Ciência: A humanidade moderna surgiu graças a 1.280 indivíduos

Poderá o destino dos oito bilhões de pessoas que vivem agora na Terra ter dependido da resiliência de apenas 1.280 antepassados ​​humanos que quase foram extintos há 900.000 anos?

fotos

Esta questão foi objeto de um estudo recente que, usando modelagem genética, revelou que nossos antigos ancestrais estiveram à beira da extinção por cerca de 120.000 anos.

No entanto, cientistas não associados a este estudo criticam esta afirmação. Um deles disse à AFP que existe uma opinião “quase unânime” na comunidade de geneticistas populacionais de que esta hipótese não é suficientemente convincente.

Continua a ser um fato inegável que os antigos antepassados ​​humanos podem ter estado à beira da extinção em algum momento devido a um fenomeno conhecido como estrangulamento populacional.

No entanto, os especialistas expressaram dúvidas sobre a precisão deste estudo, dada a tarefa extremamente difícil de avaliar as mudanças populacionais há tanto tempo. Salientaram também que métodos de investigação semelhantes não tinham identificado anteriormente um declínio demográfico tão massivo.

A dificuldade de extrair DNA dos poucos fósseis de ancestrais humanos que datam de há mais de algumas centenas de milhares de anos é uma das razões pelas quais é difícil estudar este período.

No entanto, graças ao progresso na sequenciação do genoma das pessoas modernas, os cientistas são agora capazes de analisar mutações genéticas nas populações modernas e, utilizando um modelo informático, estão a tentar tirar conclusões sobre como os assentamentos humanos mudaram mesmo em eras antigas.

Um novo estudo publicado na revista científica Science no início deste mês analisou os genomas de mais de 3.150 humanos modernos.

Uma equipe de investigadores da China desenvolveu um modelo matemático para estimar o tamanho da população, que sugeria que a população dos antepassados ​​dos humanos modernos diminuiu significativamente, restando apenas cerca de 1.280 pessoas há aproximadamente 930.000 anos.

De acordo com o último estudo, publicado na revista científica Science, cerca de 98,7% dos ancestrais humanos foram perdidos durante o período de gargalo, disse o coautor do estudo Haipeng Li, que trabalha no Instituto de Nutrição e Saúde de Xangai da Academia Chinesa de Ciências.

Ele opinou que “praticamente todos os nossos ancestrais estavam à beira da extinção e tiveram que cooperar para sobreviver”. Esta descoberta reforça a ideia de um gargalo na evolução humana, que o estudo descobriu ter durado até 813 mil anos atrás. Acredita-se que este período possa ter sido causado pelo resfriamento global.

Depois, como sugerem os cientistas, houve um boom populacional, possivelmente impulsionado pelas alterações climáticas e pelo domínio do fogo.

A endogamia durante esse gargalo poderia explicar a baixa diversidade genética em humanos em comparação com outras espécies. É importante ressaltar que o declínio populacional também pode ter contribuído para a separação dos neandertais, dos denisovanos e dos humanos modernos, que presumivelmente divergiram de um ancestral comum na mesma época, argumenta o estudo.

Isto também pode ajudar a explicar por que foram descobertos tão poucos fósseis de ancestrais humanos deste período.

No entanto, os arqueólogos observam que, apesar das afirmações do estudo, fósseis que datam dessa época foram descobertos em diferentes partes do mundo, como Quênia, Etiópia, Europa e China. Isto pode indicar que os nossos antepassados ​​eram mais dispersos do que a ideia do gargalo sugeria.

Nicholas Ashton, do Museu Britânico, escrevendo na revista Science, destacou que:

“A hipótese da catástrofe global não é consistente com os dados arqueológicos e fósseis dos ancestrais humanos.”

Em resposta, os autores do estudo observaram que os grupos de hominídeos que habitavam a Eurásia e o Leste Asiático naquela época podem não ter desempenhado um papel significativo no desenvolvimento dos humanos modernos. Eles acrescentaram que:

“uma pequena população antiga é o ancestral de toda a humanidade moderna e deixou vestígios em nosso DNA.”

Stefan Schiffels, chefe do grupo de genética populacional do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva da Alemanha, expressou extremo ceticismo quanto ao fato de os pesquisadores terem explicado a incerteza estatística associada a este tipo de análise.

Ele enfatizou que, em sua opinião, é extremamente improvável usar a análise genômica de pessoas modernas para obter um número tão preciso como 1.280 para nossos ancestrais. Ele também observou que tais estudos normalmente têm uma ampla gama de estimativas, tornando questionável um número tão restrito.

O professor Lee, em resposta a isso, afirma que a estimativa deles varia em apenas 30 indivíduos, variando de 1.270 a 1.300.

Schiffels também enfatizou que os dados utilizados no estudo existem há muitos anos e que métodos anteriores que utilizam esses dados para determinar o tamanho de populações antigas nunca detectaram eventos próximos à extinção em massa.

Os autores do estudo utilizaram um modelo baseado em alguns modelos anteriores para tentar recriar o período de estrangulamento, desta vez centrando-se no declínio populacional.

No entanto, o estudo levantou dúvidas entre os especialistas. Pontus Skoglund, do Instituto Francis Crick, da Grã-Bretanha, disse que as descobertas do estudo poderiam ter sido mais convincentes se a modelagem tivesse identificado o gargalo imediatamente.

Aylwin Scully, pesquisador em genética evolutiva humana na Universidade de Cambridge, disse que o consenso na comunidade de genética populacional é que as descobertas do artigo foram inconclusivas. Ele também observou que os dados genômicos atuais podem não ser suficientemente poderosos para tirar conclusões definitivas sobre eventos que aconteceram há tanto tempo.

Portanto, a questão de quão perto os nossos antepassados ​​estiveram da extinção permanece uma questão em aberto, e muitos especialistas acreditam que talvez nunca seremos capazes de responder com certeza.

Related Posts
A cultura humana está mudando rápido demais para que a evolução a acompanhe. E isso afeta a todos nós
fotos

As pesquisas mostram que muitos dos nossos problemas contemporâneos, como a prevalência crescente de problemas de saúde mental, estão surgindo do rápido avanço [...]

Os animais se automedicam com plantas – comportamento que as pessoas têm observado e imitado há milênios
fotos

Adrienne Mayor Quando um orangotango selvagem de Sumatra sofreu recentemente um ferimento facial, aparentemente após brigar com outro macho, ele [...]

A Rússia criou um gel para reparo ósseo
fotos

O primeiro gel bioassimilável do mundo para regeneração, que permite restaurar o tecido ósseo com 100% de compatibilidade e tratar, [...]

A gripe H5N1 pode ser a próxima pandemia?
fotos

Animais e seres humanos compartilham cerca de 300 doenças infecciosas, e novas doenças surgem todos os anos. De acordo com [...]

Matando o bem-estar algoritmicamente
Inteligência artificial

ALGUMAS das mais proeminentes startups de IA, empresas tecnológicas, seus executivos, investigadores e engenheiros querem fazer-nos acreditar que a inteligência [...]

‘Doença X’: o mundo deve se preparar para uma nova pandemia que pode matar 20 vezes mais que o coronavírus
fotos

A Organização Mundial da Saúde usa o termo “Doença X” para se referir a uma infecção com potencial para causar [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!