A guerra contra o dólar está esquentando

dólar

Os especialistas estão novamente alertando que o dólar pode perder seu papel como moeda de reserva mundial. Esta é uma preocupação frequente e historicamente não consumada – mas as coisas podem realmente ser diferentes desta vez.

Novos dados do Banco da Rússia mostram que o país agora recebe mais euros do que dólares com suas exportações para a China, com a participação dos bens adquiridos em euros subindo de 0,3% no início de 2014 (e apenas 1,3% no segundo trimestre de 2018) para quase 51% no final do primeiro trimestre deste ano.

  • A parcela de euros que a Rússia recebe pelas exportações para a União Européia aumentou para 43%, ante 38% no final do ano passado, mostram os dados.

O euro é o competidor mais forte do dólar, constituindo a segunda maior porcentagem das reservas monetárias globais – 20% dos ativos do banco central contra cerca de 60% do dólar, de acordo com o FMI.

  • Combinados com os esforços recentes dos legisladores da UE para fornecer amplo estímulo fiscal e liberar títulos pan-europeus , os esforços da Rússia e da China para aumentar o uso do euro podem tornar a moeda continental um sério desafio ao dólar.

Na semana passada, especialistas do mercado financeiro disseram que mais especuladores estão fazendo apostas otimistas de que o euro vai subir e o dólar vai cair mais do que em qualquer momento da história, de acordo com dados da CFTC.

Um coro crescente de investidores, incluindo o bilionário gerente de fundos de hedge Ray Dalio , tem se preocupado abertamente nos últimos meses que a resposta dos EUA à pandemia do coronavírus – trilhões em expansão de balanço do Fed e trilhões em gastos do governo, embora ainda tenha o pior surto do mundo – está minando ainda mais a supremacia do dólar.

  • Os estrategistas monetários do Goldman Sachs apontaram o aumento do valor do ouro como evidência de que os EUA podem estar “degradando” sua moeda e criando “preocupações reais em torno da longevidade do dólar americano como moeda de reserva”.
  • Em vez de dólares, muitos bancos centrais aumentaram as compras de ouro, especialmente aqueles na China, Rússia, Índia e Turquia nos últimos anos, com 2018 e de 2019, o primeiro e segundo maiores anos para compras anuais registrada.

A tendência mostra que tem havido um esforço concentrado de longo prazo da Rússia e da China para afastar o mundo do dólar – isso agora está alinhado com a pandemia do coronavírus, a unificação da zona do euro e um momento de fraqueza dos Estados Unidos.

Fonte: Reuters/Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 5 =