Adeus G20, olá BRICS+

A Cúpula do G20, cada vez mais irrelevante, concluiu com sinais seguros de que o BRICS+ será o caminho a seguir para a cooperação do Sul Global.

xi-biden
Crédito: The Cradle

Por Pepe Escobar

A qualidade redentora de um tenso G20 realizado em Bali – de outra forma gerido pela louvável graciosidade indonésia – foi definir nitidamente para que lado sopram os ventos geopolíticos.

Isso foi resumido nos dois destaques da Cúpula: a tão esperada reunião presidencial China-EUA – representando a relação bilateral mais importante do século 21  e a declaração final do G20.

O encontro presencial de 3 horas e 30 minutos entre o presidente chinês Xi Jinping e seu homólogo americano Joe Biden – solicitado pela Casa Branca – ocorreu na residência da delegação chinesa em Bali, e não no local do G20 no luxuoso Apurva Kempinski em Nusa Dua.

O Ministério das Relações Exteriores da China delineou concisamente o que realmente importava. Especificamente, Xi disse a Biden que a independência de Taiwan está simplesmente fora de questão. Xi também expressou esperança de que a OTAN, a UE e os EUA se envolvam em um “diálogo abrangente” com a Rússia. Em vez do confronto, o presidente chinês optou por destacar as camadas de interesse comum e cooperação.

Biden, segundo o chinês, fez vários apontamentos. Os EUA não buscam uma Nova Guerra Fria; não apoia a “independência de Taiwan”; não suporta “duas Chinas” ou “uma China, uma Taiwan”; não busca “desvinculação” da China; e não quer conter Pequim.

No entanto, o registro recente mostra que Xi tem poucos motivos para aceitar Biden pelo valor de face.

declaração final do G20 foi um assunto ainda mais confuso: o resultado de um árduo compromisso.

Por mais que o G20 se descreva como “o principal fórum para cooperação econômica global”, engajado em “enfrentar os principais desafios econômicos do mundo”, o G7 dentro do G20 em Bali teve a cúpula de fato sequestrada pela guerra. Afinal, “guerra” recebe quase o dobro de menções na declaração em comparação com “comida”.

O Ocidente coletivo, incluindo o estado vassalo japonês, estava empenhado em incluir a guerra na Ucrânia e seus “impactos econômicos” – especialmente a crise alimentar e energética – na declaração. No entanto, sem oferecer sequer uma sombra de contexto, relacionada com a expansão da OTAN. O que importava era culpar a Rússia – por tudo.

O efeito do Sul Global

Coube à Indonésia, anfitriã do G20 deste ano – e à próxima anfitriã, a Índia – exercer a polidez asiática e a construção de consenso, sua marca registrada. Jacarta e Nova Delhi trabalharam arduamente para encontrar uma redação que fosse aceitável tanto para Moscou quanto para Pequim. Chame isso de efeito do Sul Global.

Ainda assim, a China queria mudanças na redação. Isso foi contestado pelos estados ocidentais, enquanto a Rússia não revisou a redação de última hora porque o ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, já havia partido.

No ponto 3 de 52, a declaração “expressa seu mais profundo pesar pela agressão da Federação Russa contra a Ucrânia e exige a retirada completa e incondicional das forças armadas do território da Ucrânia”.

“Agressão russa” é o mantra padrão da OTAN – não compartilhado por praticamente todo o Sul Global.

A declaração traça uma correlação direta entre a guerra e um “agravamento não contextualizado de problemas prementes na economia global – desaceleração do crescimento econômico, aumento da inflação, interrupção das cadeias de suprimentos, piora da energia e segurança alimentar, aumento dos riscos para a estabilidade financeira”.

Quanto a esta passagem, não poderia ser mais evidente: “É inadmissível o uso ou ameaça de uso de armas nucleares. A resolução pacífica de conflitos, os esforços para lidar com as crises, bem como a diplomacia e o diálogo são vitais. A era de hoje não deve ser de guerra.”

Isso é irônico, visto que a OTAN e seu departamento de relações públicas, a UE, “representada” pelos eurocratas não eleitos da Comissão Europeia, não praticam “diplomacia e diálogo”.

Fixado com a guerra

Em vez disso, os EUA, que controlam a OTAN, têm armado a Ucrânia, desde março, com US$ 91,3 bilhões, incluindo o último pedido presidencial, este mês, de US$ 37,7 bilhões. Isso é 33% a mais do que o gasto militar total da Rússia (grifo meu) para 2022.

Evidência extra de que a Cúpula de Bali foi sequestrada pela “guerra” foi fornecida pela reunião de emergência, convocada pelos EUA, para debater o que acabou sendo um míssil S-300 ucraniano caindo em uma fazenda polonesa, e não início da Terceira Guerra Mundial como alguns tabloides sugeriram histericamente.

Notavelmente, não havia absolutamente ninguém do Sul Global na reunião – a única nação asiática sendo o vassalo japonês, parte do G7.

Para agravar a situação, tivemos o sinistro mestre de Davos, Klaus Schwab, mais uma vez representando um vilão de Bond no fórum de negócios B20, vendendo sua agenda do Great Reset de “reconstruir o mundo” por meio de pandemias, fome, mudanças climáticas, ataques cibernéticos e – é claro – guerras.

Como se isso não fosse ameaçador o suficiente, Davos e seu Fórum Econômico Mundial estão agora ordenando que a África – completamente excluída do G20 – pague US$ 2,8 trilhões para “cumprir suas obrigações” sob o Acordo de Paris para minimizar as emissões de gases de efeito estufa.

O fim do G20 como o conhecemos

A grave fratura entre o Norte Global e o Sul Global, tão evidente em Bali, já havia sido sugerida em Phnom Penh, quando o Camboja sediou a Cúpula do Leste Asiático no fim de semana passado.

Os 10 membros da ASEAN deixaram bem claro que continuam sem vontade de seguir os EUA e o G7 em sua demonização coletiva da Rússia e, em muitos aspectos, da China.

Os asiáticos do Sudeste também não estão exatamente entusiasmados com o IPEF (Estrutura Econômica Indo-Pacífico) inventado pelos EUA, que será irrelevante em termos de desaceleração do amplo comércio e conectividade da China em todo o Sudeste Asiático.

E fica pior. O autodenominado “líder do mundo livre” está evitando a extremamente importante cúpula da APEC (Cooperação Econômica Ásia-Pacífico) em Bangkok no final desta semana.

Para culturas asiáticas muito sensíveis e sofisticadas, isso é visto como uma afronta. A APEC, estabelecida na década de 1990 para promover o comércio na Orla do Pacífico, trata de negócios sérios na Ásia-Pacífico, não na militarização “Indo-Pacífico” americanizada.

A reprovação segue-se ao último erro cometido por Biden quando ele se dirigiu erroneamente a Hun Sen, do Camboja, como “primeiro-ministro da Colômbia” na cúpula de Phnom Penh.

Fazendo fila para ingressar no BRICS

É seguro dizer que o G20 pode ter mergulhado em um caminho irremediável rumo à irrelevância. Mesmo antes da atual onda de cúpulas do Sudeste Asiático – em Phnom Penh, Bali e Bangkok – Lavrov já havia sinalizado o que vem a seguir quando observou que “mais de uma dúzia de países” se inscreveram para ingressar no BRICS (Brasil , Rússia, Índia, China, Sul África).

Irã, Argentina e Argélia se inscreveram formalmente: o Irã, ao lado de Rússia, Índia e China, já faz parte do Quad da Eurásia que realmente importa.

TurquiaArábia Saudita, Egito e Afeganistão estão extremamente interessados ​​em se tornarem membros. A Indonésia acabou de se candidatar, em Bali. E depois há a próxima onda: Cazaquistão, Emirados Árabes Unidos, Tailândia (possivelmente aplicando neste fim de semana em Bangkok), Nigéria, Senegal e Nicarágua.

É crucial notar que todos os citados acima enviaram seus Ministros da Fazenda para um diálogo sobre a Expansão do BRICS em maio. Uma avaliação curta, mas séria , dos candidatos revela uma surpreendente unidade na diversidade.

O próprio Lavrov observou que levará tempo para que os atuais cinco BRICS analisem as imensas implicações geopolíticas e geoeconômicas de se expandir a ponto de atingir praticamente o tamanho do G20 – e sem o oeste coletivo.

O que une os candidatos acima de tudo é a posse de enormes recursos naturais: petróleo e gás, metais preciosos, terras raras, minerais raros, carvão, energia solar, madeira, terras agrícolas, pesca e água doce. Esse é o imperativo quando se trata de projetar uma nova moeda de reserva baseada em recursos para contornar o dólar americano.

Vamos supor que demore até 2025 para que essa nova configuração do BRICS+ esteja funcionando. Isso representaria cerca de 45% das reservas globais confirmadas de petróleo e mais de 60% das reservas globais confirmadas de gás (e isso aumentará se a república do gás do Turcomenistão se juntar ao grupo).

O PIB combinado – em números de hoje – seria de aproximadamente US$ 29,35 trilhões; muito maior que os EUA (US$ 23 trilhões) e pelo menos o dobro da UE (US$ 14,5 trilhões, e caindo).

Tal como está, os BRICS respondem por 40% da população global e 25% do PIB. O BRICS+ congregaria 4,257 bilhões de pessoas: mais de 50% da população global total.

BRI abraça BRICS+

O BRICS+ buscará a interconexão com um labirinto de instituições: as mais importantes são a Organização de Cooperação de Xangai (SCO), ela mesma apresentando uma lista de atores ansiosos para se tornarem membros plenos; a estratégica OPEP+, liderada de facto pela Rússia e Arábia Saudita; e a Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI), a estrutura abrangente de comércio e política externa da China para o século XXI. Vale ressaltar que desde o início todos os atores asiáticos cruciais se juntaram ao BRI.

Depois, há os vínculos estreitos dos BRICS com uma infinidade de blocos comerciais regionais: ASEAN, Mercosul, GCC (Conselho de Cooperação do Golfo), União Econômica da Eurásia (EAEU), Zona de Comércio Árabe, Área de Livre Comércio Continental Africana, ALBA, SAARC e, por último, mas não menos importante, a Regional Comprehensive Economic Partnership (RCEP), o maior acordo comercial do planeta, que inclui a maioria dos parceiros da BRI.

BRICS+ e BRI são iguais em qualquer lugar que você olhe – da Ásia Ocidental e Ásia Central ao Sudeste Asiático (especialmente Indonésia e Tailândia). O efeito multiplicador será fundamental – já que os membros do BRI inevitavelmente atrairão mais candidatos para o BRICS+.

Isso inevitavelmente levará a uma segunda onda de aspirantes ao BRICS+, incluindo, certamente, Azerbaijão, Mongólia, mais três países da Ásia Central (Uzbequistão, Tadjiquistão e a república do gás Turquemenistão), Paquistão, Vietnã e Sri Lanka, e na América Latina, uma forte contingente com Chile, Cuba, Equador, Peru, Uruguai, Bolívia e Venezuela.

Enquanto isso, o papel do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) do BRICS, bem como do Banco de Investimento em Infraestrutura da Ásia (AIIB), liderado pela China, será aprimorado – coordenando empréstimos de infraestrutura em todo o espectro, já que o BRICS+ estará cada vez mais evitando os ditames impostos pelos EUA, que domina o FMI e o Banco Mundial.

Tudo o que foi dito acima mal esboça a largura e a profundidade dos realinhamentos geopolíticos e geoeconômicos mais adiante – afetando todos os cantos do comércio global e das redes da cadeia de suprimentos. A obsessão do G7 em isolar e/ou conter os principais atores eurasianos está se voltando contra si mesmo no âmbito do G20. No final das contas, é o G7 que pode ser isolado pela força irresistível do BRICS+.

Related Posts
200 anos de relações Brasil-EUA: Bicentenário de intervenções e tentativa de subversão
fotos

Os EUA farão de tudo para impedir que cumpramos o nosso destino, e permaneçamos sendo o que tem sido ao [...]

À beira da dissolução: Neurose no Ocidente à medida que o dique rompe
fotos

O discurso da escalada militar está na moda na Europa, mas tanto no Oriente Médio como na Ucrânia, a política [...]

Níger ordena a saída dos militares dos EUA e convida a Rússia a entrar
fotos

Os dias de dominação americana acabaram e as portas em África estão abertas para ajuda alternativa da Rússia e da [...]

A Rússia e a China estão fartas
fotos

Ambos estão fartos de serem “educados”. Você quer confronto? Confronto é o que você vai conseguir.

O fracasso das sanções financeiras ocidentais
fotos

As ameaças persistentes de Washington revelam um consenso bem estabelecido no Atlântico Norte de que, por um lado, o poder [...]

Putin e Xi são estadistas mundiais, enquanto as elites ocidentais demonstram ser a verdadeira ameaça à paz global
fotos

A força militar e econômica combinada da Rússia e da China, juntamente com a sabedoria política dos seus líderes, são [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!