EUA em convulsão, milhares se reúnem no Lincoln Memorial para protestar contra violência policial

protesto
“Marcha do Compromisso: Tire o Joelho do Pescoço”, protesto contra o racismo e a brutalidade policial. Foto: Eric Baradat / AFP via Getty Images

Duas gerações de “Kings” falaram no Lincoln Memorial sexta-feira como parte da marcha em Washington que homenageou o 57º aniversário do discurso “Eu tenho um sonho” de Martin Luther King.

O quadro geral é crítico, os negros estão sofrendo após um verão que começou com o assassinato policial de George Floyd e está encerrando com Jacob Blake, que ficou paralisado e ainda passou um tempo algemado a uma cama de hospital após ser baleado sete vezes nas costas por um tiro policial.

O Reverendo Al Sharpton coordenou o evento após a morte de Floyd ao lado de Martin Luther King III e da National Action Network, chamada de “Marcha do Compromisso: Tire o Joelho de Nossos Pescoços”.

  • A organização esperava dezenas de milhares de participantes, mas muitos grupos de estados distantes cancelaram devido à pandemia COVID-19.

O que eles estão discursaram:

  • A irmã de Jacob Blake disse: “Black America: Eu te considero responsável. Você deve se levantar. Você deve lutar. Mas não com violência e caos, com amor próprio.”
  • O pai de Blake, Jacob Blake Sênior, falou sobre o assassinato de seu filho: “Vamos abrir um tribunal contra o racismo sistêmico … E não vamos mais aguentar. Peço a todos que se levantem. Sem justiça, sem paz!”
  • O irmão de Floyd, Philonise Floyd, disse: “Estou marchando por George, por Breonna, por Ahmaud, por Jacob, por Pamela Turner, por Michael Brown, Trayvon e qualquer outra pessoa que perdeu suas vidas.”
  • A mãe de Breonna Taylor, Tamika Palmer, também falou à multidão, que respondeu gritando o nome de sua filha. Taylor foi morta por policiais de Louisville em um mandado de prisão preventiva em março. Ninguém foi acusado de sua morte.
  • Sharpton: “Vamos falar contra o saque, mas quando você vai falar contra o tiroteio policial você está errado?”

Em uma sexta-feira de verão em Washington, os voluntários estavam medindo as temperaturas na entrada e relatos da mídia indicavam que as máscaras eram a norma entre a multidão.

A neta de Martin Luther King, Yolanda Renee King, 12, disse a uma multidão de milhares que eles “são os grandes sonhos de nossos avós … nós realizaremos o sonho de meu avô”.

O filho, Martin Luther King III, 62, disse que “nunca devemos esquecer o pesadelo americano. … Ainda lutamos por justiça, desmilitarizar a polícia, desmantelar o encarceramento em massa”.

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 2 =