A história se repete… Por que Washington e Londres anseiam por uma nova guerra fria

O poder global americano está em contradição direta com as necessidades democráticas de um planeta multipolar

guerra fria
O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Boris Johnson, encontra-se com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, para uma reunião bilateral na reunião de ministros do exterior do G7 em Londres, Grã-Bretanha, em 4 de maio de 2021. Ben Stansall / Pool via REUTERS

Os Estados Unidos e seu “parceiro júnior”, a Grã-Bretanha, expressaram esta semana seu desejo de uma nova Guerra Fria com a Rússia e a China – embora de forma sub-reptícia e vestida com uma linguagem virtuosa.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, falava com seu homólogo britânico Dominic Raab antes de uma cúpula do G7 para ministros das Relações Exteriores realizada em Londres esta semana. Os dois diplomatas pediram que as nações e parceiros do G7 se unissem mais fortemente para enfrentar a China e a Rússia. Para tanto, delegados da Austrália, Índia, Coréia do Sul e África do Sul foram convidados a participar da cúpula.

Devemos tomar um momento para notar como tal apelo é provocativo e gratuito, se não totalmente criminoso. A segurança global está se tornando um joguete para a política ocidental.

No mês que vem, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está programado para participar das cúpulas dos líderes do G7 e da aliança militar da OTAN liderada pelos americanos, em Londres e Bruxelas, respectivamente, durante as quais se espera que ele reforce ainda mais a mensagem messiânica de confronto.

Lamentavelmente, os americanos e britânicos estão tentando fabricar um mundo dividido, onde eles supostamente “defendem a ordem baseada em regras” e a “democracia”. Esse é um tema que Washington vem defendendo desde que o presidente Biden assumiu o cargo, há quase quatro meses. Dizem que o mundo está enfrentando uma competição histórica entre “democracia e autocracia” na qual as nações ocidentais são os presumíveis “mocinhos” em oposição aos “bandidos” designados como China e Rússia.

Isso é fútil e insano. Nada mais é do que um gerenciamento bruto da percepção e a imposição de freios conceituais ridículos em uma visão inteligente do mundo e na condução de relações internacionais razoáveis. O resultado é polarizar as nações em campos artificiais de lealdade que, em última análise, beneficiam Washington, auxiliados e estimulados por seu sempre leal companheiro britânico. É uma tentativa de criar uma nova Guerra Fria de “nós e eles”.

Há precedentes para a charada atual. Em março de 1946, menos de um ano após a vitória histórica contra a Alemanha nazista, em grande parte conquistada pela União Soviética – como atestam os eventos comemorativos na Rússia neste fim de semana – as potências ocidentais agiram deliberadamente para alienar seu ex-aliado durante a Segunda Guerra Mundial.

O líder britânico do tempo de guerra, Winston Churchill, fez seu famoso (mais precisamente, “infame”) discurso da “Cortina de Ferro” nos Estados Unidos perante um presidente aprovador, Harry Truman, e membros do Congresso. Esse discurso marcou o início da Guerra Fria contra a União Soviética. Seguiram-se, então, cinco décadas de corrida armamentista nuclear e o espectro da destruição mutuamente assegurada. Para que? Para que os Estados Unidos, auxiliados pela Grã-Bretanha e aliados da OTAN, pudessem construir um mundo dominado pela hegemonia de Washington.

Trinta anos depois que a Guerra Fria deveria ter terminado em 1991, após a dissolução da União Soviética, estamos testemunhando o mesmo fervor no Ocidente para recriar divisões hostis e animosidade contra Moscou e Pequim. No entanto, os EUA e sua aliada britânica não podem admitir publicamente que perseguem esse objetivo, caso contrário, seriam chamados por serem agressivos e beligerantes. Portanto, eles devem revestir seu objetivo com uma linguagem sobre “democracia” e “autocracia”. Para defender sua posição, é necessário demonizar a Rússia e a China. A grande mídia ocidental está muito disposta a propagar as narrativas pejorativas, embora essas descrições depreciativas não resistam ao escrutínio. As narrativas incluem alegações de agressão russa contra a Ucrânia ou a alegada perseguição da China à população uigur.

Existem muitas razões pelas quais a agenda ocidental é questionável. Acima de tudo, é falso e repleto de hipocrisia. Ordem baseada em regras e democracia? Defendido pelos EUA e pela Grã-Bretanha, os dois maiores estados rebeldes que travaram guerras criminosas matando milhões de pessoas? Dê-nos um tempo!

Além disso, essa mentalidade divisiva está aumentando imprudentemente as tensões internacionais e alimentando o militarismo. Não é incomum agora ouvir líderes militares americanos e britânicos contemplando a possibilidade de uma Guerra Quente com a Rússia ou a China. Essa loucura repreensível decorre da escolha geopolítica em Washington e Londres de fomentar relações adversas com Moscou e Pequim.

Deve-se ter em mente que a Rússia e a China têm repetidamente instado as potências ocidentais a abandonar a mentalidade da Guerra Fria e a iniciar um diálogo cooperativo. Em outras palavras, a beligerância vem de Washington e de seu buldogue britânico.

O verdadeiro desafio para o mundo não é “democracia versus autocracia”. É o domínio unipolar buscado por Washington contra uma visão de um mundo multipolar baseado na cooperação e no mutualismo que Moscou e Pequim têm defendido consistentemente.

O fato de Washington não suportar o surgimento de um mundo multipolar fala da natureza nefasta do capitalismo americano e de sua necessidade imperiosa de imperialismo e militarismo. O poder global americano está em contradição direta com as necessidades democráticas de um planeta multipolar.

O presidente Joe Biden e seus enviados afirmam não querer uma escalada das tensões com a Rússia ou a China. Washington diz que não quer guerra. Em um nível individual, Biden e seus assessores podem abominar a ocorrência de tal desastre. Mas, de todas as outras formas, seu sistema político está programado para a guerra. A loucura de antagonizar a Rússia e a China e de demarcar o mundo em aliados e inimigos é o teste de tornassol de sua retórica dúbia.

Fonte: strategic-culture

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!