A desdolarização entra em ação

O dólar americano é essencial para a projeção de poder global dos EUA. Mas em 2022, a participação do dólar nas moedas de reserva caiu 10 vezes mais rápido do que a média nas últimas duas décadas.

desdolarização
The Cradle

Por Pepe Escobar

Agora está estabelecido que o status do dólar americano como moeda de reserva global está se  desgastando . Quando a mídia corporativa ocidental começa a atacar seriamente a narrativa de desdolarização do mundo multipolar, sabemos que o pânico em Washington está totalmente instalado.

Os números: a participação do dólar nas reservas globais foi de 73% em 2001, 55% em 2021 e 47% em 2022. A principal conclusão é que, no ano passado, a participação do dólar caiu 10 vezes mais rápido do que a média nas últimas duas décadas.

Agora já não é exagero projetar uma participação global do dólar de apenas 30% até o final de 2024, coincidindo com a próxima eleição presidencial dos EUA.

O momento decisivo – o verdadeiro gatilho que levou à queda do Hegemon – foi em fevereiro de 2022, quando mais de US$ 300 bilhões em reservas estrangeiras russas foram “congeladas” pelo Ocidente coletivo e todos os outros países do planeta começaram a temer por seu próprio dólar no exterior. No entanto, houve algum alívio cômico nesse movimento absurdo: a UE “não consegue encontrar”  a maior parte dos dólares da Rússia.

Agora vamos a alguns desenvolvimentos essenciais atuais na frente comercial.

Mais de 70 por cento dos acordos comerciais entre a Rússia e a China agora usam o rublo ou o yuan, de acordo com o ministro das Finanças da Rússia, Anton Siluanov.

Rússia e Índia estão negociando petróleo em rúpias. Há menos de quatro semanas, o Banco Bocom BBM tornou-se o primeiro banco latino-americano a se inscrever como participante direto do Cross-Border Interbank Payment System (CIPS), que é a alternativa chinesa ao sistema de mensagens financeiras liderado pelo Ocidente, o SWIFT.

A CNOOC da China e a Total da França assinaram seu primeiro comércio de GNL em yuan através da Bolsa de Petróleo e Gás Natural de Xangai.

O acordo entre Rússia e Bangladesh para a construção da usina nuclear de Rooppur também contornará o dólar americano. O primeiro pagamento de US$ 300 milhões será em yuan, mas a Rússia tentará mudar os próximos para rublos.

O comércio bilateral da Rússia e da Bolívia agora aceita pagamentos em Boliviano. Isso é extremamente pertinente, considerando o desejo da Rosatom de ser uma parte crucial do desenvolvimento dos depósitos de lítio na Bolívia.

Notavelmente, muitos desses negócios envolvem países do BRICS – e além. Pelo menos 19 nações já solicitaram adesão ao BRICS+, a versão estendida da maior instituição multipolar do século 21, cujos membros fundadores são Brasil, Rússia, Índia e China, depois a África do Sul. Os ministros das Relações Exteriores dos cinco originais começarão a discutir as modalidades de adesão de novos membros em uma próxima cúpula em junho na Cidade do Cabo.

O BRICS, como está, já é mais relevante para a economia global do que o G7. Os últimos números do FMI revelam que os cinco países BRICS existentes contribuirão com 32,1% para o crescimento global, em comparação com os 29,9% do G7.

Com Irã, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Turquia, Indonésia e México como possíveis novos membros, fica claro que os principais atores do Sul Global estão começando a se concentrar na quintessência da instituição multilateral capaz de esmagar a hegemonia ocidental.

O presidente russo, Vladimir Putin, e o príncipe herdeiro saudita, Mohammad bin Salman (MbS), estão  trabalhando em total sincronia  à medida que a parceria de Moscou com Riad na OPEP+ se transforma em BRICS+, paralelamente ao aprofundamento da parceria estratégica Rússia-Irã.

MbS conduziu deliberadamente a Arábia Saudita em direção ao novo trio de poder da Eurásia, Rússia-Irã-China (RIC), longe dos EUA . O novo jogo na Ásia Ocidental é a entrada do BRIICS – apresentando, notavelmente, tanto o Irã quanto a Arábia Saudita, cuja reconciliação histórica foi intermediada por outro peso pesado do BRICS, a China.

É importante ressaltar que a evolução da reaproximação Irã-Arábia Saudita também implica um relacionamento muito mais próximo entre o Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) como um todo e a parceria estratégica Rússia-China.

Isso se traduzirá em papéis complementares – em termos de conectividade comercial e sistemas de pagamento – para o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC), ligando a Rússia-Irã-Índia, e o Corredor Econômico China-Ásia Central-Ásia Ocidental, uma chave prancha da ambiciosa e multitrilionária Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) de Pequim.

Hoje, só o Brasil, com seu presidente Luiz Inácio Lula da Silva enjaulado pelos americanos e uma política externa errática, corre o risco de ser relegado pelos BRICS à condição de ator secundário.

Além do BRIICS

O trem da desdolarização foi impulsionado para o status de alta velocidade pelos efeitos acumulados do caos da cadeia de suprimentos vinculado à Covid e das sanções coletivas ocidentais à Rússia.

O ponto essencial é este: os BRICS têm as commodities e o G7 controla as finanças. O último não pode cultivar commodities, mas o primeiro pode criar moedas – especialmente quando seu valor está vinculado a bens tangíveis como ouro, petróleo, minerais e outros recursos naturais.

Indiscutivelmente, o principal fator de oscilação é que os preços do petróleo e do ouro já estão mudando para a Rússia, China e Ásia Ocidental.

Em consequência, a demanda por títulos denominados em dólares está diminuindo lenta mas seguramente. Trilhões de dólares americanos inevitavelmente começarão a voltar para casa – destruindo o poder de compra do dólar e sua taxa de câmbio.

A queda de uma moeda armada acabará destruindo toda a lógica por trás da rede global dos EUA de mais de 800 bases militares e seus orçamentos operacionais.

Desde meados de março, em Moscou, durante o Fórum Econômico da Comunidade de Estados Independentes (CSI) – uma das principais organizações intergovernamentais na Eurásia formada após a queda da URSS – uma maior integração está sendo ativamente discutida entre o CSI, a União Econômica da Eurásia (EAEU), a Organização de Cooperação de Xangai (SCO) e os BRICS.

As organizações eurasianas que coordenam o contra-ataque ao atual sistema liderado pelo Ocidente, que atropela o direito internacional, não foi por acaso um dos temas-chave do discurso do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, na ONU no início desta semana. Também não é por acaso que quatro estados membros da CEI – a Rússia e três “stões” da Ásia Central – fundaram a SCO juntamente com a China em junho de 2001.

A combinação globalista Davos/Grande Reinício, para todos os efeitos práticos, declarou guerra ao petróleo imediatamente após o início da Operação Militar Especial da Rússia (SMO) na Ucrânia. Eles ameaçaram a OPEP+ a isolar a Rússia – ou então, mas falharam de forma humilhante. A OPEP+, efetivamente administrada por Moscou-Riad, agora governa o mercado global de petróleo.

As elites ocidentais estão em pânico. Especialmente depois da bomba de Lula em solo chinês durante sua visita a Xi Jinping, quando convocou todo o Sul Global a substituir o dólar americano por suas próprias moedas no comércio internacional.

Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE), disse recentemente ao Conselho de Relações Exteriores de Nova York – o coração da matriz do establishment americano – que “as tensões geopolíticas entre os EUA e a China podem aumentar a inflação em 5% e ameaçar o domínio do dólar e do euro”.

A visão monolítica da grande mídia ocidental é que as economias do BRICS negociando normalmente com a Rússia “criam novos problemas para o resto do mundo”. Isso é um absurdo total: só cria problemas para o dólar e o euro.

O oeste coletivo está chegando ao Desperation Row – agora sincronizado com o anúncio surpreendente de uma chapa presidencial Biden-Harris nos EUA concorrendo novamente em 2024. Isso significa que os manipuladores neoconservadores do governo dos EUA dobrarão seu plano de desencadear uma guerra industrial contra ambos Rússia e China até 2025.

O petroyuan vem

E isso nos traz de volta à desdolarização e ao que substituirá a moeda de reserva hegemônica do mundo. Hoje, o GCC representa mais de 25% das exportações mundiais de petróleo (a Arábia Saudita representa 17%). Mais de 25% das importações de petróleo da China vêm de Riad. E a China, previsivelmente, é o principal parceiro comercial do GCC.

A Bolsa de Petróleo e Gás Natural de Xangai entrou em operação em março de 2018. Qualquer produtor de petróleo, de qualquer lugar, pode vender em Xangai em yuan hoje. Isso significa que o equilíbrio de poder nos mercados de petróleo já está mudando do dólar americano para o yuan.

O problema é que a maioria dos produtores de petróleo prefere não manter grandes estoques de yuan; afinal, todo mundo ainda está acostumado com o petrodólar. Sugestão para Pequim vinculando futuros de petróleo em Xangai à conversão de yuan em ouro. E tudo isso sem tocar nas enormes reservas de ouro da China.

Esse processo simples acontece por meio de bolsas de ouro estabelecidas em Xangai e Hong Kong. E não por acaso, está no cerne de uma nova moeda para contornar o dólar que está sendo discutido pela EAEU.

O dumping do dólar já tem um mecanismo: fazer pleno uso dos futuros contratos de petróleo da Bolsa de Energia de Xangai em yuan. Esse é o caminho preferencial para o fim do petrodólar.

A projeção de poder global dos EUA é baseada fundamentalmente no controle da moeda global. O controle econômico é a base da doutrina do ‘Full Spectrum Dominance’ do Pentágono. No entanto, agora, até mesmo a projeção militar está em frangalhos, com a Rússia mantendo um avanço inalcançável em mísseis hipersônicos e Rússia-China-Irã capaz de implantar uma série de porta-aviões.

O Hegemon – agarrado a um coquetel tóxico de neoliberalismo, demência sancionada e ameaças generalizadas – está sangrando por dentro. A desdolarização é uma resposta inevitável ao colapso do sistema. Em um ambiente Sun Tzu 2.0, não é de admirar que a parceria estratégica Rússia-China não demonstre intenção de interromper o inimigo quando ele está tão ocupado derrotando a si mesmo.

Fonte: The Cradle

Related Posts
Protestos de agricultores na Europa podem afetar os preços dos alimentos – FMI
fotos

Se os agricultores continuarem a protestar em diferentes cidades da Europa, isto poderá afectar significativamente os preços dos alimentos

O que o PIB esconde
fotos

EXISTEM problemas bem conhecidos associados ao conceito de produto interno bruto, bem como à sua medição. A inclusão do setor dos [...]

Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo
Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo

O Fórum Econômico Mundial dá-nos o privilégio excepcional de um estudo que só os fósseis vivos podem proporcionar. Representante de uma [...]

Milei em Davos: um divórcio controverso da realidade
fotos

Não admira que Elon Musk goste e a direita neofascista esteja eufórica. Afinal, Milei atacou todos os seus inimigos ilusórios, contraditórios [...]

O mundo pode se dar ao luxo de ter seu primeiro trilionário?
fotos

Desde 2020, os cinco indivíduos mais ricos do mundo viram as suas fortunas explodir, enquanto durante o mesmo período cerca [...]

Previsões econômicas para o Brasil e para o mundo em 2024
fotos

Todo final de ano sempre ocorre uma enxurrada de exercícios de previsões econômicas, algumas mais sombrias e outras mais otimista, [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!