Efeito dominó: devido aos preços mais altos do gás na Europa, siderúrgicas e fábricas de papel começaram a parar

A crise energética se transforma em uma crise industrial

gás
O mercado global de energia não acompanhou ao otimismo dos políticos ocidentais e reagiu com o aumento dos preços do gás. Foto: REUTERS

O primeiro pacote de sanções da UE contra a Rússia após o início da operação especial militar foi preparado de forma a garantir ao máximo os estados europeus. Isto foi afirmado pelo chefe do Conselho Europeu, Charles Michel.

No entanto, o mercado mundial de energia não acompanhou ao otimismo dos políticos ocidentais e reagiu com o aumento dos preços do gás e do petróleo. E a crescente pressão de sanções sobre Moscou prometida por Bruxelas ameaça se transformar não apenas em uma crise de energia, mas também em uma crise de fome para a Europa. Os preços do gás no atacado já aumentaram de 7 a 10 vezes em relação ao ano passado. Hoje, mil metros cúbicos de combustível azul são comercializados na faixa de 1200-1300 dólares. Veja quais empresas já estão fechando devido aos altos preços da energia:

PRODUÇÃO QUÍMICA

O maior produtor mundial de cianeto de sódio, material para a extração de ouro e prata, anunciou a suspensão temporária da produção, escreve o Financial Times. A direção da empresa tcheca Draslovka disse que a produção do produto químico usado para extrair metais preciosos do minério se tornou não lucrativa. Os preços do gás na região são 12 vezes mais altos do que nos EUA. A empresa responde por 15% de sua capacidade de produção na região.

Os preços do cianeto nos mercados mundiais aumentaram 25-30%. Mas os custos da empresa com matérias-primas – amônia e soda cáustica – e energia no ano passado aumentaram 270%.

FERTILIZANTES

Recentemente, várias empresas europeias anunciaram a suspensão da produção, principalmente as produtoras de fertilizantes. A fabricante norueguesa Yara reduziu a produção de amônia e ureia em fábricas na Itália e na França. A empresa húngara Nitrogenmuvex também interrompeu temporariamente a produção, assim como a empresa química austríaca Borealis AG, observa a Bloomberg .

O gás natural é utilizado como matéria-prima para fertilizantes nitrogenados, que respondem por cerca de 80% dos custos do produtor.

“As empresas não podem correr o risco de produzir fertilizantes aos preços atuais do gás e enviá-los aos armazéns para venda posterior, é muito arriscado”, disse Lukas Pastersky, porta-voz da associação europeia de produtores de fertilizantes Fertilizers Europe.

Quase todas as culturas agrícolas dependem de potássio e nitrogênio. A redução da sua produção na Europa, como preveem os analistas, cria riscos para o crescimento futuro dos preços dos alimentos.

MOINHOS DE PAPEL

O aumento dos preços da energia atingiu os produtores de papel. O grupo italiano de embalagens Pro-Gest fechou seis fábricas de papel. A empresa disse que o preço de venda de uma tonelada de papel é menor do que o custo da energia necessária para produzi-lo. Uma decisão semelhante foi tomada pela norueguesa Norske Skog ASA.

SIDERÚRGICAS

No norte da Itália, várias siderúrgicas também anunciaram uma paralisação temporária da produção. Eles prometeram retomar o trabalho após a queda nos preços da energia. Aproximadamente 1.500 funcionários podem ser temporariamente afastados. A mesma situação ocorre nas siderúrgicas da Espanha, observa a Reuters . As fábricas de inox Acerinox, Megasa e Siderurgica Balboa estão temporariamente fechadas. Outras siderúrgicas (por exemplo, Celsa e ArcelorMittal) trabalham apenas algumas horas por dia. A usina Liberty Steel no Reino Unido também está falando sobre a intenção de pausar a produção.

CRISE DE FOME?

A mídia francesa está preparando uma lista de produtos básicos que podem subir de preço nos próximos meses. Embora a própria França seja o maior fornecedor mundial de trigo, não poderá evitar o aumento dos preços da farinha e dos grãos se eles subirem na bolsa de Chicago. Consequentemente, os preços do pão e da confeitaria vão subir. Dominique Anraqt, presidente da associação francesa de confeiteiros, disse que uma tonelada de trigo custou “inauditos 400 euros” nos últimos dias.

– Até agora, não notamos um impacto real no preço da farinha, pois os moinhos de farinha estão segurados pelos próximos 3-6 meses. Eles já estocaram trigo, que compraram a um preço razoável. No entanto, se permanecermos no patamar de 400 euros por tonelada no longo prazo, podemos ver um aumento no preço da farinha em cerca de 30%, acrescenta Anrakt.

Os produtores de carne suína serão os próximos a serem atingidos. O preço do presunto, enchidos e carne de porco subirá 30%.

“Suas margens já eram baixas, mas com os combates na Ucrânia eles vão à falência se não conseguirem ajuda”, disse Cedric Henry, presidente da Federação Departamental de Sindicatos de Agricultores da França.

Aguardando o aumento dos preços dos ovos e frango. As granjas avícolas, que são altamente dependentes de energia e grãos, serão obrigadas a aumentar o custo de seus produtos. As fazendas de laticínios tomarão medidas semelhantes – terão que aumentar os preços do leite, creme e manteiga.

Fonte: kp.ru

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!