Alemanha expulsa refugiados afegãos para dar lugar a refugiados ucranianos

O tratamento desigual reflete uma tendência entre os governos ocidentais e meios de comunicação em relação aos refugiados, dependendo de sua raça e nação de origem

afegãos
Refugiados afegãos na Base Aérea de Ramstein, na Alemanha. (Crédito da foto: Rob Schmitz/NPR)

Vários refugiados do Afeganistão foram removidos de seus lares temporários financiados pelo governo alemão para dar lugar a refugiados ucranianos, de acordo com um relatório de 20 de abril da Foreign Policy .

Assistentes sociais financiados pelo governo apareceram em muitos apartamentos financiados pelo Estado para dar aos refugiados afegãos um prazo de 24 horas para limpar suas casas para que os refugiados ucranianos pudessem se mudar em seu lugar.

Tareq Alaows, membro do conselho do Conselho de Refugiados de Berlim, foi citado como tendo dito: “Os despejos propositalmente não foram divulgados. Algumas pessoas viviam em suas casas há anos e foram arrancadas de suas estruturas sociais, incluindo crianças que foram transferidas para locais distantes de suas respectivas escolas”.

“Claro que não é culpa dos ucranianos, mas temos que refletir sobre nossa solidariedade se ela visa apenas certas pessoas. Os últimos meses mostraram que é possível um tratamento diferenciado aos refugiados, e isso precisa ser sistematicamente ancorado em nossa sociedade”, acrescentou Alaows.

Um relatório de 20 de abril da ONU declarou que o número de refugiados que deixaram a Ucrânia é de mais de 5 milhões de pessoas.

A Rússia lançou uma operação militar especial na Ucrânia em 24 de fevereiro, após ataques militares ucranianos às recém-reconhecidas repúblicas independentes de Donetsk e Luhansk e seu fracasso em implementar os termos dos acordos de Minsk de 2014, além de preocupações de segurança sobre a expansão da OTAN ameaçando o status quo de dissuasão nuclear.

Vários líderes da Ásia Ocidental condenaram o tratamento desigual que os governos e a mídia dão aos refugiados ucranianos em comparação com os refugiados de outros países.

Sayed Hassan Nasrallah, secretário-geral do Hezbollah, afirmou em 8 de março que “o mundo inteiro chora pela Ucrânia” enquanto ignora os crimes cometidos contra Gaza e Iêmen.

Destacando ainda mais os padrões duplos, Nasrallah apontou que “o mundo inteiro está em silêncio porque eles simplesmente não são brancos e não têm olhos azuis – mesmo que alguns deles tenham pele branca, cabelos loiros e olhos azuis. Mas porque eles não pertencem ao mundo do homem branco”, acrescentando que “mesmo aqueles que pertencem ao mundo do homem branco na América são apenas um meio, uma mercadoria e uma ferramenta que não tem valor humano”.

O aiatolá Khamenei, líder supremo da República Islâmica do Irã, também criticou o tratamento desigual baseado em raça e nacionalidade.

“Nos eventos na Ucrânia, todos estão testemunhando o racismo dos governos ocidentais. Eles param os trens para separar os negros, que buscam refúgio e escapam dos problemas da guerra, para fazê-los descer do trem”, lamentou o Líder Supremo.

Tanto o Irã quanto o Hezbollah permaneceram relativamente neutros no conflito Rússia-Ucrânia, mas colocaram a culpa pelo conflito nos EUA e na OTAN, não na Rússia.

Na esteira da operação militar especial russa, os meios de comunicação ocidentais foram criticados por narrativas controversas em torno de diferentes atitudes em relação às vítimas da guerra com base na raça.

No final de fevereiro de 2022, o correspondente sênior de política externa da CBS News, Charlie D’Agata , afirmou na TV ao vivo que a Ucrânia “não é um lugar, com todo o respeito, como o Iraque ou o Afeganistão, que tem visto o conflito violento há décadas. Esta é uma cidade relativamente civilizada, relativamente europeia, onde você não esperaria isso.

As redes de notícias europeias não deixaram de promover perspectivas racistas semelhantes, com o âncora da TV francesa BFM, Philippe Corbe, dizendo dias após o início da operação militar: “Não estamos falando aqui de sírios fugindo do bombardeio do regime sírio apoiado por Putin, estamos falando de europeus saindo em carros parecidos com os nossos.”

Enquanto isso, a BBC transmitiu uma entrevista com o ex-vice-procurador-geral da Ucrânia, David Sakvarelidze, na qual ele disse que “é muito emocionante para mim porque vejo europeus com cabelos loiros e olhos azuis sendo mortos todos os dias”.

Fonte: thecradle.co

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!