As variantes do coronavírus: o que você precisa saber

Novas variantes do coronavírus que circulam globalmente parecem aumentar a transmissão e estão sendo monitoradas de perto pelos cientistas

mutações
Illustration: Aïda Amer/Axios

A variante altamente contagiosa B.1.1.7 originalmente detectada no Reino Unido pode se tornar a cepa dominante nos EUA em março, se nenhuma medida for tomada para controlar a disseminação do vírus, disseram os Centros de Controle e Prevenção de Doenças na sexta-feira .

Os países estão sendo sobrecarregados por surtos de casos que levaram ao fechamento de fronteiras, quarentenas e pressões mais agressivas para que o público seja vacinado. Até agora, as variantes não parecem ser resistentes às vacinas existentes ou causar doenças mais graves.

Os funcionários do serviço de saúde estão rastreando as variantes do SARS-CoV-2, incluindo a variante B.1.1.7 detectada no Reino Unido, a variante 501.V2 na África do Sul e uma variante recém-descoberta no Brasil.

A variante B.1.1.7 foi identificada em cerca de 45 países , mas as nações sem vigilância genética de rotina, incluindo os EUA, podem não saber totalmente a extensão da disseminação, gerando apelos para um maior monitoramento .

A Public Health England divulgou um novo estudo de B.1.1.7 que estimou que a variante é 30% a 50% mais transmissível do que outras formas do vírus.

Cerca de 12 estados dos EUA detectaram a variante B.1.1.7. O CDC estima que está relacionado a cerca de menos de meio por cento dos casos nos EUA até agora e não é a variante dominante.

A variante 501.V2 é “um pouco mais preocupante em relação à possibilidade de interferir com alguns dos anticorpos monoclonais”, com base em descobertas preliminares, disse o especialista em doenças infecciosas Anthony Fauci na semana passada.

A variante carrega uma série de mutações que mostram alterações em algumas das proteínas spike do vírus, o que os especialistas dizem ser motivo de preocupação, já que a proteína spike é o que o coronavírus usa para entrar nas células humanas, relata a BBC .

O Ministério da Saúde do Japão detectou uma variante no domingo, depois que viajantes voltaram do Brasil. Ainda há muitas incógnitas, mas os cientistas dizem que tem 12 mutações e estudos estão em andamento sobre a eficácia das vacinas contra a nova variante.

O Ministério da Saúde do Brasil pediu ao Japão informações como a sequência genética da nova cepa, de acordo com o Japan Times .

As mutações

Os vírus sofrem mutação, geralmente sem afetar a gravidade da doença ou como o vírus se espalha. Mas às vezes as mutações são importantes para a saúde pública e os cientistas dizem que é importante monitorá-las.

Tanto a Pfizer quanto a Moderna estão testando suas vacinas contra as variantes. A Pfizer e a BioNTech disseram na quintafeira que a mutação N501Y encontrada em ambas as variantes B.1.1.7 e 501.V2 foi testada contra sua vacina e não encontrou “nenhuma redução na atividade de neutralização contra o vírus”.

Mas existem várias mutações e mais estudos estão em andamento.

Na sexta-feira, os funcionários do CDC rejeitaram as notícias de uma variante do vírus nos Estados Unidos, relata o New York Times .

“Até o momento, nem pesquisadores nem analistas do CDC viram o surgimento de uma variante específica nos Estados Unidos”, disse o CDC.

A Casa Branca não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A conclusão é que os vírus sofrem mutação e evoluem, e o coronavírus não é diferente, então todo cuidado é pouco, para um causador de uma doença muito traiçoeira!

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × três =