A verdadeira razão pela qual Macron está a empurrar a narrativa das tropas francesas para a Ucrânia

Tal como Trump, Macron parece querer fazer e dizer qualquer coisa – por mais absurda que seja – para mantê-lo nas primeiras páginas.

fotos
© Foto: SCF

Martin Jay

Emmanuel Macron está novamente nas notícias com a sua repetida sugestão de que tropas francesas poderiam ser enviadas para a Ucrânia para lutar na guerra contra as forças russas. Desta vez é no supostamente prestigiado economista intelectual britânico, que tem prazer em repetir este mantra vazio uma e outra vez, em grande parte, supõe-se, porque apoia uma narrativa mais ampla da UE da qual é servo em Bruxelas. Não há relação mais doentia e repugnante do que a do The Economist e da União Europeia, com o primeiro feliz em desempenhar o papel de propagandista livre e promotor de relações públicas para o segundo.

Como Macron consegue continuar a repetir esta ameaça totalmente vazia, que até ele próprio admitiu a uma revista francesa que não irá acontecer, é surpreendente. Alguém lhe pediu para fazer isso mais uma vez e publicou no The Economist? Talvez a alto nível em Bruxelas?

De que outra forma explicar esta última ejaculação de total absurdo?

Talvez sem surpresa, o Ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Peter Szijjarto, condenou as últimas observações e alertou que tal medida poderia acabar por desencadear uma guerra nuclear total.

Em declarações à emissora francesa LCI, Szijjarto condenou veementemente a ideia, dizendo que os próprios comentários do líder francês contribuíram para agravar a situação.

“Se um membro da OTAN enviar tropas terrestres, será um confronto direto OTAN-Rússia e então será a Terceira Guerra Mundial”,  disse Szijjarto à emissora.

O próprio Macron seguiu em frente desde os seus comentários originais à revista Parisienne, que deu início a tudo há algumas semanas. A entrevista mais recente ao The Economist mostra claramente que ele até refletiu sobre as suas próprias divagações e analisou mais profundamente a forma como poderia refinar a narrativa, presumivelmente para obter mais atenção sobre a questão. No entanto, é um ato de um político desesperado, que os analistas interpretam de duas maneiras; ou é um grito de ajuda dirigido ao governo Biden para que ele próprio pratique o ato e envie tropas americanas para lá; ou é simplesmente um golpe de relações públicas para mantê-lo na imprensa internacional, uma zona que é como um vício em crack. Tal como Trump, Macron parece querer fazer e dizer qualquer coisa – por mais absurda que seja – para mantê-lo nas primeiras páginas, por assim dizer.

É claro que a reação de Macron, por mais desesperada que pareça, é inteiramente lógica quando consideramos os acontecimentos no terreno. A Rússia está a ganhar território, pelo que as elites ocidentais têm de preparar as suas campanhas mediáticas que desviam a culpa de si mesmas, o que é, em parte, o motivo do apelo de Macron e de outros líderes da UE para a expansão das suas forças armadas. Quando a Rússia tomar Kiev, todos gritarão “nós avisamos” e continuarão a defender maiores gastos militares.

A narrativa é realmente a de um perdedor. É o que se esperaria do lado perdedor que se prepara para recuar e salvar as suas carreiras políticas. Macron e a maioria dos líderes ocidentais não desejam que os meios de comunicação ocidentais apontem o dedo para uma série de erros catastróficos desde o primeiro dia, que contribuíram coletivamente para a retirada.

E agora, no The Economist, vemos Macron definir o que ele ridiculamente acredita que poderia ser o critério para enviar tropas francesas para a Ucrânia: a Rússia a romper as linhas.

Mas mesmo os meios de comunicação ocidentais como The Economist sabem que isto é uma loucura e que todo o jogo Macron é na verdade um monte de mentiras. E ainda assim eles mantêm as mentiras vivas.

Talvez, sem dúvida, o recalcitrante ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria também ajude Macron e as suas divagações a ganhar credibilidade simplesmente mordendo a isca e adicionando oxigênio aos meios de comunicação social. Szijjarto fala sobre a possibilidade de uma guerra total se o líder francês levar adiante uma ideia tão absurda e menciona o uso de armas nucleares.

Mas há algo aqui que todos estamos perdendo? Um blefe que Macron e Szijjarto estão praticando? Você não precisa ir muito longe para ver o que pode ser. A OTAN está a planejar elaborar uma proposta para um fundo de guerra de 100 bilhões de dólares para a Ucrânia e o medo de Macron pode ter como objetivo assustar a Hungria e fazê-la não avançar com o seu veto a tal pacote – ou melhor, dirigido a outros países que iriam diretamente pressionar a Hungria para que o aprove. Ninguém na sede da OTAN em Bruxelas acredita por um momento que a França seja capaz de enviar tropas para a Ucrânia que realmente lutariam contra soldados russos e The Economist sabe disso muito bem, e é por isso que é o jornalismo de call center da sua parte que imprime esse lixo, que pode muito bem ter sido pago com o bolso da NATO ou de Macron. Alguns entusiastas da OTAN, em contagem regressiva para a aposentadoria, lembrar-se-ão de como, há mais de 20 anos, os soldados franceses tentaram combater os rebeldes do Sudão e, segundo consta, fugiram do campo de batalha quando perceberam na verdade, que foram alvo de tiros reais. Todos nós ainda rimos muito disso no circuito de jantares em Bruxelas até hoje.

strategic-culture.su

Related Posts
Uma nova (e mais justa) Nuremberg
fotos

A Federação Russa continua a desempenhar o seu papel civilizador na Ucrânia, capturando, julgando e punindo os nazis que participaram [...]

Impossibilitada de escalar militarmente, OTAN aposta na retórica
fotos

Continuando sua incessante onda de escaladas na guerra contra a Federação Russa, os países da OTAN decidiram deliberar sobre “autorizar” [...]

O Ocidente já está em guerra com a Rússia, mas os seus líderes não conseguem acordar de um sonho
fotos

A OTAN está a planejar algo grande na Ucrânia? Estaremos agora à beira do início da Terceira Guerra Mundial, já [...]

Iêmen contra-ataca, visando o USS Eisenhower
fotos

As Forças Armadas do Iémen, alinhadas com Ansarallah, aumentaram as apostas no Mar Vermelho ao atacarem o porta-aviões norte-americano Eisenhower [...]

‘Líder do mundo livre’ permite genocídio e aniquilação global
fotos

Se houver alguma esperança, pode ser que a abominável realidade estimule o mundo a revoltar-se contra este sistema criminoso e [...]

Pogroms, censura, manipulação midiática: o que o Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
fotos

Israel rompe todos os limites de ultraje, humilhação e desprezo pela dignidade humana, cuja vítima há 75 anos é o [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!