Cientistas descobrem uma nova mutação do coronavírus

coronavírus

Cientistas americanos descobriram mutações novas em SARS-CoV-2, um dos quais pode torná-lo mais infeccioso. Eles foram descritos em um estudo publicado no jornal mBIO .

Assim, durante a primeira onda de mutações pandêmicas D614G, que afetam a proteína S fixada em 71 por cento dos pacientes com COVID-19 em Houston. Na segunda onda da prevalência desta variante aumentou para 99,9 por cento, o que, de acordo com os especialistas, é típico da população mundial infectada.

Cientistas da Universidade do Texas estudaram várias variantes genéticas da proteína S do vírus para determinar sua estabilidade. Eles descobriram que o D614G não afeta a patogenicidade do vírus, mas apresentou sinais de seleção natural, o que indica uma maior aptidão do vírus. A este respeito, os pesquisadores concluíram que o D614G provavelmente aumenta a infectividade do SARS-CoV-2.

Além disso, experimentos de laboratório mostraram que pelo menos uma nova mutação permite que o vírus evite o anticorpo neutralizante que os humanos produzem naturalmente para combater as infecções por SARS-CoV-2. De acordo com especialistas, esse recurso pode permitir que uma variante do vírus engane o sistema imunológico.

No total, o estudo encontrou 285 mutações, mas a maioria delas não afeta significativamente a gravidade da doença e não demonstra a capacidade de evitar vacinas de primeira geração e anticorpos terapêuticos.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + 19 =