Departamento de Justiça indicia Trump por reter planos militares ultrassecretos

trump-indiciado

A acusação criminal federal de 38 acusações de Trump marca um estágio novo e sem precedentes na crise do sistema político dos EUA. Em um momento crítico na escalada da guerra EUA/OTAN contra a Rússia, faltando apenas sete meses para as primárias republicanas, um conflito explosivo entre as duas principais facções da classe dominante veio à tona.

Pela primeira vez na história dos EUA, o Departamento de Justiça está acusando um ex-presidente de violar a lei federal. Mesmo em 1974, no auge do Watergate, Gerald Ford sacrificou sua reputação política e eventualmente sua presidência ao perdoar Nixon para evitar um julgamento que a classe dominante temia que pudesse minar o sistema político e enfraquecer a posição do imperialismo dos EUA no mundo.

Ao contrário de outros casos em andamento contra Trump com base em sua indecência sexual, essa acusação terá consequências muito mais significativas.

A promotoria alega que Trump usurpou poderes básicos do governo ao não devolver documentos militares ultrassecretos relacionados aos planos militares dos EUA, na esperança de usá-los para ganho pessoal. A promotoria detalha como Trump e seus associados roubaram documentos militares ultrassecretos que ele recebeu quando era presidente e os esconderam em sua mansão em Mar-a-Lago, Flórida. Os acusadores citam gravações de áudio e mensagens de texto nas quais Trump e seus funcionários praticamente admitem saber da ilegalidade de suas ações.

Detalhes desse tipo na denúncia mostram que parte do aparato do Estado decidiu que chegou a hora de tirar Trump da política de uma vez por todas.

Trump é acusado de 38 acusações de atos criminosos, incluindo 31 violações da Lei Antiespionagem, cada uma das quais acarreta uma sentença máxima de dez anos, por “reunir, transmitir ou perder informações de defesa”. As acusações restantes alegam que Trump e seu lacaio, Valtine Nauta, conspiraram, mentiram e se recusaram a fornecer informações durante uma investigação federal sobre a posse de documentos confidenciais. Para cada acusação de conspiração, a pena máxima é de 20 anos.

Não há um lado “democrático” neste caso. O político imperialista Trump não é vítima nem adversário da máquina de guerra, e o Partido Democrata só está enfrentando Trump da posição mais direitista possível: a guerra contra a Rússia.

A acusação não diz respeito à violação dos direitos democráticos por Trump ou sua tentativa de violar a constituição durante o golpe fracassado de 6 de janeiro de 2021. A Lei Antiespionagem de 1917 é a arma mais poderosa do imperialismo dos EUA na proteção de seus segredos, inclusive contra Manning e Assange.

Em uma breve declaração à mídia, o procurador especial Jack Smith enfatizou a natureza reacionária da acusação: “Os homens e mulheres da inteligência e das forças armadas dedicaram suas vidas a defender nosso país e seu povo”, disse ele. “Nossas leis que protegem a defesa nacional e suas informações são vitais para proteger a segurança dos Estados Unidos e devem ser aplicadas. A violação dessas leis significa risco para o nosso país”.

Em linha com a estratégia de longo prazo do Partido Democrata contra Trump, a acusação se baseia apenas em defender os privilégios do aparato de espionagem militar e retratar Trump como um obstáculo para alcançar os objetivos da política imperialista dos EUA, quando na verdade ele é nada menos que um imperialista cínico do que seus oponentes democratas, e a diferença entre eles apenas tática.

Mas essa divisão cruel entre as facções da classe dominante traz à tona informações que antes eram escondidas das massas.

Por exemplo, a promotoria lista os tópicos de documentos que Trump não devolveu e guardou em caixas que o FBI apreendeu de sua mansão em Mar-a-Lago durante a operação de 8 de agosto de 2022:

“Documentos secretos incluíam informações sobre a defesa e as armas dos Estados Unidos e de outros países; programas nucleares dos EUA; a possível vulnerabilidade dos EUA e seus aliados a um ataque militar; planos para uma possível vingança em resposta a um ataque de outro país. A liberação não autorizada desses documentos classificados põe em risco a segurança nacional dos EUA.”

Esses detalhes não deixam dúvidas de que o governo dos EUA foi longe no planejamento de uma guerra mundial, incluindo armas nucleares estratégicas. Nas costas da população, em salas não abertas ao público, e com pouca ou nenhuma pergunta da mídia burguesa, os militares e espiões estão realizando simulações de guerra nuclear e contando as possíveis baixas das várias guerras planejadas pelo imperialismo dos EUA em uma luta desesperada pelo domínio do mundo. Essas informações são “altamente secretas” porque a principal condição para o sucesso desses planos militares é mantê-los em segredo da população. Como Trump decidiu que valia a pena manter tais documentos, eles eram importantes para suas próprias intrigas.

Entre os documentos ultrassecretos que Trump é acusado de não ter devolvido estão documentos contendo: “capacidades militares de outros países e dos EUA”, “capacidades nucleares de outros países”, “ataques militares de outros países”, “planejamento de contingência militar dos EUA”, “estimativa regional capacidades militares de outro país e dos EUA”, “opções militares de outro país e possíveis consequências para os interesses dos EUA” e “armas nucleares dos EUA”.

A acusação refere-se a uma discussão no topo dos ataques a vários países listados como “país A”, “país B”, etc. A gravação de áudio de julho de 2021 contém uma conversa na casa de Trump em Bedminster, NJ, sobre uma disputa entre Trump e os principais generais, incluindo o chefe do Estado-Maior Milley, que acusou Trump de ir à guerra contra o Irã para permanecer no poder. Nesta fita, Trump afirma que tem “planos ultrassecretos dos EUA para atacar” o Irã (“País A”). A acusação cita:

“Bem, quando Milley, deixe-me contar como um exemplo. Ele disse que eu queria atacar o país A. Isso não é incrível? Eu tenho um monte de papéis, este acabou de aparecer. Olhar. Este é ele (Milley). Eles me mostraram isso – não é oficial, mas – eles me mostraram isso. Era ele. Era o Departamento de Defesa, e ele… Olha. Você ataca e…”

A promotoria descreve o documento com os planos de guerra contra o “País B”, explicando: “Em agosto ou setembro de 2021, quando ele não era mais presidente, Trump se reuniu em seu escritório no Bedminster Club com um representante do comitê em seu apoio ao a eleição. Durante esta reunião, Trump observou que a operação militar contra o país B não estava indo bem. Trump mostrou a ele um mapa secreto do país B e disse a ele que não deveria ter mostrado aquele mapa a um representante do comitê para apoiar a eleição.”

Quantos mais desses planos de guerra foram elaborados pelas costas da população? Que outras informações estão escondidas dos olhos da classe trabalhadora sob o título “ultra-secreto”? Vale a pena notar que Trump é acusado pelo mesmo artigo de Jack Teixeira, um oficial de inteligência da Guarda Nacional que foi preso por publicar documentos sobre a preparação e condução da guerra dos EUA na Ucrânia.

Trump respondeu acusando o governo Biden, dizendo “isso é guerra” e “nosso país está indo para o inferno”. Ele se dirigiu a apoiadores militares, dizendo que quando era presidente “tínhamos um exército forte, não Deus sabe o quê” e convocou os milhões que votaram nele para defendê-lo.

Dois anos e meio depois de tentar violar a constituição, Trump continua sendo o principal candidato do Partido Republicano, e os republicanos condenaram quase unanimemente a acusação de Trump. Independentemente do desenvolvimento deste caso, a acusação causará um aumento significativo na crise política interna e o maior movimento do Partido Republicano em direção abertamente ao fascismo.

Por sua vez, o Partido Democrata está tentando estabilizar o poder da burguesia tentando forjar um acordo bipartidário com o Partido Republicano baseado nos interesses comuns da classe dominante, incluindo cortes drásticos nos gastos com programas sociais, como na decisão sobre o teto da dívida nacional. Ao mesmo tempo, eles estão tentando garantir a coisa mais importante para o governo Biden – a guerra dos EUA/OTAN contra a Rússia.

A acusação de Trump é um indicador e um acelerador da crise política da máquina de poder de classe nos Estados Unidos. Além disso, dado o papel dos Estados Unidos no capitalismo mundial, isso terá consequências para o mundo inteiro.

(c) Eric London

Fonte: https://www.wsws.org/en/articles/2023/06/10/pxrz-j10.html

Related Posts
A UE no fio da navalha
fotos

E segue-o sem honra nem glória num inevitável declínio da economia à cultura. Nem algo diferente era de esperar. Aquilo [...]

Postura Hipócrita sobre a Guerra de Gaza
fotos

Os Estados Unidos vetaram mais uma resolução no Conselho de Segurança das Nações Unidas que pedia um cessar-fogo imediato em [...]

O Eixo da Assimetria assume a ‘ordem baseada em regras’
fotos

A Terceira Guerra Mundial está aqui, desenrolando-se de forma assimétrica em campos de batalha militares, financeiros e institucionais, e a [...]

Vídeo do canal turco TRTWORLD: Como Israel bombardeia áreas povoadas
fotos

Vídeo de um canal turco mostra como as forças israelense exterminam sistematicamente o povo palastino. Não há onde se esconder, [...]

Ele lutou pela nossa liberdade. As audiências finais sobre a extradição de Julian Assange para os EUA foram concluídas
fotos

O Supremo Tribunal de Londres concluiu as audiências sobre o apelo do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 52 anos, [...]

Scholz e Lackeys cavam sepultura para a Alemanha
fotos

A imagem que mostra o Chanceler Olaf Scholz com uma pá na mão a cavar alegremente a terra diz muito [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!