Em editorial, Folha chama Bolsonaro de cretino e chefete obcecado

“Ao investir contra quarentenas, Bolsonaro pretende se eximir de responsabilidade pela recessão inevitável. Na acintosa afronta à autonomia da PF, ambiciona desvencilhar-se de investigações que o envolvem e a seus filhos.”

fotos
Foto: reprodução

O editorial da Folha de São Paulo, não poupou de adjetivos nada abonadores ao ocupante da cadeira presidencial: “Cretino”, “estupido” e “mesquinho”. Faltou fazer a “mea culpa”, ao  apoiar e ao mesmo tempo ter silenciado sobre o passado de Bolsonaro, durante a campanha presidencial. Todo mundo que entende um mínimo e que acompanha a política brasileira sabia de antemão que este sujeito era um desqualificado, incapaz de presidir um “time de futebol de botão”, quanto mais a presidência da República. Agora é tarde! E o estrago está feito na imagem do país perante ao mundo. No campo econômico e social a situação do país é simplesmente uma catástrofe, que com certeza vai custar muitos sacrifícios à população nos pós-pandemia.

Eis alguns trechos do editorial:

“O pedido de demissão de mais um ministro da Saúde —em menos de um mês e durante a mais grave emergência sanitária da história contemporânea— escancara a derrocada de um presidente da República que já nem mesmo finge governar o país.”

Ainda, segundo a Folha, “está em curso, isso sim, a completa e justificada desmoralização do governo nacional, a cada dia nublado pela mesquinharia e pela estupidez de Jair Bolsonaro. Torna-se inimaginável, na Saúde, que algum profissional sério e sensato vá conformar-se a um chefete obcecado com quiméricas cloroquinas e, pior, empenhado numa cruzada macabra contra as imprescindíveis políticas de distanciamento social a custo tocadas por governadores e prefeitos. (…) Sua intervenção cretina na gestão da saúde pouco difere da ingerência na Polícia Federal que pode custar-lhe o mandato. Num e noutro caso, trata-se de colocar a própria sobrevivência acima das políticas de Estado e do interesse nacional”.

“Ao investir contra quarentenas, Bolsonaro pretende se eximir de responsabilidade pela recessão inevitável. Na acintosa afronta à autonomia da PF, ambiciona desvencilhar-se de investigações que o envolvem e a seus filhos.”

Para finalizar: “Com meros 500 dias de mandato, Bolsonaro subtrai opções. Não bastassem as calamidades sanitária e econômica, ele próprio converteu-se em crise a ser enfrentada”.

Related Posts
Eleição! Temporada 60: Tramas implausíveis e distrações dramáticas
fotos

Garantir que apenas candidatos aceitáveis ​​para as elites concorram, mesmo que pareçam desonestos e menos aceitáveis ​​do que a opção [...]

Monetização do YouTube põe em risco soberania brasileira
fotos

O simples fato de os brasileiros gastarem tanta energia nas redes sociais, achando que isso é política, já é um [...]

As eleições, a guerra e o PCP
fotos

Salazar mandava: “a pátria não se discute”; o regime de democracia liberal ordena: “a OTAN e a Ucrânia não se [...]

Delação de assassino de Marielle joga luz sobre as relações das milícias com autoridades
fotos

A morte de Marielle teria sido encomendada pelos Brazão por causa de sua atuação nas comunidades, em especial em Jacarepaguá

Os judeus e o comunismo na cultura brasileira
fotos

Mesmo com toda a romantização do Holocausto e com uma intensa presença da esquerda na vida cultural, as questões do [...]

Marielle, milícias e mais: relatórios de inteligência da intervenção militar no RJ sumiram
fotos

O resultado da investigação da Polícia Federal (PF) sobre o assassinato da ex-vereadora do PSOL Marielle Franco e do motorista [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!