EUA destituem Imran Khan, mas sua narrativa revolucionária perdura

Washington reativou velhos parceiros em Islamabad para destituir o primeiro-ministro Imran Khan, mas este último semeou sementes de imensa insatisfação com a velha guarda e seus apoiadores americanos no público paquistanês. E os aliados domésticos e estrangeiros de Khan também não ficarão de braços cruzados. 

paquistão
Os EUA podem controlar um punhado de oficiais políticos e militares paquistaneses, mas o primeiro-ministro Imran Khan é o dono da rua. Crédito da foto: The Cradle

Por MK Bhadrakumar

Na quarta-feira passada, durante uma reunião com o ministro das Relações Exteriores do Paquistão, Shah Mahmood Qureshi, na cidade de Tunxi, na província de Anhui, no leste da China, o conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, fez a observação ponderada de que havia a necessidade de “proteger-se contra os efeitos negativos a crise da Ucrânia” na região asiática:

“Não podemos permitir que a mentalidade da Guerra Fria retorne à região asiática. É impossível permitir uma repetição do confronto de campo na Ásia. Não podemos permitir que os estados médios e pequenos da região sejam um instrumento ou mesmo uma vítima dos jogos das grandes potências. O lado chinês pretende seguir na mesma direção junto com o Paquistão e os países vizinhos, desempenhar um papel construtivo na garantia da paz regional e global e dar sua contribuição para a Ásia”.

Curiosamente, como se viu, essa também foi a última viagem de Qureshi ao exterior como principal diplomata do Paquistão. Assim que voltou para casa, seu governo caiu, mergulhado em uma situação obscura, exatamente do tipo contra o qual Wang Yi havia alertado.

Wang Yi teve uma premonição? Podemos nunca saber, mas é inconcebível que ele não tenha conhecimento das tensões na política interna do Paquistão alimentadas de fora, o que levou à mudança de regime no último fim de semana.

De todas as contas, a tentativa de golpe no Paquistão se desenrolou de acordo com um roteiro anglo-americano. O primeiro-ministro Imran Khan afirmou ter provas documentais para mostrar que o mais alto funcionário do departamento de estado dos EUA que lida com a região, o secretário de Estado adjunto para Assuntos da Ásia Meridional e Central, Donald Lu, havia enviado a ele uma mensagem ameaçadora por meio do embaixador  paquistanês em Washington que seu tempo acabou em Islamabad como primeiro-ministro.

Imran Khan também alegou que a embaixada dos EUA em Islamabad estava confraternizando com políticos locais que posteriormente desertaram de seu governo de coalizão. Washington tem sido vagamente desdenhoso sobre as alegações.

De acordo com Khan, foi sua visita oficial a Moscou em fevereiro, que coincidiu com o lançamento da operação especial da Rússia na Ucrânia, que mais provocou Washington – além de sua política externa independente e teimosa recusa em estabelecer bases militares americanas no Paquistão.

No sábado, tendo como pano de fundo os tumultuados acontecimentos políticos no Paquistão, o poderoso chefe do Exército, general Qamar Javed Bajwa, abordou um tópico incomum: a Rússia. Ele criticou abertamente a Rússia por sua operação especial na Ucrânia, chamando-a de “grande tragédia” que matou milhares e fez milhões de refugiados e “metade da Ucrânia destruída”, exigindo que ela fosse “interrompida imediatamente”.

Ele observou que o Paquistão desfrutou de excelentes relações econômicas e de defesa com a Ucrânia desde sua independência, mas as relações com a Rússia foram “frias” por um longo tempo por várias razões, e que o Paquistão enviou assistência humanitária à Ucrânia através de aviões da Força Aérea do Paquistão e continuaria fazer isso.

Significativamente, Bajwa também afirmou que “compartilhamos uma longa e excelente relação estratégica com os EUA” e que o Paquistão procurou ampliar e expandir as relações com a China e os EUA “sem afetar nossas relações com [nenhum]”.

Sem dúvida, o poderoso general falou de olho em Washington, profundamente consciente da transição política em seu país e tendo o cuidado de se colocar no ‘lado certo da história’.

A mensagem de Bajwa a Washington era tripla: uma, ele não compartilhava o entusiasmo de Imran Khan por laços estreitos com a Rússia; dois, nem compartilhava das políticas externas ‘antiamericanas’ de Imran Khan; e, terceiro, ele não permitiria que a aliança do Paquistão com a China ofuscasse seu desejo de aprofundar as relações com os EUA.

Não se engane, os generais paquistaneses são os primeiros e últimos políticos experientes. É por isso que tanto a China quanto a Rússia estão profundamente conscientes do significado geopolítico do evento de mudança de regime em Islamabad. As observações prescientes de Wang Yi encontram eco em um relatório do influente jornal russo Kommersant na segunda-feira, com base na opinião de especialistas em Moscou:

“A dinâmica da crise atual indica que o Paquistão está no limiar de uma mudança de poder que pode anular muitos acordos com Moscou, considerando que o novo regime no Paquistão que se formará nos próximos meses será muito mais pró-americano.”

De acordo com o diretor do centro analítico da Sociedade Russa de Cientistas Políticos, com sede em Moscou, Andrey Serenko, “uma preocupação especial é causada pelo fato de que… Bajwa apoiou abertamente os adversários da Rússia. A deriva de pesos-pesados ​​político-militares no Paquistão em direção aos EUA pode ter consequências muito mais negativas para ela [Rússia] na região da Ásia Central na fronteira com o Afeganistão. Elementos beligerantes e extremistas do Talibã, que são tradicionalmente controlados pelos serviços especiais do Paquistão, bem como os grupos terroristas do Estado Islâmico e Jamaat Ansarullah não perderam o interesse em espalhar a jihad além das fronteiras afegãs.”

Da mesma forma, um membro do corpo docente da Academia Diplomática do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Vadim Kozyulin, fez esta advertência explícita: “Washington pressionando o governo paquistanês inevitavelmente leva à complicação da situação de segurança na região da Ásia Central e ao surgimento de novos riscos para os países da CSTO”.

De forma sucinta, especialistas russos antecipam uma reversão das políticas amistosas de Imran Khan em busca da integração eurasiana. A China também ficará apreensiva de que uma das principais prioridades dos EUA seja minar a Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI), da qual o Paquistão é um importante centro. Certamente, os EUA não vão querer que Islamabad seja um facilitador para a expansão da influência chinesa no Afeganistão. Durante uma recente visita a Cabul, Wang Yi propôs à liderança do governo interino talibã a extensão do Corredor Econômico China-Paquistanês (CPEC), o carro-chefe da BRI, ao Afeganistão.

Da perspectiva do Irã também, qualquer aumento na presença dos EUA no Paquistão teria sérias implicações de segurança, especialmente se as bases dos EUA reabrissem. As negociações em Viena para o renascimento do JCPOA ainda não se concretizaram e, de qualquer forma, mesmo com o levantamento das sanções dos EUA, espera-se que a estratégia de contenção de Washington contra o Irã continue de alguma forma mais nova. A agenda do recente conclave dos principais signatários dos Acordos de Abraão, Egito e EUA [(hospedado por Israel), era construir uma abordagem coordenada para combater as políticas regionais do Irã.

O Paquistão tem um histórico de alinhamento com os aliados dos EUA no Golfo Pérsico em sua rivalidade com o Irã. Imran Khan desviou-se desse caminho e buscou genuinamente a reaproximação com Teerã. Com certeza, Washington encorajará o novo regime em Islamabad a voltar à posição padrão.

O objetivo mais amplo dos EUA será reverter a presença chinesa na região do Golfo Pérsico. Assim, por várias razões, enquanto no cálculo estratégico dos EUA, o Paquistão sempre foi um ator importante, no atual contexto de realinhamento global, este se torna um relacionamento fundamental. As forças armadas paquistanesas têm um histórico impecável de servir aos interesses regionais americanos – e têm uma rara capacidade e “experiência” para fazê-lo – o que nenhum país muçulmano está disposto a realizar nas atuais circunstâncias.

Os EUA podem contar com os generais paquistaneses para garantir que Imran Khan nunca mais volte ao poder. Mas o paradoxo é que sua narrativa eletrizante – contra a corrupção, por justiça social e inclusão, islamismo e “antiamericanismo” – criou raízes profundas em solo paquistanês e será difícil de derrotar. Os principais partidos da oposição estão irremediavelmente desacreditados na percepção pública, dado seu histórico de corrupção e clientelismo no cargo.

Então, a grande questão é: quem vai reunir a retórica revolucionária de Imran Khan? Pode-se esperar um período prolongado de turbulência política. Agora, em tal cenário, o papel dos militares torna-se extremamente crucial. As intenções futuras da liderança militar permanecem obscuras. Tradicionalmente, as lideranças militares paquistanesas têm sido pró-EUA e, por sua vez, Washington sempre considerou o Quartel-General (GHQ) em Rawalpindi como seu interlocutor número um.

Os militares negam envolvimento na política civil, mas os generais no passado nunca hesitaram em aproveitar o caos político para assumir o poder. É claro que o apoio dos EUA para tal é indispensável e é aí que o ramo de oliveira de Bajwa para Washington define a agenda da politicagem.

The Cradle

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!