«A história não perdoará os indiferentes, e nós não estaremos entre eles»

O primeiro-secretário do Comitê Central do Partido e presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, transmitiu uma mensagem na qual reafirmou, mais uma vez, a posição de Cuba sobre a situação na Palestina e pediu ações para pôr fim à barbárie

fotos
Parte da Faixa de Gaza bombardeada, em uma imagem do jornalista palestino Hosam Salem. Foto: Extraída de X. 

Sessenta e três anos atrás, em um discurso histórico na Assembleia Geral das Nações Unidas, o líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, disse, e cito

«As guerras, desde o início da humanidade, surgiram, fundamentalmente, por uma razão: o desejo de alguns de desapropriar outros de suas riquezas. Desapareça a filosofia da desapropriação, e a filosofia da guerra terá desaparecido! Desapareçam as colônias, desapareça a exploração de países por monopólios, e então a humanidade terá alcançado um verdadeiro estágio de progresso!». Fim da citação.

Essa ideia ampla e profunda resume o motivo do horror vivido pelo povo palestino hoje, confinado por um novo apartheid a uma pequena faixa de terra.

É a filosofia da desapropriação que hoje está causando uma catástrofe humanitária de proporções dantescas.

Mas não é apenas uma faixa de terra que é atingida pelos mísseis israelenses. É o povo palestino que é o alvo das bombas. Mais de 3.000 crianças e 1.700 mulheres foram mortas nas últimas semanas, enquanto milhares de pessoas permanecem presas sob os escombros, esperando que as equipes de resgate cheguem para salvá-las ou enterrá-las.

Mais de 40 % das casas de Gaza foram destruídas e os hospitais foram transformados em necrotérios.

Cuba condena com a maior firmeza os bombardeios contra a população de Gaza e a destruição de suas casas, hospitais e infraestrutura civil.

Repudiamos os assassinatos de pessoas inocentes como resultado da escalada atual, que ataca com crueldade, sem distinção de etnia, origem, nacionalidade ou fé religiosa.

Também compartilhamos a dor pelo sofrimento das vítimas civis israelenses do conflito, mas não aceitamos uma certa indignação seletiva que busca ignorar a gravidade do genocídio que está sendo perpetrado hoje contra os palestinos, apresentando o lado israelense como a vítima e ignorando 75 anos de ataques, ocupação, abuso e exclusão.

Nada pode justificar o que seu exército está fazendo contra Gaza. Nada pode justificar as graves violações do direito humanitário internacional que estão sendo cometidas.

Israel está violando cada uma das resoluções da ONU e cada uma de suas obrigações como Potência Ocupante de acordo com a Quarta Convenção de Genebra, totalmente confiante de que a paralisia do Conselho de Segurança nessa questão garantirá sua contínua evasão de responsabilidade.

Mesmo na terrível situação atual, o Conselho de Segurança não foi capaz de pedir a Israel que interrompesse o massacre em andamento.

Os EUA vetaram uma proposta nesse órgão que simplesmente pedia pausas humanitárias nos combates para permitir o acesso da ajuda a Gaza e garantir a proteção dos civis.

Aqueles que hoje se opõem ao fim da violência em Gaza como uma questão da mais alta prioridade terão que assumir a responsabilidade pelas graves consequências que isso acarreta.

Mas a posição do governo dos EUA, que historicamente tem atuado como cúmplice da barbárie sionista ao obstruir repetidamente a ação do Conselho de Segurança sobre a Palestina, prejudicando a paz e a estabilidade no Oriente Médio com seu exercício ofensivo do veto, não é surpreendente.

Uma solução abrangente, justa e duradoura para o conflito requer, inexoravelmente, o exercício real do direito inalienável do povo palestino à autodeterminação e à construção de seu próprio Estado independente e soberano dentro das fronteiras pré-1967 e com Jerusalém Oriental como sua capital.

Não há outra maneira eficaz de interromper, de uma vez por todas, essa espiral de violência, salvar vidas humanas e traçar um caminho viável para a paz.

Será que a comunidade internacional permitirá que essa situação insustentável continue ou permanecerá refém de um exercício arbitrário, como o direito de veto, que a impede de agir como deveria para acabar com o crime?

Um grupo de países, incluindo Cuba, propôs um projeto de resolução à Assembleia Geral da ONU, que foi finalmente aprovado, exigindo um cessar-fogo imediato, o estabelecimento urgente de um mecanismo para proteger a população civil palestina, rejeitando o deslocamento forçado de civis e defendendo o envio de ajuda humanitária de emergência.

Cada momento de inércia e inação custará mais vidas inocentes. É preciso agir imediatamente. Continuaremos contribuindo de todas as formas possíveis com os esforços internacionais legítimos para pôr fim a essa barbárie.

A história não perdoará os indiferentes. E nós não estaremos entre eles. É hora de pôr um fim à filosofia da desapropriação para que a filosofia da guerra morra por falta de incentivos.

Extraído do canal do YouTube da Presidência de Cuba.

Related Posts
Uma proposta, uma última chance, um ultimato
combate

Condições de paz recentemente expostas por Putin estabelecem uma nova fase da operação militar especial.

O fim do pacto do petrodólar
fotos

Os EUA persuadiram os sauditas a comercializar o petróleo somente em dólares, o que se tornou parte integrante do comércio [...]

Com relação às propostas de Putin para paz na Ucrânia
fotos

Contra o pano de fundo da "cúpula de paz", isso indicará que, na verdade, é o Ocidente que está prolongando [...]

Coma a Operação Prosperity Guardian fracassou
fotos

Contra o pano de fundo de mais uma rodada de ataques hussitas a vários navios mercantes no Mar Vermelho (usando [...]

Uma nova (e mais justa) Nuremberg
fotos

A Federação Russa continua a desempenhar o seu papel civilizador na Ucrânia, capturando, julgando e punindo os nazis que participaram [...]

Impossibilitada de escalar militarmente, OTAN aposta na retórica
fotos

Continuando sua incessante onda de escaladas na guerra contra a Federação Russa, os países da OTAN decidiram deliberar sobre “autorizar” [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!