Cortina de Fumaça: 72% dos focos de incêndio na Amazônia foram em propriedades médias e latifúndios; veja como Bolsonaro mentiu

Amazônia

Por Letícia Klein, Thiago Medaglia, Flavio Forner e Laura Kurtzberg

Os incêndios acontecem praticamente, nos mesmos lugares, no entorno leste da Floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas. Jair Bolsonaro, mentindo às Nações Unidas

Uma análise detalhada dos dados de fogo e desmatamento na Amazônia revela a intrínseca relação entre os dois fenômenos nos últimos dois anos

De janeiro a dezembro de 2019, foram 89 mil focos de calor na Amazônia, 30% a mais do que no ano anterior e o índice mais alto da década para o mês de agosto, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

No mesmo período, o desmatamento também aumentou.

O Sistema Prodes, do Inpe, registra o corte de mais de dez mil quilômetros quadrados de floresta entre agosto de 2018 e julho de 2019, quase o dobro do registrado nos 12 meses anteriores.

O Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia (Ipam) aponta: as queimadas associadas ao desmatamento recente respondem por 34% do número de focos de calor por tipo de fogo no bioma Amazônia em 2019.

“No processo do desmatamento, o fogo é a etapa final”, complementa a bióloga Erika Berenguer, da Universidade de Lancaster.

Os quatro municípios que mais desmataram em 2019 também encabeçam a lista dos que tiveram mais focos de calor: Altamira e São Félix do Xingu, no Pará; Porto Velho, em Rondônia; e Lábrea, no Amazonas, mesmo estado de Apuí, que também aparece nas duas listas, como sexto (focos de calor) e sétimo (desmatamento).

A análise dos dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR) nos quatro municípios líderes em fogo e desmatamento em 2019 mostra que 72% dos focos de calor foram registrados em propriedades de médio e grande porte (acima de 440 hectares) e o restante em imóveis rurais pequenos (abaixo de 440 hectares).

A mesma correlação aparece em 2020.

O monitoramento dos satélites do Inpe mostra que os alertas de desmatamento do Sistema Deter aumentaram 34% nos últimos 12 meses.

Uma nova ferramenta de mapeamento de queimadas desenvolvida pela Nasa aponta que 54% dos focos de fogo este ano têm origem no desmatamento.

Fonte: Viomundo

Related Posts
“A justiça ainda não foi feita”, diz viúva do músico Evaldo Rosa
fotos

Julgamento de militares que assassinaram músico com tiros de fuzil no Rio de Janeiro será realizado nesta quinta no STM

Multas por desmatamento na Amazônia caem 90% em janeiro com protesto de fiscais do Ibama
fotos

Após um ano de intensa fiscalização, que teve como resultado mais visível a queda de 50% nos alertas de desmatamento [...]

Quais são as organizações que promovem “terapias” de conversão sexual no Brasil
fotos

Filho e neto de pastores, Betuel, 23 anos, foi coagido a participar de cultos de libertação da Igreja Quadrangular quando [...]

No Brasil, falta de auditores fiscais dificulta combate ao trabalho escravo
fotos

De janeiro até o último dia 21, os auditores fiscais do trabalho resgataram 2.847 pessoas exploradas em condição análoga à [...]

Onda de calor: Brasil já passa mais de 50 dias ao ano sob altas temperaturas
fotos

Ocorrência do evento extremo aumentou em 6 décadas; entre 1961 e 1990 não passavam de 7 os dias com ondas [...]

Em 6 anos, o limite seguro para o aquecimento global será ultrapassado
queimadas

De acordo com um novo estudo, as emissões globais de carbono excederão os limites de segurança até 2030, o que [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!