Cientistas calcularam quanto o cérebro das pessoas envelhece após uma grave covid

O estudo mostrou que deficiência mental em pacientes recuperados equivale a 20 anos de envelhecimento

cérebro-covid
A conclusão é decepcionante e, de fato, assustadora. Foto: Shutterstock

Quem já teve covid, mesmo de forma leve, costuma reclamar de “nevoeiro cerebral”, esquecimento, dificuldade de concentração e diminuição do desempenho. Todos esses são sinais de distúrbios cognitivos (mentais). E quanto o cérebro realmente sofre, mais precisamente, sua função cognitiva? Esta pergunta foi feita por pesquisadores da Universidade de Cambridge e do Imperial College London.

Os cientistas se concentraram em avaliar a condição de pessoas que tiveram uma forma grave de COVID-19. Por um lado, era mais fácil observá-los, envolvê-los no estudo, porque todos esses pacientes estavam internados. Por outro lado, os especialistas conseguiram estudar a ruptura do cérebro em uma situação em que o vírus atingiu seu máximo. Em outras palavras, dessa forma você pode entender como podem ser as consequências “mais terríveis” de uma infecção.

A conclusão é decepcionante e, de fato, assustadora. Com uma idade média daqueles que se recuperaram aos 51 anos, suas funções cognitivas estavam no nível de 70 anos. Ou seja, pode-se supor que o COVID-19 grave envelheceu o cérebro em cerca de 20 anos, concluíram os autores do trabalho científico.

As nuances do estudo são:

– Os pacientes foram convidados a fazer testes cognitivos computadorizados especiais. Estes são programas especiais que permitem determinar o estado da memória, atenção, pensamento;

– Também durante os testes, foram avaliados sinais de depressão, ansiedade, inquietação, transtorno de estresse pós-traumático.

Três causas de disfunção cerebral devido a covid

Hoje, no mundo científico e médico, existem três hipóteses principais sobre o que exatamente o cérebro sofre durante uma infecção por coronavírus:

1) hipóxia, ou seja, suprimento insuficiente de oxigênio devido a lesão pulmonar;

2) inflamação do endotélio, ou seja, o revestimento interno dos vasos sanguíneos no cérebro, em resposta à invasão do vírus. Isso pode levar ao aparecimento de pequenos coágulos sanguíneos, bloqueio dos vasos sanguíneos e desnutrição do cérebro;

3) danos autoimunes – devido ao SARS-CoV-2, o sistema imunológico humano literalmente começa a enlouquecer: aparecem os chamados autoanticorpos que “atacam suas próprias células”, ou seja, as células cerebrais.

Quais são os pontos fracos do novo estudo

– Em primeiro lugar, um pequeno número de pacientes foi utilizado para servir de base a avaliação na condição sobre a qual foi emitido o parecer. Havia 46 deles;

– em segundo lugar, um período relativamente curto após a recuperação. No momento do teste, em média, cerca de seis meses após a doença;

– Em terceiro lugar, não há dados sobre quais seriam os resultados dos testes se aqueles que estavam doentes tivessem passado antes do contágio com o coronavírus. Afinal, algumas dessas pessoas já podiam ter alguns distúrbios cerebrais ainda não diagnosticados…

Em uma palavra, a conclusão dos autores do novo trabalho científico ainda não parece ter a verdade última. Os próprios pacientes de Covid-19 costumam escrever nas redes sociais que, com o tempo, as habilidades mentais ainda são restauradas. Embora as consequências a longo prazo sejam imprevisíveis… Mas de qualquer forma, a medicina avança, e no futuro teremos melhores reposta.

Enquanto isso, os médicos aconselham aqueles que estiveram recuperando da doença a prestar mais atenção à atividade física moderada. Mesmo a caminhada mais simples ao ar livre melhora o suprimento de sangue para o cérebro, o que tem um efeito benéfico em seu funcionamento.

Fonte: kp.ru

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!