A Rússia e sua complicada vizinhança

Em meio aos planos da OTAN de fortalecer sua presença em torno da Rússia, o país está preocupado com a crescente instabilidade no espaço pós-soviético e com o envolvimento de novos elementos regionais no mesmo. Apesar da pandemia de Covid-19, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) intensificou suas manobras e provocações perto da fronteira terrestre ou no espaço aéreo russo, que foram objeto de reclamações por parte do Estado-Maior Geral

rússia

Por Antonio Rondón García Moscou (Prensa Latina)

Paralelamente a estas ações dos militares da Aliança Atlântica, juntamente com o caso forjado de suposto envenenamento do oponente Alexei Navalny, observadores locais estão chamando a atenção para as crescentes crises nas vizinhas ex-repúblicas soviéticas.

Após o golpe de Estado de 2014 na Ucrânia, os protestos que levaram a uma mudança forçada de governo na Armênia, as manifestações pós-eleitorais em Belarus e a retomada do conflito em Nagorno-Karabakh esta semana, acresce-se a crise política no Quirguistão.

No caso de Belarus, seu governo acusou diretamente a Polônia e a Lituânia, aconselhados pelos Estados Unidos, de estarem por trás da organização e financiamento da oposição, muitos de seus representantes preferem promover sua oposição fora de Belarus.

O confronto entre Armênia e Azerbaijão sobre o enclave de Nagorno-Karabakh, com origem em ações violentas em 1988 que levaram a um conflito armado do final de 1991 até um armistício em 1994, também foi um desafio para Moscou.

De fato, no conflito acima mencionado, a Turquia declarou fornecer toda a assistência necessária ao Azerbaijão, enquanto o Irã exigiu que se evitasse uma escalada do conflito armado perto de suas fronteiras.

A Rússia, como co-presidente do Grupo de Contato da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), juntamente com os Estados Unidos e a França, apelou a todo momento para o fim dos combates e para o diálogo.

Em uma reunião em Moscou entre os ministros das Relações Exteriores da Rússia, Armênia e Azerbaijão, foi alcançado pelo menos um acordo sobre uma trégua para a troca de prisioneiros e vítimas, com o compromisso de definir mais tarde os detalhes de um fim definitivo das hostilidades.

Além disso, espera-se que a Armênia e o Azerbaijão mantenham conversações substantivas mediadas pela França, Rússia e Estados Unidos para uma resolução pacífica da disputa.

Mas antes mesmo do fim do confronto em Nagorno-Karabakh, o Quirguistão, membro da União Econômica Eurásia e da Organização do Tratado de Segurança Coletiva, está vivendo uma nova crise, após as eleições parlamentares de 4 de outubro.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, usou, ao menos, estes termos para descrever a situação que surgiu esta semana no país da Ásia Central, onde o Presidente Sooranbai Zheenbekov está aguardando o processo de impeachment.

Zheenbekov foi forçado a demitir o Primeiro Ministro Kubatbek Boronov e dissolver o governo após vários dias de agitação, o que resultou em 1.000 feridos e um morto em Bishkek e outras cidades quirguizes e levou à demissão do Presidente do Parlamento e do Prefeito da capital.

O Quirguistão está em estado de emergência, depois que 12 dos 16 partidos que participaram das eleições solicitaram a repetição das eleições parlamentares, quando ficaram de fora da nova legislatura, e atingiram seu objetivo. A Comissão Eleitoral anulou a disputa nas urnas.

Em novembro, esperam-se eleições presidenciais na Moldávia, onde a oposição procurará por todos os meios, incluindo protestos de rua, impedir a reeleição de Igor Dodon, que favorece a manutenção dos laços com a Rússia, em oposição aos grupos pró-ocidentais.

Alguns cientistas políticos consideram que a Rússia deveria ser mais direta na defesa de sua esfera de influência no espaço pós-soviético, quando se suspeita que atores externos estão envolvidos no surgimento de tal cadeia de situações de crise na vizinhança do país.

De qualquer forma, Moscou está consolidando sua missão como mediador nos conflitos por enquanto, a fim de evitar suas piores consequências, como se acredita aqui.

Related Posts
Ele lutou pela nossa liberdade. As audiências finais sobre a extradição de Julian Assange para os EUA foram concluídas
fotos

O Supremo Tribunal de Londres concluiu as audiências sobre o apelo do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 52 anos, [...]

Scholz e Lackeys cavam sepultura para a Alemanha
fotos

A imagem que mostra o Chanceler Olaf Scholz com uma pá na mão a cavar alegremente a terra diz muito [...]

No Brasil, Blinken abordou sobre a possibilidade de negociações paz na Ucrânia
fotos

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse ao presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva

Rússia introduzirá punição para deepfakes
fotos

A questão da regulamentação dos deepfakes foi discutida em uma reunião da comissão governamental de prevenção ao crime em fevereiro [...]

O 10º aniversário do Maidan
fotos

Antes deste acontecimento, eu tinha ingenuamente a certeza de que a pior coisa que poderia acontecer à Ucrânia seria o [...]

Biossegurança brasileira ameaçada: Oxitec e o novo surto de dengue
fotos

À luz das conclusões de especialistas do Ministério da Defesa russo sobre as atividades internacionais dos biolaboratórios ocidentais, pode ser [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!