EUA deportam ex-guarda do campo de concentração nazista para a Alemanha

nazista
Friedrich Karl Berger em uma foto de 1959. Foto: Departamento de Justiça

Os EUA deportaram um homem de 95 anos para a Alemanha depois que uma investigação federal descobriu que ele trabalhava como guarda em um campo de concentração nazista durante a Segunda Guerra Mundial, anunciou o Departamento de Justiça no sábado (20/02).

Agências federais disseram que Friedrich Karl Berger, um cidadão alemão, participou da perseguição patrocinada pelos nazistas em 1945 enquanto servia como guarda no sistema de campos de concentração de Neuengamme, no norte da Alemanha.

“Estamos comprometidos em garantir que os Estados Unidos não sirvam como um refúgio seguro para violadores de direitos humanos e criminosos de guerra”, disse o diretor do ICE (Agência de Imigração e Alfândega dos EUA) Tae Johnson em um comunicado à imprensa .

“Nunca deixaremos de perseguir aqueles que perseguem outros”, acrescentou Johnson.

“Este caso exemplifica a dedicação inabalável do ICE e do Departamento de Justiça em buscar justiça e caçar implacavelmente aqueles que participaram de uma das maiores atrocidades da história, não importa quanto tempo leve.”

Berger foi investigado e processado pela Seção de Direitos Humanos e Processos Especiais do Departamento de Justiça, Gabinete do Consultor Jurídico Principal do ICE (Memphis, Tennessee), Centro de Violadores de Direitos Humanos e Crimes de Guerra e escritório de campo das Investigações de Segurança Interna em Knoxville, Tennessee.

Após um julgamento de dois dias em fevereiro de 2020 , um juiz concluiu que Berger, que vivia nos Estados Unidos desde 1959, era removível do país de acordo com a Emenda Holtzman à Lei de Imigração e Nacionalidade de 1978 porque seu serviço como guarda de campo de concentração constituía assistência na perseguição patrocinada pelos nazistas.

Na época, Berger disse ao Washington Post : “Não consigo entender como isso pode acontecer em um país como este. Você está me forçando a sair de casa”.

Um tribunal concluiu que Berger serviu em um subcampo de Neuengamme perto de Meppen, Alemanha, que mantinha judeus, poloneses, russos, dinamarqueses, holandeses, letões, franceses, italianos e oponentes políticos dos nazistas como prisioneiros.

No julgamento, o juiz presidente emitiu uma opinião concluiu que os prisioneiros de Meppen foram mantidos durante o inverno de 1945 em condições “atrozes” e foram explorados para trabalhos forçados ao ar livre, trabalhando “até o ponto de exaustão e morte”.

O tribunal decidiu e Berger admitiu que ajudou a guardar prisioneiros para impedi-los de escapar durante seu dia de trabalho do amanhecer ao anoitecer.

O tribunal determinou que Berger ajudou a vigiar os prisioneiros durante sua evacuação forçada para o campo principal de Neuengamme, enquanto as forças militares britânicas e canadenses aliadas avançavam sobre Meppen no final de março de 1945.

A evacuação forçada durou quase duas semanas e custou a vida a cerca de 70 prisioneiros.

O tribunal também concluiu que Berger nunca solicitou uma transferência do serviço de guarda do campo de concentração e que continua a receber uma pensão do governo alemão com base em seu emprego na Alemanha, “incluindo seu serviço durante a guerra”.

O Departamento de Justiça disse que Berger foi o 70º criminoso nazista deportado dos Estados Unidos para a Alemanha.

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × três =