Dez mitos sobre a América, em que todos acreditam

A história dos Estados Unidos não pode ser chamada de longa, mas está repleta de personagens míticas e fatos impressionantes. Os patriotas deste país enchem suas páginas de crônica com lendas sobre as façanhas de seus predecessores. Não sem mitos. A neblina mítica é coberta de histórias com a bandeira americana, com o símbolo da águia da nação e muitos outros.

fotos

Paul Revere, herói da revolução americana

Paul Revere, galopando a cavalo gritando “Os ingleses estão chegando!” – uma das cenas mais emblemáticas da guerra da independência. Por quase 250 anos, Revere foi considerado um dos maiores patriotas de seu país. No entanto, esses eventos têm pouco a ver com a realidade. A imagem de Paul Revere é encontrada a cavalo, em geral, apenas em um poema de Henry Wadsworth Longfellow, que o escreveu 85 anos depois da cena. Como Logfello era um poeta, não um historiador, ele se permitia algumas liberdades para pintar o mais heroicamente possível.

Betsy Ross e a bandeira americana

A lenda de como Betsy Ross surgiu com a primeira bandeira americana é muito popular hoje, principalmente por causa do significado do próprio símbolo. Mas a verdade é que nem uma única evidência histórica de que Ross ou qualquer outra pessoa foi o autor do projeto da bandeira com 13 estrelas dispostas em um círculo existe. Sim, e a própria Ross nunca atribuiu a si mesma esse mérito. Segundo Betsy, sua contribuição foi que ela se ofereceu para representar estrelas de cinco pontas, ao invés de seis pontas, porque era mais fácil desenhá-las.

O fato de que foi Ross quem criou a bandeira foi contada por seu neto William Canby 35 anos após a morte de sua avó. Canby observou que esta é uma verdadeira lenda familiar. A narrativa segundo Canby foi assim: uma vez o próprio George Washington entrou na loja de Betsy, e ela o surpreendeu muito mostrando como era mais fácil retratar uma estrela de cinco pontas comparada a uma de seis pontas.

Sem pensar duas vezes, Washington instruiu Betsy a desenhar a bandeira. A história é certamente tocante, mas Canby foi incapaz de fornecer provas em apoio de uma lenda familiar. No entanto, isso não o impediu de expressá-lo durante a celebração do aniversário, o centésimo Dia da Independência, após o qual a história de um dos primeiros patriotas da América recebeu ampla publicidade.

Benjamin Franklin e o pássaro símbolo nacional

Um grande selo estadunidense com uma águia careca no centro foi aprovado em 1782. No entanto, os rumores de que Benjamin Franklin realmente queria que o peru selvagem estivesse na estampa é contada até nos dias atuais. E nesta história há alguma verdade. Franklin acreditava que o pássaro no esboço de impressão parecia mais um peru do que uma águia.

E ele não tinha nenhuma simpatia pela águia careca por causa de suas “baixas qualidades morais” – este pássaro se alimenta levando comida de outros. O peru, de acordo com Franklin, é uma ave muito mais ousada e respeitada, embora aparentemente estúpida. Franklin escreveu sobre tudo isso em uma carta para sua filha, então essa versão nunca foi oficialmente reconhecida.

Chapéu de cowboy

O vaqueiro é um dos principais símbolos da cultura americana, mas isso não significa que sua imagem seja imaculada. Os famosos chapéus Stetson pareciam ser usados ​​por qualquer caubói do Velho Oeste, sem exceção. Na realidade, tal estilo apareceu apenas em 1865, e a popularidade veio a ele ainda mais tarde, no final do século XIX. Antes disso, os caubóis, via de regra, usavam algo como um chapéu-coco. Os sombreros também eram muito estimados, mas os verdadeiros senhores preferiam as cartolas.

“Houston, nós temos problemas”

Uma das citações mais famosas da história do cinema, na verdade, no original soou um pouco diferente – “Houston, tivemos problemas”. Esta frase ficou famosa graças ao filme “Apollo 13”, onde foi proferido pelo comandante James Lovell interpretado por Tom Hanks. Na verdade, originalmente pertencia ao piloto de segurança Jack Suigert, interpretado por Kevin Bacon.

Guerra dos Mundos

Quase todos os americanos ouviram a história de como um dia o apresentador de rádio Orson Welles narrou em um programa de rádio uma estória baseado no tema da guerra dos mundos por HG Wells. Alegadamente, muitos então pensaram que tudo estava realmente acontecendo e o planeta estava sendo invadido, após o que o pânico começou. No entanto, nesta história, há apenas alguma verdade. Algumas pessoas realmente consideraram a narrativa de Orson como verdadeiro, mas a escala do pânico foi muito exagerada – principalmente porque muitas pessoas não ouviram o programa, relata o News Forage.

O público na estação de rádio era pequeno, além do show ser transmitido em paralelo com programas muito mais populares. Além disso, várias afiliadas da CBS decidiram substituir a encenação por outra, e o restante durante cada intervalo comercial lembrou a todos que toda a história era fictícia.

Em outras palavras, um número relativamente pequeno de pessoas foi enganado, mas esse evento ainda recebeu muita publicidade, e o mito do pânico em massa ainda está vivo hoje. Por que graças aos jornais, naquela época, a competição entre o velho e o novo, jornais e rádio era muito alta, e os jornalistas não podiam perder a oportunidade de colocar o rádio sob uma situação ruim – eles diziam, isso é entretenimento estúpido e, além disso, é perigoso.

Suicídios de Wall Street

Diz-se que o crash de 1928 acabou por ser tão severo que muitos banqueiros, corretores e outros trabalhadores financeiros ficaram completamente sem meios de subsistência. Empregadores desesperados não chegaram a nada melhor do que como começar a se jogar para fora das janelas em massa. Isso é parcialmente verdade, mas apenas parcialmente.

O número de suicídios em Nova York durante vários meses após o colapso financeiro aumentou ligeiramente, mas essa é uma reação pública comum a uma tragédia em particular. Algumas figuras financeiras proeminentes da época também acabaram com elas mesmas, mas escolheram um caminho diferente do que se atirarem para fora da janela. No total, após o colapso do mercado, apenas duas pessoas cometeram suicídio exatamente da maneira que o mito diz.

Assinando a Declaração da Independência

Todos os anos, no dia 4 de julho, os americanos celebram o Dia da Independência – exatamente naquele dia os fundadores assinaram a declaração correspondente. Mas na política, nada é feito em um dia, 04 de julho de 1776 é a data da ratificação do pedido. O processo começou em 1º de julho no Segundo Congresso Continental na Filadélfia.

Os próximos dias foram gastos na revisão da declaração original escrita por Thomas Jefferson. E eles assinaram a declaração apenas em 2 de agosto, mas nem isso todos! Cinco delegados assinaram mais tarde, e dois não assinaram nada.

Roupa de Peregrino

Peça a qualquer pessoa que descreva o peregrino, e ele provavelmente mencionará roupas pretas ou brancas simples, um cinto com uma fivela e um grande chapéu. Então, essa é a impressão que a maioria dos americanos imagina da aparência dos peregrinos. De fato, o gosto dos peregrinos era melhor – os peregrinos que vieram da Inglaterra usavam roupas da época elisabetana, a moda da época. Os peregrinos adoravam vestidos brilhantes, pois, indo ao Novo Mundo, levavam corantes para tecidos. Eles não usavam fivelas – era um acessório bastante caro, usavam fitas simples que eram mais baratas e mais acessíveis.

Abbey Doubleday e beisebol

Esse senhor é considerado o inventor de um jogo, o beisebol, embora haja poucas evidências – se é que existe alguma. No entanto, como é o caso de Betsy Ross, esta é uma história doce que todos preferem à verdade. Quando o beisebol começou a ganhar popularidade, uma comissão especial montou uma investigação para descobrir as origens desse jogo.

Um membro da comissão, Albert Spalding, estava extremamente infeliz com o fato de o beisebol ser considerado uma variação da já conhecida lapta (esporte medieval inventado na Rússia). Spaulding procurou garantir que o beisebol, um jogo favorito de muitos, fosse considerado cem por cento americano, e a história da Doubleday se encaixava melhor. E assim a versão oficial apareceu: o beisebol foi inventado por um general, um participante da Guerra Civil, quando criança, quando morava em uma pequena cidade no estado de Nova York. Não é lindo?

Fonte: Pravda

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!