Argentina – Macri se despede declarando a inadimplência da dívida

O neoliberalismo faz outro estrago, a bola da vez é a Argentina. O governo Macri recebeu uma economia com dívida em queda e vai entregá-lo insolvente. O ministro das Finanças, Hernán Lacunza, inventa que se trata de uma reestruturação voluntária sem retirar capital ou juros.

fotos
Presidente da Argentina, Mauricio Macri (Foto: REUTERS/Agustin Marcarian)

A economia macrista termina com inadimplência. Em 28 de agosto de 2019, será o dia em que o governo Macri reconhecerá que, depois de liderar o ciclo mais vertiginoso da dívida na história da Argentina, não poderá atender aos vencimentos de capital e juros nas condições acordadas . O ministro das Finanças, Hernán Lacunza , informou que haverá uma ampla reestruturação dos vencimentos de curto e longo prazo, incluindo o empréstimo do Fundo Monetário Internacional. Ou seja, quase toda a dívida pública hoje está inadimplente e sem um acordo em vigor com o FMI .

A mega-desvalorização da moeda jogou a economia em um cenário de impossibilidade de pagar a dívida. A queda é chocante. Macri recebeu uma economia com redução da dívida, com indicadores de solvência e sustentabilidade muito bons, para entregá-la inadimplente. E ele fez isso em apenas dois anos. Ele conseguiu sobreviver desde abril do ano passado com o imenso empréstimo do FMI, endossado pelos Estados Unidos por Donald Trump. Mas esses dólares acabaram. O desembolso planejado para meados de setembro será parte de um novo acordo com o FMI. Não teremos que esperar por esses dólares. Eles farão parte de outro pacote financeiro.

O ciclo do endividamento macrista ficou tão desfocado que incluiu a emissão absurda de um título de 100 anos, colocação de dívida liderada pelo então ministro da Fazenda, Luis Caputo. Ele também recebeu um crédito de 57 bilhões de dólares do FMI. O anúncio de Lacunza procura evitar um padrão descontrolado.  O que ele fez foi reconhecer que isso gera uma cessação ordenada dos pagamentos .

Lacunza disse que o problema da dívida é liquidez, ou seja, faltam dólares e não solvência. Não é assim. Eles não conseguiram os dólares e o macrismo enviou à economia para a insolvência. O indicador que expõe essa vulnerabilidade é a relação Dívida / PIB . Ele recebeu o país com a dívida em torno de 37,6%  do PIB, e nesses quase quatro anos, piorou, agora ultrapassando 100%. Ou seja, a dívida total do setor público é equivalente ao Produto Interno Bruto. E com um horizonte imediato de uma queda maior.

Tal fracasso na administração das finanças públicas não pode ser disfarçado com delírios filosóficos e políticos sobre os resultados das eleições, um papel triste que Lacunza tinha antes de declarar que o governo Macri não pode pagar a dívida. A maneira de compensar a inadimplência foi apresentar a proposta de estender os vencimentos da dívida de curto e longo prazo, da legislação local e internacional.

A mensagem da missão do Fundo, liderada pelo diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental, Alejandro Werner , quando revelou que não há poder político estabelecido para negociar, foi que sob as condições atuais não pode haver outro desembolso da agência, estimado em 5,4 bilhões de dólares. A pergunta sobre o que o FMI iria fazer foi respondida dessa maneira . O que se seguiu foi a declaração padrão.

Fonte: Página 12

Compartilhar:

One thought on “Argentina – Macri se despede declarando a inadimplência da dívida

  1. O capitalismo neoliberal é uma desgraça para o mundo. Macri recebeu um país com as finanças bem organizado pelo governo de Cristina Kirchner, e tratou logo de impor o receituário neoliberal de privatizações. Ocorre que o investidor estrangeiro está atrás é do lucro a todo custo, as tarifas das empresas privatizados sobem com paridade ao dólar, as remessas do lucro são em dólar. E o governo que vendeu as empresas a preço de banana gastou tudo! Ou seja, em algum momento faltará dólares para pagar a dívida externa, e sua renegociação ocasionará um maior endividamento – relação dívida pública x PIB. E o povo é jogado na miséria.
    Por extensão logo chegará a vez do Brasil, que segue a mesma cartilha de privatizações, e “torrando” as reservas herdadas do governo Lula e Dilma, para segurar o câmbio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!