COVID-19 afeta o cérebro e os nervos da metade de pacientes graves

O neurologista Bo Hu, da Universidade de Ciência e Tecnologia Huazhong e equipe analisaram 214 pacientes com COVID-19 de Wuhan, cidade chinesa onde o surto surgiu, entre meados de janeiro e fevereiro

cérebro

Todos os pacientes foram tratados em um dos três centros de cuidados especiais dedicados no Hospital Union da universidade.

Os especialistas classificaram os sintomas neurológicos em uma das três categorias, a primeira das quais foram manifestações do sistema nervoso central – incluindo tontura, dor de cabeça, consciência prejudicada, doença cerebrovascular aguda, ataxia e convulsão.

As demais categorias foram manifestações do sistema nervoso periférico (comprometimento do paladar, comprometimento do olfato, comprometimento da visão e dor no nervo) e manifestações de lesão muscular esquelética.

“No geral, 78 pacientes (36,4%) tiveram manifestações neurológicas”, escreveram os pesquisadores em seu artigo.

“Comparados com pacientes com infecção não grave, os pacientes com infecção grave eram mais velhos, tinham mais distúrbios subjacentes, especialmente hipertensão, e apresentavam menos sintomas típicos do COVID-19, como febre e tosse”, acrescentaram.

‘Pacientes com infecção mais grave apresentaram manifestações neurológicas, como doenças cerebrovasculares agudas (5 vs 1), consciência prejudicada (13 vs 3) e lesão muscular esquelética (17 vs 6).’

“Durante o período epidêmico do COVID-19, ao atender pacientes com manifestações neurológicas, os médicos devem suspeitar de infecção grave por coronavírus 2 com síndrome respiratória aguda como diagnóstico diferencial”, disseram os pesquisadores.

Eles acrescentaram que isso evitará atrasos no diagnóstico ou erro de diagnóstico e perderá a chance de tratar [os pacientes] e impedir a transmissão adicional. ‘

“As observações de complicações neurológicas em um subconjunto de pacientes positivos para COVID-19 são dignas de nota, mas não devem desviar o foco da patologia principal do desconforto respiratório”, comentou o virologista Ian Jones, da Universidade de Reading.

“Quase metade dos pacientes descritos aqui tinha problemas de saúde subjacentes e não há dados diretos sobre a presença de vírus em locais neurológicos”. 

A viremia, a presença de vírus na corrente sanguínea, de onde ele pode acessar o tecido neuronal, foi descrita para a SARS, mas não em todos os pacientes e, em seguida, apenas de forma transitória. Isso acontece, mas geralmente não é o que os coronavírus fazem.

“No momento, as complicações neurológicas podem ser melhor consideradas uma conseqüência da gravidade da doença do COVID-19 do que uma nova preocupação distinta.” 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + 2 =