Como a Venezuela derrotou o golpe de Estado da direita?

O plano dos golpistas foi provocar um massacre na cidade de Caracas, usando metralhadoras de grande calibre, denunciou o presidente Nicolás Maduro

O presidente Nicolás Maduro disse que a Venezuela já enfrentou várias formas de agressão. | Foto: EFE

O Governo da Venezuela conteve a tentativa de golpe de Estado através de três ações, a primeira foi para combater a falsa informação, controlar os rebeldes militares com o uso mínimo de força e exortar as pessoas a apoiar o presidente Nicolás Maduro.

Desde o anúncio do líder da oposição parlamentar Juan Guaidó em redes sociais sobre o “início da fase final da Operação Liberdade”, diferentes ministros, funcionários do governo e líderes do legislativo, prontificaram a fornecer informações precisas e em tempo oportuno, a fim de silenciar o que se chama de “notícias falsas”.

Neste sentido, destacam os diferentes tweets ou declarações do ministro de Comunicação e Informação, Jorge Rodriguez, presidente da Assembléia Nacional Constituinte (ANC), Diosdado Cabello, ministro da Defesa, Vladimir Padrino López e o procurador Tarek William Saab.

O presidente Maduro também postou em sua conta oficial no Twitter uma condenação da tentativa de golpe, enquanto elementos do corpo de segurança foram enviados para reprimir o grupo de soldados rebeldes que estavam nas proximidades da base militar de La Carlota.

Jorge Rodríguez assinalou em uma mensagem que “nestes momentos estamos confrontando e desativando um pequeno grupo de militares traidores que se posicionaram no Distribuidor Altamira para promover um golpe de Estado contra a Constituição e a paz da República”.

Por sua parte, Diosdado Cabello insistiu que “contra o povo” não há poder. “O país está em absoluta tranquilidade, exceto o distribuidor Altamira, mas tudo vai ser controlado e eles serão tratados como líderes do golpe”, referindo-se aos militares que estão do lado de Guaidó.

Uso mínimo de força para controlar o punhado de rebeldes militares

Outra ação para reduzir o foco da tentativa de golpe foi a ordem de usar a força mínima para controlar o grupo de militares que se posicionaram no Distribuidor Altamira, no leste de Caracas.

A esse respeito, o presidente de Maduro ordenou que não houvesse combate militar na estrada de Altamira, mas que “eles tinham que limpar a rodovia e todos os envolvidos deveriam se render”, apesar do fato de que esse grupo possuía armas de alto calibre.

Horas antes, o ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino, relatou que os pseudo-líderes políticos que haviam se colocado à frente desse movimento subversivo haviam usado tropas e policiais com armas de guerra em uma via pública na cidade para criar ansiedade e terror. .

O distribuidor de Altamira da rodovia Francisco Fajardo, que se conecta com a base militar de La Carlota, foi palco do confronto entre os militares que apoiam Guaidó e autoridades das forças de segurança do governo venezuelano.

De acordo com Maduro, os amotinados tinha oito tanques, que depois foram recuperados e quatro metralhadoras de calibre 762. “Para enfrentar quem e atirar em quem, para matar quem?”, Disse ele.

As forças de segurança venezuelanas lançaram bombas de gás lacrimogêneo contra os soldados rebeldes que estavam entrincheirados na estrada de Altamira e ofereceram alguma resistência por algumas horas.

Maduro denunciou que a resposta dos rebeldes às bombas de gás lacrimogêneo foi um fogo cerrado, com armas de alto calibre, incluindo quatro metralhadoras AFAG de 7,62 milímetros com as quais eles também tentaram criar panico ao apontá-las para a rodovia.

Revolucionários vão as ruas

Ao mesmo tempo em que as forças armadas bolivarianas foram convocadas para combater o grupo de militares golpistas, as autoridades venezuelanas convocaram o povo para ir às ruas para apoiar o governo de Maduro.

Assim, o povo revolucionário se concentrou do lado de fora do palácio presidencial para defender o governo do presidente Nicolás Maduro e rejeitar o golpe.

Do Telesur

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + seis =