A História da história. Como as fezes e os parasitas revelam os segredos do passado

Do RIA Novosti – РИА Новости, Альфия Еникеева

Nas últimas décadas, o estudo dos coprólitos – fezes humanas e animais petrificadas – ajudou a responder a muitas questões controversas. Paleontólogos especificaram dietas de dinossauros (descobriu-se que alguns saurópodes comiam madeira), e os historiadores descobriram de onde os peregrinos vieram à Jerusalém e exatamente onde Hannibal cruzou os Alpes.

Neandertais Onívoros

Durante muito tempo, acreditou-se que os neandertais, que viviam na Europa há cerca de trezentos mil anos, eram exclusivamente carnívoros, não comiam vegetais. De acordo com uma hipótese, foi a dieta da carne que acabou levando-os a um beco sem saída – o Homo sapiens com mais capacidade de adaptação e onívoro que apareceu nos espaços abertos europeus há 30 ou 40 mil anos suplantou seus predecessores.
No entanto, em 2013, essa teoria foi refutada por fezes fossilizadas de pessoas antigas de 50 mil anos encontradas em um dos locais dos neandertais na Espanha. Depois de estudá-los usando o método de cromatografia gasosa e espectrometria de massa, os cientistas descobriram não apenas traços de carne, mas também ésteres, formados durante a digestão de alimentos vegetais. Levando em conta as peculiaridades da área onde encontraram excrementos fósseis, os especialistas concluíram que os neandertais suplementavam a ração com bagas, nozes e raízes de plantas.

Estrume de cavalo revela segredos

Um dos maiores comandantes da história, Aníbal, liderou o exército cartaginês durante a Segunda Guerra Púnica (218-201 aC). De acordo com várias fontes antigas, Aníbal conseguiu capturar os romanos desprevenidos, transferindo um exército de 50 mil homens pelos Alpes. Sobre exatamente onde os cartagineses superaram as montanhas, era até recentemente discutido.
O ponto nas discussões científicas foi estabelecido por um grupo internacional de cientistas que estudaram os depósitos encontrados durante escavações em Col de la Traversette, na fronteira entre a França e a Itália. Doze por cento das amostras continham bactérias Clostridia encontradas em fezes de cavalo. Esse depósito continha um concentração de micro-organismos em camada de estrume de muito grande – cerca de um metro. Essa camada pode ser formada apenas durante o movimento de milhares de animais e pessoas, os pesquisadores têm certeza. A análise de radiocarbono datou as amostras encontradas no final do século III aC. e. – uma época em que Hannibal venceu os Alpes. Assim, as tropas cartaginesas passaram despercebidas precisamente através do Col de la Traversette.

Peregrinos e seus parasitas

Fezes humanas, ou melhor, os ovos de vermes neles contidos, encontrados no antigo banheiro público em Jerusalém, ajudaram a esclarecer de que lugares numerosos peregrinos medievais vieram à Terra Santa.
Cientistas britânicos extraíram 12 coprólitos da fossa do bairro cristão medieval de Jerusalém – fezes petrificadas que datam de cerca do século XV. Eles encontraram ovos de vários tipos de vermes parasitas – ascaris, tênia de porco e tênia do peixe. As duas últimas descobertas surpreenderam especialmente os pesquisadores.
A presença de tênia de porco nas fezes sugere que, na cidade muçulmana medieval, não era tão difícil obter carne de porco, como se costuma acreditar. E os ovos da tênia do peixe (difilobotríase) testemunham que até os peregrinos da Escandinávia chegaram a Jerusalém.
O fato é que a tênia infecta uma pessoa através de peixe cru ou mal frito. Na Idade Média, quase toda a população do norte da Europa foi afetada por esse parasita. No Oriente Médio, pelo contrário, a tênia era muito raramente encontrada, porque quase não havia peixe ali. E se ela ainda estivesse presente na dieta, era cuidadosamente processada. Segundo os cientistas, o parasita provavelmente atingirá a Terra Santa através do estômago de um dos peregrinos ou comerciantes escandinavos.

Os vikings adoravam o arenque

Cientistas dinamarqueses da Universidade de Copenhague pegaram amostras de fezes de oito banheiros antigos localizados em um forte no território no báltico, no antigo porto de Copenhague e em escavações na Holanda e na Lituânia.
Depois de analisar o DNA de vermes parasitas, os restos de plantas e animais, preservados em coprólitos antigos, os pesquisadores confirmaram que a maioria das pessoas na Idade Média não se importava muito com higiene, e a comida era preparada principalmente em fogo aberto: absolutamente todos os excrementos continham ovos parasitas, principalmente vermes.
Além disso, os dados ajudaram a esclarecer completamente a dieta dos dinamarqueses medievais. Descobriu-se que eles preferiam peixe – arenque e bacalhau. Para todas as aparências, eles até caçavam imensas baleias. No entanto, os vikings não negaram a si mesmos  pratos de carne, comiam veados e lebres, mas a carne era uma iguaria.
Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 4 =