palavras no final da cerimônia, antes da marcha peronista, é um lugar maravilhoso que deram não apenas a mim, mas a todas as mães e organizações de direitos humanos. Foi uma atitude corajosa minha gritar pelos 30.000, e ver toda aquela multidão gritando ‘Presente’ ainda me emociona. Vou tomar um chá de tília e ver se consigo sair dessa nuvem!”, comemorou com seu humor e força de sempre. E agradeceu a Daer pelo gesto de lembrar Sara Rus , sobrevivente de Auschwitz e Mãe da Plaza de Mayo, falecida ontem aos 96 anos ( ver separado ).

“A Argentina não renuncia à justiça social ”, repetiram ao lado do líder social. E destacaram a calma com que todo o evento ocorreu, apesar da operação policial que anteriormente havia bloqueado as esquinas da Avenida Entre Ríos, causando grandes aglomerações nos estreitos corredores de acesso. “Aqui não há sacos para cadáveres, nem forcas, nem guilhotinas, nem motosserras. Marchamos, vivemos e trabalhamos em paz”, comemorou a organização.

pagina12.com.ar

Related Posts
BRICS, outra maneira de moldar o mundo
brics

Uma ordem internacional justa e humanista só poderá ser instaurada por povos inconformados com o uso e abuso de sua [...]

Hegemon ordena Europa: aposte na guerra e roube o dinheiro da Rússia
fotos

Sem os BRICS, não há absolutamente nada que o Ocidente coletivo – como o Hegemon e diversos vassalos – possa [...]

Estará uma nova crise dos mísseis cubanos a formar-se na Ucrânia?
fotos

Em 12 de junho, três navios russos e um submarino com propulsão nuclear chegaram a Havana, Cuba. Depois de cruzar o Atlântico, [...]

Uma proposta, uma última chance, um ultimato
combate

Condições de paz recentemente expostas por Putin estabelecem uma nova fase da operação militar especial.

O fim do pacto do petrodólar
fotos

Os EUA persuadiram os sauditas a comercializar o petróleo somente em dólares, o que se tornou parte integrante do comércio [...]

Com relação às propostas de Putin para paz na Ucrânia
fotos

Contra o pano de fundo da "cúpula de paz", isso indicará que, na verdade, é o Ocidente que está prolongando [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!