Bolívia deve derrotar o Brasil na guerra estratégica do gás

Se o Brasil oferece uma recuperação da demanda de gás, sua política de segregação de sua principal empresa de energia, a Petrobras, também lhe permite estender sua dependência da Bolívia

gás

Por: Túlio Ribeiro

A Bolívia deve vencer a guerra estratégica do fornecedor de gás ao Brasil. A recuperação do consumo garante a demanda e aumenta a dependência do gigante latino-americano em relação ao país montanhoso. Sua política de privatizações e desinvestimentos estruturais amplia a necessidade de importação.

O último relatório sobre o consumo de gás natural no Brasil apontou crescimento de 0,6% em setembro ante agosto, quando somou 52,19 milhões de metros cúbicos / dia, mas ficou longe dos níveis do ano passado, caindo quase 30% em relação ao ano anterior como o mesmo mês de 2019.

Dados da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás por Gasodutos (Abegás) esclarecem que houve uma maior utilização de insumos básicos mensais entre indústrias, veículos e empresas, embora esses setores tenham ficado abaixo dos volumes observados em 2019, antes da pandemia de coronavírus que abalou o mercado. No entanto, esses setores fortaleceram a recuperação desde julho.

Foi a indústria, que liderou a utilização do insumo naquele mês, aumento de cerca de 0,5% na demanda em relação a agosto, embora com queda de 5% ao ano. As termelétricas, segunda fonte de demanda no período, registraram queda de 3,3% no consumo de gás em relação ao mês anterior e cerca de 55% ao ano.

As famílias, que haviam permanecido estáveis ​​devido ao aumento do número de pessoas trabalhando em casa em meio à pandemia, também tiveram contração no consumo mensal e anual, de 2,1% e 3,25%, respectivamente. .

Em abril deste ano, em meio à crise, o Ministério de Minas e Energia informou que a demanda total por gás natural no país teve uma redução de 17% em relação ao mês anterior, passando de 64,8 para 54,1 milhões m³ / dia. Em relação a abril de 2019, houve o mesmo percentual de redução.

Esse conjunto de dados mostra que o mercado de gás tende a se recuperar continuamente com o aumento da produção de conglomerados industriais, principalmente exportadores. Em abril, a projeção de fechamento do PIB (Produto Interno Bruto) era de -10%, em 17 de dezembro o Banco Central do Brasil melhorou sua estimativa para -4,4%. O consumo de energia vem na mesma direção do aumento da produção na cadeia industrial.

Em relação à balança comercial, no acumulado do ano até a segunda semana de dezembro, as exportações somaram US $ 199.365 milhões e as importações US $ 149.449 milhões, com saldo positivo de US $ 49.916 milhões e fluxo comercial de US $ 348.814 milhões .

Se o Brasil oferece uma recuperação da demanda de gás, sua política de segregação de sua principal empresa de energia, a Petrobras, também lhe permite estender sua dependência da Bolívia. Esse raciocínio é baseado no desenvolvimento da política de privatização liberalizante do governo.

A extração do pré-sal brasileiro (região das reservas de petróleo e gás) exige um intenso investimento de longo prazo, que seria compatível com uma Petrobras que promova o desenvolvimento nacional. Seu atual governo trabalha na direção oposta para desintegrar a empresa e facilitar a entrada de capital estrangeiro. Estes não atuam da mesma forma no incentivo à produção e distribuição do setor.

Concluindo, o Brasil, tanto ao reduzir seu desenvolvimento global quanto ao desvalorizar a capacidade de investir por meio de um conglomerado nacional, favorece a Bolívia a estender seu domínio sobre o país.

Assim, ao priorizar os recursos da privatização no presente, a estratégia do Brasil está atingindo o seu futuro e pode garantir o da Bolívia.

Fonte: TeleSur

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!