A Argentina se inscreve para se tornar um “parceiro global” da OTAN, enquanto a Colômbia, um Estado cliente de longa data dos EUA, busca a adesão ao BRICS

fotos
© Foto: Domínio público

Nick Corbishley

Quando se trata de política externa, o governo argentino de Javier Milei parece ter apenas um princípio orientado: alinhar-se aos EUA e a Israel o mais fortemente possível, custe o que custar. Como  relatou  na terça-feira, parece que ele pretende envolver a Argentina em conflitos a milhares de quilômetros de distância, inclusive na Ucrânia e no Oriente Médio. Ontem (quinta-feira, 18 de abril), ouvimos mais uma confirmação disso quando o Ministro da Defesa do país, Luis Petri,  anunciou  de Bruxelas que havia entregue uma carta à sede da OTAN expressando o interesse da Argentina em se tornar um  Parceiro Global  da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

“Encontrei-me com Mircea Geoana, vice-secretário geral da OTAN”, disse Petri. “Apresentei uma carta de interesse que expressa o pedido da Argentina para se tornar um parceiro global dessa organização. Continuaremos a trabalhar para recuperar os vínculos que nos permitem modernizar e treinar nossas forças de acordo com os padrões da OTAN.”

Veja o que o site oficial da OTAN tem a dizer sobre o desenvolvimento:

fotos
O Secretário-Geral Adjunto da OTAN, Mircea Geoană, reúne-se com Luis Petri, Ministro da Defesa da Argentina

“É um grande prazer dar as boas-vindas ao Ministro da Defesa Petri à sede da OTAN”, disse o Sr. Geoană. “A Argentina desempenha um papel importante na América Latina, e eu aceito o pedido de hoje para explorar a possibilidade de se tornar um parceiro da OTAN. A OTAN trabalha com uma série de países em todo o mundo para promover a paz e a estabilidade. Uma cooperação política e prática mais estreita pode beneficiar a ambos”.

Os dois líderes trocaram opiniões sobre os desafios de segurança europeus e latino-americanos. O secretário-geral adjunto elogiou o papel da Argentina no apoio à Ucrânia com assistência humanitária vital, incluindo alimentos, medicamentos e apoio aos refugiados.

É o mesmo: A Argentina, cuja economia está sob o domínio de uma crise estagflacionária brutal, em grande parte causada pelo próprio governo (embora os governos anteriores certamente tenham feito a sua parte), onde as fileiras de pobres  estão crescendo  a uma taxa de um milhão por mês e onde os gastos públicos e os subsídios estão sendo cortados, até mesmo para os cada vez mais procurados refeitórios e bancos de alimentos, está enviando alimentos, remédios e outras formas de apoio para a Ucrânia do outro lado do oceano.

Expansão global da OTAN

A OTAN, a maior aliança militar permanente do mundo, tem atualmente oito parceiros globais, dos quais apenas um está na América Latina. Esse país é a Colômbia, que, ironicamente, está tentando entrar no BRICS (mais sobre isso a seguir), uma organização intergovernamental de nove países cujos novos membros deveriam incluir a Argentina. Mas Milei cancelou a entrada da Argentina. Os outros sete parceiros globais da OTAN são Austrália, Iraque (que não teve muita escolha na questão), Japão, Mongólia, Nova Zelândia, Paquistão e Coreia do Sul. O Afeganistão também era membro, novamente com questão de pouca ou nenhume, mas foi suspenso em 2021 após a retirada desordenada das tropas dos EUA do país.

O comunicado de imprensa da OTAN observa que qualquer decisão sobre uma parceria formal exigiria o consenso de todos os 32 Aliados, incluindo o Reino Unido, o rival histórico da Argentina, que poderia, se desejado, atrapalhar o processo, embora isso seja evitado. Um obstáculo muito maior é o fato de que, antes de aderir, Milei precisa buscar a aprovação do Congresso argentino, e isso está longe de ser garantido, considerando o pouco apoio que seu partido tem nas duas câmaras legislativas.

De acordo com seu  site oficial , o envolvimento da OTAN com parceiros globais está assumindo uma importância cada vez maior “em um ambiente de segurança complexo, no qual muitos dos desafios que uma Aliança enfrenta são globais e não estão mais limitados pela geografia”:

O envolvimento da OTAN em áreas fora de sua região imediata – incluindo o Afeganistão e a Líbia – aumentou a necessidade e as oportunidades de uma maior interação global. É claro que o surgimento de ameaças globais exige a cooperação de uma gama maior de países para enfrentar com sucesso desafios como o terrorismo, a segurança, a pirataria ou os ataques cibernéticos. O diálogo com esses países também pode ajudar a OTAN a evitar crises e, quando necessário, gerenciar uma operação em todas as fases.

A  Agenda 2030 da OTAN (definida em junho de 2021) estabelece o compromisso de fortalecer as relações da OTAN com parceiros que pensam da mesma forma e parajar novos compromissos na África, Ásia e América Latina. Em novembro de 2021, o Conselho do Atlântico (braço político da OTAN)  anunciou a possibilidade de adesão do México.  Como o Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica CELAG publicou em seu documento de 2022, “What Is NATO Doing in Latin America?” (O que a OTAN está fazendo na América Latina?), um dos principais atrativos da América Latina para a OTAN é a mão de obra:

O Brasil tem  334.500 militares ativos , a Colômbia  200.000  e  a Argentina 51.309  (dados de 2018). A OTAN tem 3,5 milhões de militares e civis ativos. Somente o Brasil e a Colômbia poderiam contribuír com mais ativos do  que os membros europeus anexados à OTAN na década de 1990 (Macedônia do Norte, Montenegro, Albânia, Croácia, Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, República Tcheca e Hungria ). A Argentina tem ativos semelhantes à Bulgária (24.800) e à República Tcheca (25.000) juntos.

Outro motivo pelo qual a OTAN, assim como os EUA, está interessada na América Latina é a influência crescente da China e, em menor grau, da Rússia na região. A superpotência asiática já é o maior parceiro comercial da América do Sul. Nos últimos anos, os EUA iniciaram um plano agressivo para voltar a se envolver com sua interação direta após décadas de relativo desinteresse. A ascensão da China na América Latina coincidiu quase perfeitamente com a Guerra Global contra o Terror liderada pelos EUA, como observei em meu artigo de agosto de 2021,  Os EUA estão perdendo poder e influência em seu próprio “quintal ”:

Enquanto Washington desviava sua atenção e seus recursos de sua vizinhança imediata para o Oriente Médio, onde gastava trilhões de dólares espalhando o caos e a morte e criando novos terroristas, a China começou a se apoderar dos recursos da América Latina. Os governos de toda a região, do Brasil à Venezuela, ao Equador e à Argentina, deram uma guinada para a esquerda e começaram a trabalhar juntos em vários fóruns. Nascia o superciclo das commodities.

O comércio da China com a região cresceu 26 vezes entre 2000 e 2020, de US$ 12 bilhões para US$ 315 bilhões, e espera-se que mais do que dobre até 2035, para mais de US$ 700 bilhões. Nos últimos 20 anos, a China passou de uma posição quase insignificante como fonte de importações e destinos de exportações na região para se tornar seu segundo parceiro comercial, às custas não apenas dos EUA, mas também da Europa e de alguns países latino-americanos, como o Brasil, cuja participação no comércio inter-regional caiu.  De acordo com  o Fórum Econômico Mundial, “a China se aproximará – e poderá até ultrapassar – os EUA como o principal parceiro comercial da ALC. Em 2000, a participação chinesa era responsável por menos de 2% do comércio total da ALC. Em 2035, ela poderá chegar a 25%”.

À frente do plano de Washington para retomar o domínio da América do Sul está a general Laura Richardson, comandante do Comando Sul dos EUA, sobre como o jornal argentino La Nación descreveu em uma  manchete recente  como “a general americana que trabalha dia e noite para impedir o avanço da China na América Latina”. Richardson visitou o país duas vezes somente no mês passado.

A missão de Richardson é dupla: primeiro, combater a influência chinesa e russa na região. A América Latina está repleta de recursos inestimáveis, incluindo elementos de terras raras, lítio, ouro, petróleo, gás natural, petróleo bruto leve e doce, cobre, colheitas abundantes de alimentos e água doce. E o governo e os militares dos EUA, bem como as corporações cujos interesses os atendem, estão de olho em todos eles. Como  lamentou  o jornalista e apresentador de notícias argentino Carlos Montero  em 2021 , seria bom viver em um mundo em que os EUA não são relevantes na América Latina pelas riquezas que poderiam saquear, mas para ajudar-la a deixar de ser a região mais desigual do mundo.

A melhor venda

O General Richardson não é a única autoridade sênior dos EUA que passou pelos corredores da Casa Rosada da Argentina nos últimos dois meses. O mesmo aconteceu com o Secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, e o Diretor da CIA, William J. Burns.

Os resultados falam por si. Nesses dois meses, o governo de Milei  assinou  um memorando de entendimento com os Estados Unidos, permitindo que membros do Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA operassem ao longo da hidrovia Paraná-Paraguai, incluindo grandes partes da bacia do Rio da Prata, por onde passam cerca de 80% de todas as exportações argentinas. O país comprou US$ 300 milhões em caças F-16 de segunda mão, com 40 anos de uso, da Dinamarca, com a ajuda de financiamento dos EUA. Também anunciou o estabelecimento de uma base naval dos EUA em Ushuaia, na ponta sul da Terra do Fogo, frequentemente descrita como a última parada antes da Antártica.

Acusado de vender a soberania de seu país por aparentemente nada em troca, Milei  argumentou , com uma cara séria, que permitiria a instalação de uma base militar dos EUA em Ushuaia é o maior ato de soberania dos últimos 40 anos, pois fortalecerá as reivindicações territoriais da Argentina sobre a Antártida.

Como se isso não bastasse, Milei discutiu o envio de armas e até mesmo de pessoal militar para a Ucrânia. Ele também expressou o “apoio inabalável” da Argentina ao Estado de Israel, mesmo quando este comete genocídio em Gaza. Em uma entrevista televisiva há três dias, a Ministra do Interior de Milei, Patricia Bullrich, membro sênior da casta política que Milei  jurou  ,  resumiu  a posição geopolítica da Argentina nos termos mais claros possíveis:

Estamos com Israel por verdade. Estamos com Israel, com os EUA, com a Europa, com o mundo ocidental, por verdade. Porque pensamos na filosofia da democracia, na defesa dos direitos humanos, em países livres onde as pessoas podem levar a vida que escolhem livremente…

A neutralidade não é a posição da Argentina. Mensagens politicamente corretas, como as que pedem paz, não são a posição da Argentina. A posição da Argentina é que ela estará ao lado dos Estados que pertencem à democracia (sic), ao mundo ocidental, que defendem valores com a Argentina, independentemente de tudo correr bem ou mal.

E essa, caros leitores, é a abordagem do governo de Milei em relação à política externa, conforme definido por seu ministro da segurança, cuja responsabilidade, é claro, não inclui a política externa. Com base nesse julgamento, faz todo o sentido que o governo queira participar da OTAN como parceiro global.

É claro que há uma série de razões pelas quais os EUA e seus aliados da OTAN gostariam de ter a Argentina como parceira. Aqui estão alguns deles,  apresentados por  Sacha Llorenti, ex-embaixador da Bolívia nas Nações Unidas:

  • Desestabilizar uma região.
  • Impedir qualquer esforço de integração regional.
  • Expandir a presença militar dos Estados Unidos e de Israel.
  • Apropria-se de um dos vértices do triângulo de lítio.
  • Turvar as águas do genocídio de Israel em Gaza e estabelecer uma presença da OTAN na América do Sul.
  • Envolver uma região em conflitos armados atuais e futuros.

Esse último ponto é importante. Conforme relatamos nos últimos dois anos, os países latino-americanos, assim como a maior parte do chamado “Sul Global”, não querem se envolver no conflito da Ucrânia. O único governo da região que apoiou as avaliações da UE e dos EUA contra a Rússia em grande medida foi a Costa Rica. Agora, há dois novos governos – Argentina e Equador, ambos atrelados ao Fundo Monetário Internacional – que estão certos de cumprir as ordens coletivas do Ocidente na política externa, não apenas na Ucrânia, mas também no Oriente Médio e em suas ambientes diretos.

Um  artigo  do The Intercept revela como o governo em apuros de Daniel Noboa no Equador, atualmente um membro temporário do Conselho de Segurança da ONU, foi mobilizado pelo governo Biden para pressionar outros países no Conselho a não apoiarem a condição do Estado palestino na próxima votação. O governo Biden relutou em usar seu veto no Conselho para bloquear o reconhecimento da condição de Estado palestino, já que em público ele afirma apoiar uma solução de dois Estados. Em vez disso, usaram membros procuradores como o Equador para tentar fazer com que outros países mudassem seu voto na esperança de que a maioria votasse contra a resolução:

Um segundo telegrama, datado de 13 de abril, enviado da Embaixada dos Estados Unidos em Quito, Equador, relata a concordância da ministra das Relações Exteriores do Equador, Gabriela Sommerfeld, com os Estados Unidos de que a Palestina não deveria ser reconhecida como Estado. Em cooperação com os Estados Unidos, de acordo com o telegrama, Sommerfeld instruiu o representante permanente do Equador nas Nações Unidas, José De La Gasca, a fazer lobby junto ao Japão, Coreia e Malta (todos os membros rotativos do Conselho de Segurança) para rejeitar uma proposta. O lobby do membro permanente França também foi considerado.

Sommerfeld chegou, de acordo com o telegrama, que “era importante que qualquer proposta não conseguisse obter os votos necessários sem o veto dos EUA”. O telegrama diz que “o Equador não gostaria de parecer isolado (sozinho com os Estados Unidos) em sua retirada de uma resolução sobre a ‘Palestina’ (particularmente em um momento em que a maioria dos estados membros da ONU está criticando o Equador por sua incursão em 5 de abril na embaixada do México em Quito)”. O Equador se encontra em um conflito crescente com o México por causa de sua decisão de  prender o ex-vice-presidente equatoriano  dentro da embaixada mexicana…

“Isso realmente mostra até que ponto o governo [do presidente equatoriano Daniel] Noboa está em dívida com os Estados Unidos”, disse Guillaume Long, membro sênior do Centro de Pesquisa Econômica e Política, com sede em Washington, e ex-ministro das Relações Exteriores do Equador, ao Intercept, quando recebeu o telegrama. “Além disso, é bastante chocante ver os Estados Unidos, que condenaram a invasão da embaixada mexicana pelo Equador em 5 de abril e sua violação do direito internacional (…) aproveitando ao máximo o isolamento do Equador no hemisfério para fazer com que o país cumpra suas ordens. O Equador está apenas comprando sua saída de seus crimes cometendo mais crimes. É realmente chocante”, disse Long, referindo-se à suspensão do Equador à adesão da Palestina à ONU.

No final, os EUA ganharam seu poder de veto para bloquear a resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que aceitava a Palestina como membro pleno da ONU, alegando, ao mesmo tempo, que ainda apoiavam a condição do Estado palestino.

Rumores sobre o Hezbollah

Como relatou na terça-feira, um dos resultados da recente visita do diretor da CIA, Burns, a Buenos Aires foi um  acordo  para que a Argentina conduzisse a inteligência sobre as ameaças terroristas na região, principalmente do Hezbollah, do tráfico de drogas e na “Tríplice Fronteira”, uma área de três fronteiras ao longo da Argentina, Brasil e Paraguai, para onde convergem os rios Iguaçu e Paraná. Parece que a parte do Hezbollah nesse acordo já está em pleno andamento. Da  Página 12  (tradução minha):

A Ministra da Segurança (Patricia Bullrich) saiu pela boca em uma entrevista dizendo que a posição argentina em relação ao conflito entre Israel e Irã não é “pedir paz”, mas apoiar Israel e todas as suas ações beligerantes. Em meio a isso, Bullrich disse que a Argentina “está em uma área onde há uma presença ativa de duas forças que são aliadas, uma diretamente, do Irã. Uma delas, o Hezbollah, está na tríplice fronteira do Paraguai, Brasil e Argentina”.

Bullrich também alegou que o grupo de combate libanês havia sido detectado em Iquique, no norte do Chile, em São Paulo, no Brasil e no Peru. Ela também afirmou que “membros iranianos da Força Quds, um dos ramos armados” da Guarda Revolucionária Iraniana, estão presentes na Bolívia e que o governo argentino está verificando suas fronteiras com a Bolívia para ver se “pessoas que não falam espanhol e que têm passaportes bolivianos entram”. Em seguida, ela esclareceu que ninguém havia sido visto tentando entrar na Argentina, “mas é uma hipótese que estamos tratando como uma possibilidade” – nesse caso, por que mencioná-la, a não ser para semear a discórdia?

E foi exatamente isso que aconteceu. As palavras de Bullrich provocaram uma resposta feroz dos governos do Chile e da Bolívia. O presidente chileno Gabriel Boric pediu a Bullrich que “fosse responsável e não fizesse declarações tão imprudentes”. De fato, o governo chileno convocou uma funcionária argentina por meio de sua representação diplomática, dizendo-lhe: “Se você tem acusações sérias, deve entregá-las às autoridades legais do Chile e deixá-las se comunicar por meio do Ministério das Relações Exteriores ”.

Do Ministério das Relações Exteriores da Bolívia: “Negamos e rejeitamos enfaticamente as denúncias de que a Bolívia abriga em suas fronteiras pessoas que espalham terror, insegurança e ansiedade. Essas acusações não têm provas ou documentos e são feitas sem qualquer base.” La Paz também descreveu as discussões como provocações destinadas a envenenar “as relações entre Estados e povos que reúnem as mesmas raízes” e aspirações.

É interessante notar que Bullrich se reuniu rapidamente com seus colegas chilenos, mas não declarou nenhuma especificação para fazer o mesmo com o governo boliviano.

Colômbia busca adesão ao BRICS

Por fim, vale a pena observar que os alinhamentos geopolíticos não estão apenas mudando a favor de Washington. O governo de esquerda da Colômbia, um estado cliente de longa data dos EUA, com pelo menos oito bases militares em seu território, expressou um grande interesse em participar do grupo BRICS. Após uma reunião com o Presidente Lula da Silva, do Brasil, durante a apresentação da 36ª edição da Feira Internacional do Livro de Bogotá, o Presidente da Colômbia, Gustavo Petro, anunciou sua intenção de se candidatar a membro do BRICS “o mais rápido possível ”.

O presidente Lula recebeu uma notícia com satisfação, dizendo que faria tudo o que fosse possível para promover a candidatura da Colômbia. Lula já sofreu o constrangimento de eventual rejeição do convite da Argentina para participar do BRICS, mas está claramente interessado em que outro país latino-americano tome seu lugar. A Colômbia, com a quarta maior economia da América do Sul, depois do Brasil, Argentina e Chile, é uma escolha obviamente. Outros países latino-americanos específicos em participação do bloco são a Bolívia e a Venezuela.

Ao mesmo tempo, a Colômbia continua firmemente sob o controle do Comando Sul dos EUA. Atualmente, os EUA têm sete bases militares formais na Colômbia,  de acordo com a  CELAG. Outros relatórios que encontrei sugerem que podem ser oito. Além disso, um novo projeto militar está em andamento no Parque Nacional Natural Gorgona, uma ilha intocada localizada no sul do Pacífico colombiano. O projeto é para a construção de uma subestação da Guarda Costeira financiada pela Embaixada dos Estados Unidos por meio da Seção de Assuntos Internacionais de Narcóticos e Aplicação da Lei, e sofre forte oposição de moradores locais, ONGs e grupos ambientais.

No entanto, as relações entre Washington e Bogotá azedaram nos últimos meses, em grande parte devido à  notificação ferrenha  de Petro aos crimes de guerra israelenses em Gaza e à sua recusa em condenar o ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro. Há algumas semanas, os EUA responderam da mesma forma, excluindo a Colômbia do “seleto grupo” de países que se beneficiam de fundos adicionais dos EUA.  De acordo com o  congressista republicano dos EUA Mario Díaz-Balart, a decisão foi tomada em resposta às recentes palavras e ações do governo colombiano que vão contra os interesses estratégicos dos EUA.

Naked Capitalism

Related Posts
O fracasso das sanções financeiras ocidentais
fotos

As ameaças persistentes de Washington revelam um consenso bem estabelecido no Atlântico Norte de que, por um lado, o poder [...]

Putin e Xi são estadistas mundiais, enquanto as elites ocidentais demonstram ser a verdadeira ameaça à paz global
fotos

A força militar e econômica combinada da Rússia e da China, juntamente com a sabedoria política dos seus líderes, são [...]

Uma história de dois soberanos, um lacaio e uma babá
fotos

Imagens espelhadas surpreendentes giram em torno de dois acontecimentos importantes nesta semana, diretamente embutidos na Grande Narrativa que dá forma [...]

O sionismo cristão no Brasil como guerra híbrida
fotos

Os cristãos antissionistas nos EUA receberam, espantados, a notícia de que a Câmara dos Representantes dos EUA estaria votando um [...]

O “jardim europeu de Borrell” cheirava a comida frita.
fotos

A velha ordem mundial já praticamente entrou em colapso. É impossível restaurá-lo. O mundo entrou irrevogavelmente no período de formação [...]

BRIC-o-rama: na estrada no Brasil, de olho na Rússia-China
fotos

Aprendi como a China escolheu o estado da Bahia como indiscutivelmente o seu principal nó no Brasil, onde o investimento [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!