Combinação da Sputnik V com AstraZeneca protegerá da COVID-19 por 2 anos – diz cientista

As restrições devido ao coronavírus serão possivelmente suspensas em novembro de 2021, de acordo com o desenvolvedor do Sputnik V

combinação
© Donat Sorokin / TASS

A combinação da vacina russa Sputnik V e a da sueco-britânica AstraZeneca protegerá contra a infecção por coronavírus por dois anos, disse o diretor do Centro Nacional de Pesquisa Gamaleya para Epidemiologia e Microbiologia do Ministério da Saúde da Rússia, Alexander Gintsburg, em entrevista ao Canal de TV Russia-24 na segunda-feira.

“As células de memória se formarão muito melhor como resultado do uso de uma vacina híbrida de dois componentes. E a vacina, obviamente, protegerá um indivíduo inoculado não por 3-4 meses, mas por pelo menos dois anos”, disse ele.

Segundo ele, a combinação das vacinas também dará oportunidade de elevar o nível de imunidade que surgirá com o uso do preparado.

Anteriormente, o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), o Centro Nacional de Pesquisa Gamaleya, R-Pharm e AstraZeneca assinaram um memorando de cooperação na esfera de desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus.

Restrições devido ao coronavírus

As restrições devido ao coronavírus serão possivelmente suspensas em novembro de 2021, pensa Alexander Gintsburg. “Os livros didáticos de epidemiologia dizem: ‘Assim que vacinarmos 70% da população, o processo epidêmico se tornará controlável com o uso de uma vacina, a transmissão descontrolada desta cepa viral entre as pessoas irá parar.’ A partir deste momento, será possível viver com responsabilidade sem essas restrições epidemiológicas que hoje nos são impostas pela situação epidêmica. Espero que esta época em nosso país chegue em algum momento até novembro do próximo ano ”, afirmou. disse.

O cientista observou que é possível tirar tais conclusões com base nos volumes de produção da vacina russa.

Ele também enfatizou que é preciso que os moradores percebam que a única forma de se proteger da infecção é vacinando-se. “E todas essas alegações de que ‘não vai me afetar’ ou ‘terei uma forma leve e desenvolverei imunidade’ são simplesmente cientificamente infundadas”, acrescentou o pesquisador.

Fonte: Agência TASS

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 8 =