A decepção de Bolsonaro com a Bolívia

decepcionado

Por Eric Nepomuceno

Em Brasília, pelo menos a princípio, não houve reação oficial à vitória, ao que tudo indicava, inevitável, do candidato do MAS na Bolívia. É muito provável que o resultado oficial seja aguardado para que apareça uma manifestação formal, que dificilmente será calorosa.

Em todo caso, não há margem para dúvidas: a vitória de Luis Arce impõe uma dura decepção ao presidente de extrema direita Jair Bolsonaro . Basta lembrar que, quando do golpe de Estado de 2019 promovido pela Organização dos Estados Americanos, a OEA, o Brasil foi um dos primeiros a reconhecer a autoproclamada presidente Jeanine Áñez.

O resultado das pesquisas também confirma a solidez da imagem do ex-presidente Evo Morales entre os bolivianos . Quando ocorreu o golpe que o depôs, Bolsonaro não fez nenhum esforço para disfarçar sua alegria.

A perspectiva de vitória da direita na Bolívia animou Bolsonaro com a perspectiva de fortalecer a tendência que já possui vários governos sul-americanos, com destaque para Chile, Equador e Colômbia. A vitória de Arce quebra essa perspectiva ao abrir canais de diálogo com a Argentina de Alberto Fernández, alvo direto de críticas cada vez mais contundentes da extrema direita brasileira.

Bolsonaro, aliás, está prestes a sofrer outra derrota – e de efeitos muito mais danosos. Se as expectativas de vitória do democrata Joe Biden sobre Donald Trump se confirmarem, o eixo Brasília-Washington passará para uma nova etapa. A vergonhosa submissão de Bolsonaro ao seu ídolo e guia permanecerá nas calendas como uma vassalagem sem precedentes nas relações bilaterais, e todas as vantagens inexistentes que o brasileiro exaltou graças ao seu “diálogo aberto” com Trump virão à tona, contribuindo para desmoralizar ainda mais além de sua idolatria obsessiva.

Neste momento, enquanto o Bolsonaro homenageia os “excelentes resultados” alcançados com os Estados Unidos, a Câmara Americana de Comércio mostra que, entre janeiro e setembro de 2020, as transações comerciais entre os dois países registraram a maior queda dos últimos onze anos . Mas já está bem estabelecido que a realidade pouco ou nada importa para Bolsonaro.

Se a vitória de Luis Arce tira a possibilidade de um eixo de direita na América do Sul, a de Biden vai impor consequências imprevisíveis.

Fonte: Página 12

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − treze =