Bolsonaro apela ao STF para prestar depoimento por escrito à Polícia Federal

O ministro Celso de Mello justificou sua decisão sob o argumento que a prerrogativa de um chefe de Poder prestar depoimento por escrito somente existirá quando, e se, ele for testemunha ou vítima. Nunca na condição de réu ou investigado, como é o caso de Bolsonaro, na ação em curso. O pedido, na prática, suspende a decisão do decano da Corte

bozo

Os advogados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) resolveram entrar com um pedido no Supremo Tribunal Federal (STF), neste sábado, para que o Plenário da Corte decida se mantém, ou revoga, a decisão do ministro Celso de Mello que o proibiu de prestar depoimento por escrito no inquérito que investiga sua suposta interferência na Polícia Federal.

A decisão foi tomada em reunião de Bolsonaro com o advogado-geral da União, José Levi Mello do Amaral Júnior, na véspera, durante reunião no Palácio da Alvorada, segundo apurou a reportagem. Decano do Supremo, o ministro Celso de Mello aposenta-se em novembro e, até lá, o presidente do STF, ministro Luiz Fux, poderá suspender os efeitos da determinação de Mello, até que a pauta seja julgada pelos demais ministros.

Mello justificou sua decisão sob o argumento que a prerrogativa de um chefe de Poder prestar depoimento por escrito somente existirá quando, e se, ele for testemunha ou vítima. Nunca na condição de réu ou investigado, como é o caso de Bolsonaro na ação em curso.

Internação

Em sua decisão, Celso de Mello também esclareceu que o documento que extingue a possibilidade de Bolsonaro depor por escrito estava pronta antes mesmo de ele sofrer uma intervenção hospitalar que o mantém, até agora, em licença médica. A internação impediu o ministro, de acordo com o documento, de assinar a decisão tornada pública agora.

Ao pedir demissão do cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública em abril, deste ano, o ex-juiz federal Sérgio Moro justificou a saída do comando da pasta apontando que Bolsonaro havia buscado interferir na Polícia Federal através da troca do diretor-geral da corporação e de comandos de superintendências regionais do órgão. (Com CdB)

Related Posts
Mourão e o golpismo fora de época
fotos

O senador Hamilton Mourão, acostumado com a linguagem da caserna, e ainda ambientado nos anos do golpe de 1964, viciado [...]

A Vale, o governo Lula, o brasileiro, a mídia e os poderes do estado
fotos

A trajetória para o 1º Mundo de uma nação já está delineada e comprovada: Ser protagonista na geração de produtos [...]

Caso First Mile derruba membro da atual diretoria da PF por suposta espionagem ilegal
fotos

O mais recente desdobramento da investigação sobre uma suposta espionagem ilegal de agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) derrubou [...]

“Militares atuaram em 8 de janeiro por omissão e também por ação”, diz historiador
fotos

Francisco Teixeira, da UFRJ, revela que pesquisadores intercederam para governo não aprovar GLO após invasão em Brasília Por Texto: Natalia [...]

Um ano depois, entenda a narrativa da associação dos familiares dos presos no 8 de janeiro
fotos

Há um ano, em 8 de janeiro de 2023, pessoas contrárias à posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) [...]

Brasil volta à normalidade após 4 anos de ‘populismo mentiroso’ de Bolsonaro, diz revista britânica
Bozo

A revista britânica The Economist anunciou sua escolha para o “País do Ano” de 2023, marcando três nações que se [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!