A repercussão do discurso de Lula

discurso de Lula

Por Leonardo Godim

Euforia na esquerda, ambiguidade no “Centrão”, pragmatismo entre os capitalistas e silêncio nos quartéis.

No auge de mortes na pandemia do coronavírus, que chega hoje à média móvel de 1840 pessoas, a anulação das condenações contra o ex-presidente Lula e a reconstituição de seus direitos políticos reordenaram a correlação das forças. O auge da crise da dominação política bolsonarista se precipita sobre o país, que caminha a passos largos para o colapso sanitário total.

Em seu discurso na manhã da quarta-feira (11) na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Lula demarcou suas posições como líder do maior partido de oposição a Jair Bolsonaro. Em clima de euforia, o PT retoma um lugar de destaque tanto na atual oposição como em uma futura disputa eleitoral. Basta agora saber o que farão com isso. A direção nacional da sigla se reunirá essa semana, e deve discutir a agenda para 2021 que, na opinião de Breno Altman, jornalista filiado ao PT, apostará na mobilização.

A reação foi quase instantânea. Seja pelo insustentável agravamento da pandemia ou pela pressão do pronunciamento de quarta-feira, Bolsonaro já no dia seguinte recuou em sua postura negacionista e prometeu vacinas. Uma semana depois, demitiu o ministro militar da saúde Eduardo Pazuello, duramente criticado pela condução do combate à COVID-19. A pressão internacional também aumentou pelo medo de que o Brasil seja “celeiro” de novas variantes, ainda mais fatais, do coronavírus. Ainda negacionista da boca para fora, Jair Bolsonaro se movimenta para que seu governo não vá, como milhares de brasileiros, para a UTI.

Ao “Centrão” coube garantir que tudo pode acontecer, inclusive nada. O aceno de Rodrigo Maia a uma possível aliança com o Partido dos Trabalhadores soa como uma confissão de que seus planos foram varridos pela reaparição de Lula. Até então, Maia era a maior expectativa para projetar uma candidatura de direita, vinculada ao projeto neoliberal da burguesia brasileira, em oposição a Bolsonaro. Com Lula, uma terceira via terá dificuldades para ir mais longe do que foi Geraldo Alckmin em 2018. Esse “Centrão”, que representa o fisiologismo e a balcanização da política de várias frações da classe dominante, se vê novamente obrigado a tomar posição em uma polarização já colocada. A última eleição na Câmara dos Deputados nos indica que, por enquanto, romper com Bolsonaro está – para esse fluido e pantanoso campo político – apenas no campo das intenções.

É importante contrastar a posição de Maia com a de um dos porta-vozes dos industriais paulistas, que representam, depois dos grandes bancos, da agropecuária e do extrativismo, um dos principais setores monopolistas da economia brasileira. Paulo Skaf, presidente da Federação dos Industriais de São Paulo, comemorou a aliança entre Lira e Bolsonaro. Além de defender um auxílio emergencial mantendo “responsabilidade fiscal” – isto é, orçamentos congelados, “enxugando o Estado” – defende “1) simplificar o sistema de impostos; 2) desonerar completamente os investimentos e também as operações de exportação; 3) acabar com a guerra fiscal entre estados; 4) diminuir burocracia e o custo do pagamento de impostos e 5) nunca, em hipótese alguma, permitir qualquer aumento da carga tributária, pelo contrário: devemos ter como meta uma redução gradativa de impostos.” Apesar dos performáticos atritos, frações importantes do capital seguem na base de Bolsonaro e ainda veem seu fim de governo como a janela para implementar suas (contra)reformas administrativa e tributária.

Entre os generais, silêncio. Desde que Lula fez seu discurso, a ordem de silêncio impera na caserna e apenas os senhores do Clube Militar puderam destilar seu velho reacionarismo, declarando que “aproxima-se o ponto de ruptura”. As recentes declarações sobre a articulação de Estados-Maiores e famílias de generais no golpe que levou ao impeachment de Dilma Rousseff e à prisão de Lula levantaram hipóteses sobre até que ponto foi ocasional a entrada massiva de militares no governo e sua permanência como pilar de sustentação após sucessivas crises.

A crise do bolsonarismo recoloca a crise política brasileira no crepúsculo das incertezas. Por mais forte que seja a tendência de isolamento da extrema direita internacionalmente, a ausência de alternativas à direita do petismo pressiona por uma recomposição do pacto social com o PT no governo, ou a radicalização pela direita – que passa necessariamente por Bolsonaro ou pelas Forças Armadas.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!