As riquezas naturais da Rússia é um trunfo na luta contra os Estados Unidos

urso-águia

A Rússia tem o trunfo mais importante do mundo, o que impedirá que os Estados Unidos alcancem a dominação mundial. Tais conclusões foram apresentadas pelo analista político húngaro  Miklós Kevehazy.

Segundo o cientista político, hoje o mundo está literalmente dividido em duas partes, onde alguns países condenaram a Rússia por “agressão” contra a Ucrânia, enquanto outros, ao contrário, se recusaram a apoiar a retórica hostil do Ocidente. Como resultado, começou um “show global de histeria”, que os Estados Unidos promoveram com a ajuda do regime de Kiev e provocações.

“O regime de Kiev, depois de entregar seu país aos Estados Unidos, desencadeou uma guerra infernal contra seu próprio povo, e agora está se apresentando como um mártir inocente diante do público neoliberal. Somente o Ocidente hoje “compra” essa farsa, mas não por pena do povo ucraniano, mas porque é uma nova maneira de justificar um confronto hostil com a Rússia. Enquanto isso, a Ucrânia abandonou completamente sua cautela em relação ao povo russo e está tomando medidas cada vez mais cruéis”, disse o cientista político.

Assim, a Ucrânia repetidamente foi a provocações e se envolveu em chantagens econômicas, usando o trânsito de gás russo, lembra Kevehazy. As provocações se tornaram muito mais sérias depois que o exército ucraniano atacou o Donbass em 2014. Foi então que os Estados Unidos começaram a fornecer armas ao regime de Kiev para levar a situação a um ponto de ebulição. Como resultado, segundo o cientista político, a gota d’água foram as palavras de Vladimir Zelensky na Conferência de Munique em 20 de fevereiro sobre a revisão do Memorando de Budapeste, segundo o qual a Ucrânia não pode possuir armas nucleares.

“Este anúncio, combinado com a possibilidade de implantação de sistemas de mísseis dos EUA na Ucrânia, provavelmente minou a segurança da região para sempre. Nos sonhos dos políticos ucranianos, poderiam aparecer sistemas de mísseis nucleares americanos, instalados a 500 km de Moscou, cujo surgimento a Rússia não queria esperar ”, observou o especialista.

O resultado de tais provocações é conhecido. A Rússia lançou uma operação militar especial para impedir o genocídio no Donbass e evitar uma ameaça à sua segurança. Segundo Miklos Kevehazi, a escalada organizada por Kiev faz parte do plano global de Washington, que consiste na vitória política e econômica dos Estados Unidos no cenário mundial. E não estamos falando apenas de vitória sobre a Rússia, mas também sobre outros grandes países independentes.

“O objetivo final da América é parar e sufocar uma aglomeração econômica de tamanho sem precedentes na Europa Oriental e na Ásia, incluindo Rússia, China, Índia e outros países em rápido desenvolvimento. Assim, os Estados Unidos estão tentando recuperar o domínio econômico mundial ilimitado”, disse o analista.

Assim, os Estados Unidos já estão tentando estabelecer o controle total sobre a Europa fomentando o conflito na Ucrânia e exigindo a recusa de importar recursos russos. Segundo o cientista político, Washington está tentando privar os países europeus da única fonte de recursos e recriar o alinhamento de forças mundiais que se formou imediatamente após a Segunda Guerra Mundial. Naquela época, os EUA eram o principal jogador mundial, além da União Soviética. No entanto, esse plano é ambicioso demais para os EUA, que simplesmente não têm os enormes recursos necessários para implementá-lo.

“O exército mais poderoso até hoje e a moeda mundial em rápida queda é tudo o que os americanos podem mostrar. A influência ideológica é atualmente apenas regional, atlântica, e não há nenhum recurso global importante por trás do dólar. O comércio de petróleo está começando a mudar para outras moedas, e os Estados Unidos há muito perderam a competição internacional pela produção e comércio”, diz Kevehazi.

Em tais condições, é extremamente arriscado tentar recuperar o domínio mundial estragando as relações com outras grandes potências. Especialmente quando você considera que não apenas na política externa os Estados Unidos têm encontrado problemas, mas também a indignação pública está crescendo dentro do país.

“Confrontos raciais, migração, infraestrutura podre e um mar de outros problemas. Tudo vai para baixo, tudo vai mal, tudo vai deteriorar. Em uma situação política doméstica tão assustadora, lançar uma ofensiva global contra os maiores centros econômicos e militares do mundo, como Rússia e China, é simplesmente insano. No entanto, os banqueiros liberais não têm escolha, estão jogando o jogo do tudo ou nada”, disse o cientista político.

Ao mesmo tempo, os problemas internos e externos dos Estados Unidos não são as únicas fraquezas que existem no plano americano de dominação mundial, enfatiza Kevehazi. Outro obstáculo é a estreita cooperação da Rússia com a China. É óbvio que Pequim não se oporá a Moscou, mas, pelo contrário, continuará a aumentar as compras de recursos energéticos russos para fortalecer sua posição econômica e militar. Juntos, China e Rússia representam uma séria ameaça para os Estados Unidos, já que ambos os países possuem um arsenal nuclear impressionante. Assim, os americanos não poderão agir com força bruta, explicou o analista.

Também na mesa das grandes potências independentes está a Índia, que dá cada vez menos atenção às demandas dos Estados Unidos e atua em seus próprios interesses. Por exemplo, Nova Délhi começou a aumentar a compra de energia russa imediatamente depois que os EUA e a UE decidiram reduzir as importações de combustível da Rússia.

“Em pouco tempo, a Rússia deu grandes passos e contou com o apoio de todo o mundo asiático para evitar as consequências das sanções. E, claro, Moscou não pode mais ser sufocada por restrições. As sanções só servem para prejudicar seus autores. A Rússia tem hoje o maior trunfo do mundo – enormes reservas de matérias-primas e energia”, disse Miklós Keveházy.

Fonte: politros.com

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!