A Europa aposta na vacina Sputnik V.

vacina russa
© RIA Novosti / Alexey Kudenko

Por: Irina Alksnis

O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, pediu o abandono dos “tabus geopolíticos” quando a Agência Médica Europeia (EMA) está considerando a possibilidade de registrar vacinas da Rússia e da China.

Um pouco antes sobre o mesmo – que a decisão de usar o “Sputnik V” não deve ser política, mas científica, com base na publicação dos resultados da terceira fase dos ensaios clínicos no jornal Lancet – disse o presidente francês Emmanuel Macron. A prontidão da Espanha para usar a vacina russa (com aprovação da EMA) foi anunciada por Madri.

Quanto à Alemanha, a intenção da liderança do país de cooperar ativamente nesta questão com Moscou, após um exame atento, tornou-se óbvia em janeiro, quando Angela Merkel anunciou publicamente a disponibilidade de Berlim para ajudar no registro europeu do medicamento russo.

Além disso, os alemães começaram a preparar o terreno para essa etapa ainda mais cedo. No momento, a mídia mais influente da Europa está literalmente bombardeando seu público com publicações positivas sobre o Sputnik V. A situação é compreensível: depois de muitos meses de uma campanha agressiva para desacreditar a vacina russa, há uma necessidade urgente de mudar as atitudes públicas, uma vez que, aparentemente, ela terá um papel significativo na vacinação da população da UE.

No entanto, os primeiros sinais da próxima mudança informativa e política, que não foram percebidos por muitos, surgiram há um mês – e foi a Alemanha que desempenhou imediatamente o papel principal neste processo.

Formalmente, a situação  com a nova publicação no Lancet parece que de repente abriu os olhos de todos para a verdadeira qualidade do Sputnik V. A publicação também firmou a posição da Alemanha, onde os preparativos para o local de produção de vacinas,  já estão em pleno andamento.

Em geral, os alemães mais uma vez confirmaram seu status de líder da Europa. Enquanto o resto (bem, exceto a Hungria, que não é prejudicada pela teimosa russofobia – como os poloneses, que também não estão inclinados a olhar para trás em Bruxelas) esperavam pelo resultado, a Alemanha interceptou e fechou um acordo politicamente significativo e economicamente lucrativo.

A vacina russa revelou-se boa demais para ser ignorada – que é o que o Ocidente planejou fazer originalmente.

E na própria Europa as coisas não estão indo tão bem assim.

A escassez de vacinas é um grande problema. As doses estão faltando, e a luta por elas está assumindo um rumo escandaloso.

Outro obstáculo foi uma séria decepção no desenvolvimento europeu da vacina,  a anglo-sueca AstraZeneca fornece resultados de eficiência com valores apenas médios (pouco mais de 60%).

Duas vacinas americanas – da Pfizer e da Moderna – são excelentes em termos de eficácia (cerca de 95%), mas também há desvantagens. Normalmente, três circunstâncias são indicadas: a) preço alto, b) requisitos de produção e logística muito rígidos, que dificultam a fabricação, armazenamento e transporte, c) duração desconhecida do efeito protetor da vacina.

Há mais um ponto sobre o qual a mídia e as autoridades raramente falam, mas no qual as pessoas obviamente pensam com frequência. Ambos os medicamentos são criados com tecnologia inovadora que ainda não passou em um teste de segurança completo para a saúde humana a longo prazo. É por isso que toda morte logo após a vacinação causa tamanha ressonância – e há muitas delas, embora, é claro “pouco divulgado”.

Nesse contexto, o Sputnik V oficialmente – com todas as etapas da pesquisa concluídas – começou a brilhar, que apesar de um pouco menos eficaz que os “americanos” (91,6 por cento), mas muito mais barato que eles, não exige um regime de temperatura supercomplicado e ao mesmo tempo foi criado na plataforma que existe há décadas e por isso pesquisado exaustivamente para segurança interna e externa. Pela mesma razão de confiabilidade da tecnologia, duração da proteção do desenvolvimento russo, e quanto ao quesito de segurança são determinada como alta.

O avanço dos cientistas russos agora está sendo homenageado com as palavras mais lisonjeiras do Ocidente, onde a criação do Sputnik V é comparada com o lançamento do primeiro satélite artificial pela União Soviética em 1957. O jornalista do Welt alemão que traçou esse paralelo observou que “desde então, a Rússia dificilmente poderia surpreender o Ocidente do ponto de vista técnico”.

Mas será mesmo?

Isso é dito sobre um país que é líder mundial em setores como energia nuclear, tecnologia hipersônica, guerra eletrônica e vários outros. Isso é dito sobre o país em que criou e domina – e sem restringir a concorrência externa, como na China – seu próprio ambiente de Internet (mecanismo de busca, serviços postais, redes sociais, serviços antivírus e assim por diante). Isso é dito sobre um país cujo nível de digitalização com o qual o Ocidente só pode sonhar.

A questão surge automaticamente: será que a Rússia carece de avanços tecnológicos que possam surpreender o Ocidente, ou o Ocidente ignora diligentemente seus sucessos até que a vida ponha um enorme dedo no nariz deles, e com tal força que se torna completamente impossível ignorá-los?

Esse tipo de negligência e depreciação proposital pode, é claro, ser ressentido e frustrante. Por outro lado, também há aspectos positivos no fato de a Europa e os Estados Unidos continuarem a subestimar a Rússia de forma persistente, o que nos permite surpreendê-los continuamente. E ganhar quando surgir a necessidade.

Com RIA Novosti

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + 20 =