Como será o mundo após a operação especial da Rússia na Ucrânia

As tendências globais de hoje na evolução futura do mundo estão se desenvolvendo sob a influência de forças geopolíticas opostas

xadrez

Por Svetlana Taskaeva

Até 24 de fevereiro de 2022, a situação internacional em torno da Ucrânia poderia ser comparada figurativamente com a defesa posicional da Primeira Guerra Mundial. Ambos os lados – tanto a Rússia quanto o Ocidente – estavam se preparando para rompê-lo, para romper o impasse posicional. A única questão era quem daria o primeiro passo decisivo.

Muitos especialistas em relações internacionais relacionam o início das hostilidades com os fracassos da política de Moscou na direção ucraniana.

As tentativas de negociar com Kiev e convencê-lo a cumprir os acordos de Minsk não tiveram sucesso e, devido aos seus preparativos militares para tomar as Repúblicas Populares de Donetsk e Luhansk, novas negociações perderam o sentido.

A operação russa na Ucrânia é apenas uma parte visível do confronto geopolítico global entre Moscou e o Ocidente. A própria existência do Estado russo está em jogo. Mas os riscos das partes em conflito não são menores.

Consideramos necessário considerar não o Ocidente consolidado como o lado oposto à Rússia, mas os Estados Unidos e a Grã-Bretanha separadamente devido à diferença fundamental de seus interesses.

A posição da Rússia

Os objetivos da Rússia na Ucrânia são sua desmilitarização e desnazificação. A sua implementação só é possível após a transferência dos territórios libertados para um governo amigo independente do Ocidente, que ainda não foi possível formar.

O objetivo global da Rússia é muito mais ambicioso – o desmantelamento da ordem mundial unipolar estabelecida pelos Estados Unidos e seus aliados nas ruínas do sistema de relações internacionais de Yalta-Potsdam.

Na preparação para a operação militar especial, houve alguns erros de cálculo. Tanto o estado moral e psicológico das forças armadas quanto da população da Ucrânia, bem como as prováveis ​​consequências da pressão das sanções internacionais, permaneceram subestimados.

Possíveis riscos para a Rússia são:

  1. atrasar a duração da operação;
  2. uma diminuição no padrão de vida da população russa e o nível de apoio russo para a operação em andamento.

Posição da Ucrânia

Ao avaliar a posição da Ucrânia, é preciso entender a falta de subjetividade política nela já no momento do início da operação. Portanto, os interesses das autoridades de Kiev – Zelensky e seu círculo íntimo – vêm de sua compreensão da inevitável derrota militar.

Assim, os objetivos das autoridades de Kiev são:

  • internacionalização das hostilidades, atraindo para elas cidadãos de países da OTAN e da UE;
  • prolongar o conflito militar, dando-lhe o caráter de resistência popular, guerrilha, sabotagem e ações terroristas;
  • recebendo dos EUA e da UE garantias de segurança e uma vida digna para os membros individuais da elite europeia após o fim da fase ativa do conflito.

Os erros de cálculo de Kiev incluem sua aposta errônea na participação de representantes dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e União Européia nas hostilidades e a reavaliação de suas capacidades operacionais e táticas de defesa.

Dados os estreitos interesses locais da liderança de Kiev, o principal risco para ela é a falta de confiabilidade dos parceiros americanos e europeus em garantir sua segurança e uma vida decente no exílio.

Posição dos EUA e do Reino Unido

Os objetivos dos anglo-saxões na Ucrânia são prolongar as hostilidades e infligir o máximo de dano possível aos agrupamentos de tropas russas.

Seus objetivos globais são:

  • restauração de uma ordem mundial unipolar baseada na dominação política e econômica anglo-saxônica;
  • privar a Alemanha e a França da liderança na Europa;
  • a destruição do Estado russo desestabilizando a situação política interna na Rússia e desencadeando uma guerra civil.

Os erros de cálculo dos EUA e do Reino Unido foram:

  • aposta errada na elite financeira e econômica russa,
  • capacidades táticas operacionais subestimadas da Rússia
  • e previsões errôneas de abastecimento de petróleo (em particular, as posições do Irã, Venezuela e Arábia Saudita).

Desses erros de cálculo vêm as prováveis ​​consequências negativas:

  1. um aumento acentuado dos preços da energia e dos alimentos;
  2. enfraquecendo a influência dos EUA sobre aliados na Europa e na Ásia;
  3. o crescimento da tensão social (mais relevante para os Estados Unidos, onde foram criadas as condições para a derrota catastrófica dos democratas nas eleições de novembro);
  4. fortalecimento das contradições políticas e sociais internas nos Estados Unidos até a guerra civil.

Posição da Europa

Não existe uma posição europeia consolidada sobre a situação na Ucrânia. Os objetivos dos estados europeus estão desunidos.

As elites da Alemanha e da França estão usando o conflito na Ucrânia para melhorar suas classificações e obter vantagens eleitorais.

A Polônia procura estabelecer seu protetorado sobre as regiões de Lviv, Ivano-Frankivsk e Ternopil, Hungria – sobre a região Transcarpática e Romênia – sobre parte do território da região de Odessa.

Os erros de cálculo dos europeus incluem

  • subestimação do potencial militar russo,
  • e deturpação das consequências econômicas e humanitárias do conflito.

Independentemente do resultado do conflito na Ucrânia, a UE é a parte mais vulnerável às suas consequências. Esses incluem:

  • um aumento acentuado dos preços da energia e dos alimentos;
  • a crise migratória devido ao afluxo de refugiados e o agravamento da situação de criminalidade por ele causado;
  • crescimento da tensão social;
  • a mudança de elites dirigentes em vários países europeus devido à insatisfação da população com suas atividades;
  • intensificação das contradições entre os estados membros da União Europeia;
  • retirada da UE de alguns países membros que discordam de uma única política de sanções e migração.

Conclusões gerais

  1. Os EUA e o Reino Unido continuarão a apoiar consistentemente o “caos administrado” nos estados da Eurásia.
  2. O território mais provável para o próximo conflito militar é a zona do Estreito de Taiwan. Não descartamos confrontos fronteiriços entre Índia e China e Paquistão.
  3. Nos próximos meses, o confronto entre a Rússia e o Ocidente assumirá o caráter de uma guerra política e econômica posicional. Quem desistir primeiro vai perder.

Nossas estimativas da situação são geralmente otimistas.

O futuro da Rússia promete ser difícil, mas não fatal.

Um cenário “revolucionário” na Rússia é extremamente improvável. A população e os negócios da Europa capitularão primeiro: um forte aumento dos preços dos alimentos e da energia os forçará a fazer concessões em troca, e as empresas que suspenderam seus negócios em nosso país retornarão ao seu mercado. A menos, é claro, que o nicho desocupado não seja ocupado por outros.

Ao mesmo tempo, é necessário entender que, para atingir as metas estabelecidas, a Rússia precisa não apenas concluir com sucesso a operação na Ucrânia, mas também trabalhar nos erros em questões de política doméstica, migração e apoio a compatriotas no exterior .

A política externa de Moscou para os estados do espaço pós-soviético merece uma revisão radical.

Só então a Rússia será capaz de transformar a vitória militar em sucesso político e ocupar seu lugar de direito no mundo internacional do futuro.

Fonte: pravda.ru

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!