Ele lutou pela nossa liberdade. As audiências finais sobre a extradição de Julian Assange para os EUA foram concluídas

O Supremo Tribunal de Londres concluiu as audiências sobre o apelo do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 52 anos, contra a decisão das autoridades britânicas de extraditá-lo para os Estados Unidos, onde pode pegar 175 anos de prisão

fotos
©AP/Kin Cheung

A administração Barack Obama estava prestes a iniciar o processo criminal de Julian Assange, cuja reputação sofreu devido às publicações do Wikileaks sobre os crimes de guerra dos EUA no Iraque e no Afeganistão. Mas em 2013, o Departamento de Justiça dos EUA decidiu não fazer isto devido “ao precedente para processar jornalistas”.

A decisão foi revista após a vitória de Trump, embora não tenham surgido novas informações sobre o caso.

A acusação de conspiração antiamericana ao abrigo de um artigo de espionagem que nunca foi apresentado contra jornalistas, em vez de uma acusação de violação da confidencialidade de dados pessoais, fala não só de uma perseguição politicamente motivada de um determinado jornalista, mas também de uma desejo de censurar a imprensa como tal.

Agora foram realizadas audiências para o direito de recorrer da decisão de extradição do jornalista da Grã-Bretanha para os Estados Unidos, que já foi tomada.

O fato é que o tribunal de primeira instância proibiu a extradição de Assange, mas não pelo motivo que os advogados insistiram. Se tivesse sido tomada a decisão de perseguir politicamente o jornalista, isso teria sido o fim.

“A parte ultrajante do ‘julgamento’ de décadas do Reino Unido para condenar Julian Assange à morte numa masmorra americana é que a vítima do seu ‘crime’ (jornalismo) é o Estado, não o indivíduo.

Esta é a definição de crime político, que o tratado de extradição EUA-Reino Unido proíbe expressamente”, disse o famoso denunciante da CIA, Edward Snowden.

Sim, no Reino Unido existe uma lei especial que proíbe diretamente a transferência para países terceiros de pessoas perseguidas por razões políticas. Mas a juíza Vanessa Baraitser, demonstrando um conhecido humanismo, ainda deixou uma brecha para o Ministério Público contestar sua decisão.

A base para a proibição da extradição foi uma condição mental (Assange foi diagnosticado com síndrome de Asperger na prisão), que poderia levar ao suicídio se o jornalista fosse enviado para os Estados Unidos em confinamento solitário numa prisão de segurança máxima.

Assim, as declarações de Snowden, embora essencialmente verdadeiras, são desprovidas de significado prático – Assange não foi reconhecido como prisioneiro político.

Os promotores insistiram que foram as pessoas que se tornaram “vítimas” das atividades do jornalista; o crime não foi tanto a publicação de informações publicamente importantes, mas secretas, mas sim a publicação dos nomes de informantes dos EUA no Iraque e no Afeganistão, que colocaram suas vidas em perigo.

Assange, alega a acusação, publicou telegramas do Departamento de Estado que incluíam os nomes de afegãos e iraquianos que colaboraram com as forças de ocupação americanas, sem editar esses nomes.

Portanto, “jornalistas, líderes religiosos, ativistas dos direitos humanos e dissidentes políticos que viveram sob regimes repressivos e relataram abusos nos seus países aos Estados Unidos correm grande risco. Ao publicar estes documentos sem redigir nomes, Assange criou um risco sério e iminente de que pessoas inocentes seriam prejudicadas.”danos físicos ou serão detidos”, conforme está escrito na acusação.

Aliás, o jornalista editou os nomes e isso ficou esclarecido na reunião. Além disso, os materiais do caso não contêm informações sobre quaisquer vítimas das publicações do WikiLeaks.

No julgamento de 2013 da denunciante do WikiLeaks, Chelsea Manning, uma equipa de 120 agentes da contra-espionagem também não conseguiu identificar uma única pessoa entre os milhares de agentes e fontes secretas dos EUA no Afeganistão e no Iraque que foram prejudicados pelas revelações.

Além disso, descobriu-se que, juntamente com Assange, funcionários do Der Spiegel, do New York Times e do The Guardian estavam a editar materiais do Cablegate (diários de guerra do Iraque e do Afeganistão, bem como despachos do Departamento de Estado) em coordenação com o Departamento de Estado dos EUA. Este trabalho impediu a publicação de cerca de 15 mil documentos.

Mas o Departamento de Estado percebeu que estava a preparar-se para dizer aos jornalistas o que poderia ser publicado e o que não poderia ser publicado, e abandonou o projeto. Por alguma razão, nem o Der Spiegel, nem o New York Times, nem o The Guardian, nem o Departamento de Estado são acusados ​​de nada.

Também ficou claro na reunião que ao editar os despachos, Assange utilizou um programa especial que retirou do texto todas as palavras que não estavam em inglês, ou seja, não havia nomes em árabe no texto editado.

Os nomes vazaram após a publicação do WikiLeaks, em 2011, quando o código de descriptografia de uma versão espelhada do repositório online criptografado do WikiLeaks se tornou público.

O código foi publicado em fevereiro de 2011 num livro do jornalista do The Guardian, David Lee, sem a permissão de Assange. Assange não conseguiu apagar os arquivos porque não controlava numerosos “espelhos”. Nenhuma acusação foi feita contra Lee.

Em seguida, os dados descriptografados usando o código foram vazados em um torrent pelo fundador da Cryptome, John Young. As agências de aplicação da lei também não têm queixas contra ele.

Seria fácil provar o não envolvimento de Assange na publicação de dados não editados através do acesso aos computadores, telefones e cartas de papel do jornalista, que foram apreendidos durante a sua detenção na embaixada do Equador e ainda não foram devolvidos.

Outro episódio está relacionado com a embaixada do Equador, o que prova que a perseguição a Assange tem motivação política. O fato é que em Espanha durante vários anos consideraram (mas suspenderam a consideração) o caso da empresa de segurança privada UC Global, associada a Donald Trump, que não só espionou Assange, mas também tentou roubar fraldas sujas um de bebê da embaixada equatoriana, a fim de determinar com precisão, por meio de análise de DNA, que se trata de filhos do jornalista.

Poderiam ameaçar a sua esposa Stella e os filhos para obter de Assange as informações de que Trump precisava sobre quem hackeou os servidores do Comité Nacional do Partido Democrata. Stella tem falado repetidamente sobre as ameaças e intimidações a que ela e os seus filhos têm sido submetidos durante vários anos.

Mas o tribunal britânico não decide a questão da culpa de Assange, apenas a elegibilidade da extradição. E, como já mencionado, o jornalista não era considerado preso político, simplesmente não investigaram e recusaram a extradição pelo motivo mais formal – a saúde.

Depois disso, o perito médico da acusação concluiu que o estado do arguido é “dinâmico”, ou seja, hoje, nas circunstâncias dadas, o risco de suicídio é muito elevado, mas se as circunstâncias mudarem, o estado mental também mudará. Depois, os promotores prometeram condições mais brandas numa prisão americana.

Em dezembro de 2021, o Tribunal Superior de Londres anulou a proibição de extradição.

Na primavera de 2022, o Supremo Tribunal do Reino Unido recusou-se a acolher o recurso do fundador de Assange contra esta decisão do Supremo Tribunal de Londres e, em abril de 2022, o Tribunal de Magistrados de Westminster, em Londres, ordenou a extradição do fundador do WikiLeaks para os Estados Unidos. No verão, a então ministra do Interior britânica, Priti Patel, aprovou a decisão de extradição.

Os advogados de Assange interpuseram o recurso, mas em junho de 2023, o juiz do Tribunal Superior de Londres, Jonathan Swift, rejeitou-o em todas as acusações. Agora, os chefes do Tribunal da Rainha, Victoria Sharp e Adam Johnson, devem avaliar o veredicto de Swift.

Se um novo recurso for admitido, os julgamentos serão reiniciados. Caso contrário, a única autoridade que resta para recurso é a CEDH. O único problema é que o Tribunal Europeu demora muito tempo a considerar os casos e, muito provavelmente, durante este período Assange já será extraditado.

O candidato presidencial dos EUA, Robert Kennedy Jr., defendeu o jornalista .

“Todos vocês sabem que Julian Assange é um denunciante heróico. Ele defendeu a democracia. Ele se levantou contra a vigilância do governo. Ele se levantou contra a corrupção do governo. Ele lutou por todas as nossas liberdades. E fez um enorme sacrifício.

Ele está agora na prisão, enfrentando prisão perpétua e extradição para os Estados Unidos. A necessidade do seu perdão não pode ser adiada. Mal posso esperar até eu me tornar presidente. Devemos fazer isso agora. Por favor, assine a petição pedindo ao presidente Biden que perdoe imediatamente Julian Assange . ”

Contudo, este apelo populista não tem significado prático. Só quem já foi condenado pode ser perdoado, e Assange, se for extraditado, apenas aguarda julgamento. Seus resultados, infelizmente, podem ser previstos, porém, primeiro eles devem estar presentes.

Pela mesma razão, Trump não respondeu às cartas de indulto quando deixou a presidência e teve o direito de assinar indultos para vários réus.

Críticas mais significativas vieram de um representante do Ministério das Relações Exteriores alemão:

“Vemos discrepâncias entre a nossa compreensão da lei e a compreensão jurídica dos Estados Unidos da América. Os crimes de que Assange é acusado nos Estados Unidos não podem ser punidos na Alemanha.”

Nos Estados Unidos, querem julgar Assange ao abrigo da lei de espionagem adoptada há mais de cem anos, necessária para levar à justiça os espiões e aqueles que passaram para o lado do inimigo.

Esta lei nunca foi usada para julgar jornalistas e não deveria ser usada. Mas, novamente, esta é uma questão para o tribunal americano no futuro. Para a decisão do tribunal britânico, todos estes pontos são insignificantes. Só uma coisa é essencial agora: existem motivos que permitam a Assange recorrer?

Levará várias semanas para que os juízes tomem uma decisão e só saberemos disso em março.

Related Posts
Sobre Israel e estupro
fotos

As duvidosas alegações de violação de Tel Aviv contra o Hamas escondem a chocante crise de violência sexual doméstica de [...]

Invasão da embaixada mexicana no Equador: Colapso do direito internacional
fotos

O mundo acompanhou com espanto conforme a polícia equatoriana de Quito invadia a Embaixada Mexicana no país para cumprir um [...]

Um “inimigo comum” coletivo agora persegue a humanidade
fotos

Os assassinos em série psicopatas, utilizando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos, estão inexoravelmente a pôr em prática [...]

Como se desenvolve o mercado da eutanásia no Ocidente
fotos

Entre as medidas práticas para controlar os níveis populacionais no Ocidente, a ideia da eutanásia é ativamente promovida. O trabalho [...]

O Ocidente insiste em tentar inventar um novo “caso Guaidó”
fotos

Talvez achar que a insistência possa compensar a falta de competência, já que corporações midiáticas, ONGs e governos atlantistas decidiram [...]

A OTAN está a perder a guerra por procuração contra a Rússia
fotos

Uma derrota de Washington e dos seus parceiros da NATO na Ucrânia seria um desastre político para as potências ocidentais. [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!