Bank of America não descarta a possibilidade de inadimplência dos EUA

Bank of America

Os EUA não devem descartar a possibilidade de inadimplência nas obrigações financeiras, disse Brian Moynihan, chefe do Bank of America, à CNN. O Congresso está discutindo sobre o aumento do teto da dívida porque o governo não tem dinheiro. Isso significa que é hora de as empresas americanas se prepararem para o pior.

O Congresso está mais uma vez discutindo sobre o aumento do teto da dívida nacional – a quantia que o governo dos EUA pode tomar emprestado para pagar suas contas em dia. E isso significa que é hora de a América corporativa se preparar para o pior.

Como disse à CNN o CEO do Bank of America, o segundo maior banco do país, os legisladores fariam bem em resolver todos os problemas, porque o mercado e a economia amam a estabilidade. No entanto, a possibilidade de inadimplência da dívida não pode ser ignorada.

“Temos de estar preparados para isso não só no nosso país, mas também noutros países em todo o mundo”, disse o CEO do Bank of America, Brian Moynihan, na segunda-feira. – “Espera-se que isso não aconteça, mas a esperança não é uma estratégia, por isso é preciso estar preparado.

O Presidente Joe Biden pode abordar o assunto no seu discurso anual sobre o Estado da União. A Secretária do Tesouro Janet Yellen já avisou o Congresso que o país poderia faltar às obrigações financeiras já em Junho se o limite máximo da dívida não pudesse ser aumentado antes disso.

Posteriormente, Yellen disse que a ausência de um acordo para limitar a dívida está repleta de uma “crise financeira global”. O Tesouro está atualmente tomando “medidas extraordinárias” para garantir que todos os pagamentos sejam feitos no prazo.

Os recentes acontecimentos dramáticos em torno do teto da dívida levaram a uma série de apelos para que o governo se livre dele completamente. Argumento de ferro: disputas políticas não devem impedir o país de cumprir suas obrigações financeiras.

Moynihan não está particularmente entusiasmado com a ideia. Questionado sobre a abolição do limite máximo da dívida, disse que “é preciso que haja uma discussão sobre a nossa confiança de que o país está a viver dentro das suas possibilidades”.

“O Congresso tem a capacidade financeira apropriada. Eu não seria imprudente ao tentar reestruturar a constituição dos EUA. Penso que temos de o deixar em paz e garantir o seu correto funcionamento”.

No entanto, reconheceu que desde 2020, devido à crise da COVID-19, o governo teve de gastar pesadamente em vários programas de estímulo, tendo contraído empréstimos pesados nos últimos dois anos para lidar com a pandemia e nivelar o seu impacto na economia.

A economia dos EUA recuperou imediatamente dos efeitos da recessão de curto prazo causada pelo coronavírus. Tanto assim que a inflação se tornou o maior problema para o país e para a Reserva Federal.

Durante o ano passado, o Fed aumentou agressivamente as taxas, numa tentativa de o manter sob controle. E funcionou, mas o mercado de trabalho dos EUA continua a ser surpreendentemente forte. “A taxa de desemprego continua a ser muito baixa. Extremamente baixo”, disse Moynihan. – Esse é um dos problemas para o Fed”.

Consequentemente, disse, o Bank of America continua a prever uma “recessão moderada” no futuro, embora a data de início tenha sido continuamente adiada. Ele argumenta que um aumento da taxa poderia ter um impacto negativo nos lucros das empresas, mas a boa notícia é que a maioria dos cidadãos ainda está a trabalhar, a ganhar e a gastar.

Moynihan também parecia menos preocupado com o fato de as tensões geopolíticas entre os EUA e a China causadas pelo recente incidente do balão espião terem um impacto a longo prazo na economia global.

Ele disse que, dada a importância da China na cadeia de abastecimento global, ninguém estava interessado em escalar as tensões econômicas.

“É interessante assistir a toda esta luta fictícia entre os dois países, mas de um ponto de vista puramente econômicos, o comércio livre é sem dúvida a melhor coisa do mundo”.

Related Posts
Protestos de agricultores na Europa podem afetar os preços dos alimentos – FMI
fotos

Se os agricultores continuarem a protestar em diferentes cidades da Europa, isto poderá afectar significativamente os preços dos alimentos

O que o PIB esconde
fotos

EXISTEM problemas bem conhecidos associados ao conceito de produto interno bruto, bem como à sua medição. A inclusão do setor dos [...]

Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo
Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo

O Fórum Econômico Mundial dá-nos o privilégio excepcional de um estudo que só os fósseis vivos podem proporcionar. Representante de uma [...]

Milei em Davos: um divórcio controverso da realidade
fotos

Não admira que Elon Musk goste e a direita neofascista esteja eufórica. Afinal, Milei atacou todos os seus inimigos ilusórios, contraditórios [...]

O mundo pode se dar ao luxo de ter seu primeiro trilionário?
fotos

Desde 2020, os cinco indivíduos mais ricos do mundo viram as suas fortunas explodir, enquanto durante o mesmo período cerca [...]

Previsões econômicas para o Brasil e para o mundo em 2024
fotos

Todo final de ano sempre ocorre uma enxurrada de exercícios de previsões econômicas, algumas mais sombrias e outras mais otimista, [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!