A golpista Janine Áñez, é presa tentando escapar da justiça boliviana

golpista

No dia 24 de novembro, a agora deposta líder do golpe boliviano Jeanine Anez foi pega tentando escapar da justiça , para o Brasil, mas foi impedida de embarcar em um avião por um grupo de cidadãos que foram capazes de identificá-la em Trinidad.

Áñez foi surpreendentemente impedida de embarcar em um avião no aeroporto Jorge Henrich Arauz, na cidade de Trinidad, quando tentava ir para uma cidade fronteiriça e depois fugir para o Brasil. 

“Nós a encurralamos quando ela estava fugindo para o Brasil. Nós a prendemos e ela está trancada em um apartamento e agora ela tem que responder aos assassinatos em Senkata e Sacaba”, disse um porta-voz do grupo, que não foi identificado no vídeo circulando nas redes sociais.

Na semana passada, o ex-ministro do Governo Arturo Murillo fugiu do país num voou para o Panamá e depois entrou nos Estados Unidos. Enquanto isso, o ex-ministro da Defesa Fernando Lopez está agora no Brasil. A este respeito, três funcionários da Direção de Migração da Bolívia foram presos por permitir a fuga dessas pessoas.

Esses eventos emocionantes agora estão ocorrendo como resultado do que se tornou uma tentativa de golpe fracassada na Bolívia, um trágico período de um ano em que o regime democrático foi derrubado.

Na verdade, no mês passado algo incrível aconteceu. O golpe de estado globalista falhou, no que tem sido uma série de falhas incríveis em todo o mundo. Entre “as recompensas” ambicionadas pelos golpistas estava a riqueza do lítio da Bolívia, avaliada em bilhões. A Bolívia é conhecida por ter algo entre 50 a 80 por cento do lítio do mundo.

O Goldman Sachs diz que a demanda do mercado global por lítio poderia de fato triplicar para cerca de 570.000 toneladas por ano nos próximos 10 anos devido aos veículos elétricos. Não é de admirar que as mãos de Elon Musk estivessem em cima dele.

Mas, no entanto, Evo Morales voltou no final de outubro de 2020 e foi capaz de derrubar um golpe (por meio da lei) imposto ao país pelo estado profundo globalista.

Resumindo de forma sucinta, Ramona Wadi escreveu para o SCF no mês passado;

“A Bolívia conseguiu derrubar a agenda neoliberal que os EUA tentaram impor à nação no golpe de 2019, que destituiu o ex-presidente Evo Morales para instalar o regime de extrema direita de Jeanine Áñez como presidente ou ditadora. Enquanto o Chile lidava com sua violência estatal, o golpe boliviano estava nas ruas, exercendo sua vingança sobre a população indígena do país. Durante meses, os bolivianos protestaram contra a violência do Estado e a repressão policial. Agora é obrigação do novo governo levar os perpetradores à justiça, enquanto refaz o caminho da Bolívia para seu progresso revolucionário .

senkata
Novembro de 2019, enlutados na Bolívia fazem orações por cidadãos mortos pelas forças golpistas de Áñez – Crédito da foto – The Associated Press

No mês passado, a Assembleia Legislativa Plurinacional recomendou ao Ministério Público que iniciasse uma ação contra Áñez pelos massacres de Sacaba, em Cochabamba, e Senkata, em El Alto, em novembro de 2019. Este documento a acusa dos crimes de genocídio, tortura, desaparecimentos forçados e outros.

Vários elementos das forças armadas e da polícia foram os principais atores ‘locais’ do golpe de estado de 10 de novembro de 2019. Na época em que estava exilado na Argentina e temendo sua própria vida, Evo Morales pediu várias vezes punições contra responsáveis ​​pelo massacre em El Alto. Morales denunciou os altos comandos militares da Bolívia por condecorar e homenagear os “líderes golpistas”, que agora são acusados ​​de massacrar cidadãos.

O objetivo dos assassinatos ordenados por Áñez era amedrontar as comunidades indígenas, por causa dos mecanismos do golpe. 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 9 =