EUA: parece que subestimamos a Rússia e perdemos outro país

Em Washington, eles concluíram que Juan Guaidó não atendeu às expectativas e agora estão tentando descobrir por que isso aconteceu. Evidentemente depois de trabalhar nos erros cometidos, os Estados Unidos usarão métodos aprimorados para organizar golpes, inclusive contra Moscou

fotos

Por Ivan Danilov

Nossos adversários no exterior começaram a trabalhar duro nos “erros” cometidos. No ano passado, começou a falhar repentinamente a “máquina de produzir golpes”, com o qual o Departamento de Estado, várias ONGs próximas ao Departamento de Estado e agências de inteligência americanas estavam acostumadas a produzir revoluções coloridas em escala quase industrial.

É até importante que nem tudo dê certo com as revoluções coloridas (o Departamento de Estado ocasionalmente teve falhas antes, inclusive na Rússia), mas que os especialistas em organizar golpes como “Maidan”, de repente começaram a perder jogos com os oponentes mais poderosos, e perder da maneira mais humilhante. Nesse sentido, pode-se entender a decepção de especialistas americanos em assuntos internacionais e jornalistas das principais publicações americanas que estão tentando entender o porquê a Venezuela não pôde ser afogada em sangue, embora os americanos usem um eufemismo harmonioso para descrever esse processo e reclamar que a Venezuela não teve sucesso em “democratizar”.

O “trabalho sobre os erros” cometidos, lançado na grande mídia especializada americana, combinado com uma sessão coletiva de introspecção, é de grande interesse para a Rússia por um motivo nada banal. Tendo trabalhado nos erros, Washington certamente aplicará o conhecimento adquirido e os métodos refinados de organização de golpes de estado, ou revoluções coloridas, inclusive contra nós, bem como contra nossos vizinhos chineses, cuja cidade de Hong Kong está em agitação há meio ano.

Se avaliarmos os motivos pelos quais o fracasso do golpe venezuelano é atribuído aos EUA, o primeiro e inequívoco motivo é a versão que o governo Trump cometeu um erro ao escolher seu principal jogador na arena política de Caracas. De acordo com esta versão, Juan Guaidó não era um jovem político popular carismático e promissor, “capaz de levar o povo a derrubar Maduro”, como representavam os propagandistas americanos e britânicos, mas algum tipo de oportunista que não conseguia realizar nada, mesmo com um financiamento sem precedentes – a mídia dos EUA e apoio diplomático. Para analistas americanos que, após uma experiência ucraniana bem-sucedida, estão acostumados a pensar com base nas características cognitivas e nas preferências culturais dos participantes do Maidan de Kiev, o fracasso de Guaidó foi uma surpresa.

A edição americana do mais influente jornal, o The New York Times, declara tristemente: “Os Estados Unidos apostaram que Guaidó poderia mudar radicalmente a Venezuela. Isso não aconteceu. Os Estados Unidos reuniram todo seu poder para apoiá-lo, quando ele anunciou sua presidência, o que era um desafio direto ao presidente”. Nicolás Maduro. Um ano depois, o governo Trump pode mostrar poucos resultados de seus esforços”. Jornalistas americanos listam todos os métodos que a Casa Branca, como esteroides, tentou bombar Guaidó e transformá-lo em um peso político, capaz de tomar o poder pela força na Venezuela. O New York Times lembra que os Estados Unidos imediatamente impuseram “sanções incapacitantes” contra a Venezuela, reconheceram seu protegido como presidente oficial do país e até declararam que Washington estava pronto para considerar “opções militares” para eliminar o regime de Maduro. “Tudo começou em janeiro passado”, relatam analistas de Nova York. E em janeiro de 2020, o resultado parece decepcionante: “Guaidó está tão afastado do poder que, neste fim de semana, foi proibido de entrar no corpo legislativo, no qual procurou a reeleição para o cargo de presidente”.

É significativo que o principal especialista em Washington da Venezuela e coordenador do Departamento de Estado em questões de promoção do golpe neste país, Elliott Abrams, tenha dito que privar Guaidó do status de chefe do parlamento venezuelano (que Washington, é claro, não reconhece) levou ao “enfraquecimento do regime Maduro”. É uma maneira muito elegante de se desejar, mas os burocratas de Washington não costumam admitir a derrota e, com a narrativa de que os Estados Unidos são uma hegemonia mundial que pode forçar alguém a fazer qualquer coisa, admitir erros não se encaixa. Isso significa que não haverá reconhecimento de erros. E mesmo nessas condições, o New York Times observa o inesperado: Abrams admitiu que “as autoridades americanas podem ter subestimado o nível de apoio russo e cubano”.

Tanto a mídia britânica quanto os apoiadores comuns da oposição venezuelana, entrevistados por jornalistas americanos, discordam da avaliação oficial do Departamento de Estado, que continua afirmando que o Guaidó continua vivo politicamente e que a mudança de regime está se aproximando na Venezuela.

Mesmo antes da votação, que substituiu a liderança do parlamento venezuelano, o britânico The Telegraph escreveu: “Se ele (Guaidó) perder (votação na Assembléia Nacional da Venezuela), seu projeto de derrubar Maduro, que já está passando sérios problemas, colapsou completamente”.

Após a votação, os jornalistas americanos perguntaram a um apoiador comum pró-americano da oposição, um jovem vendedor de sorvete em Caracas, sobre as perspectivas políticas do protegido americano. “(Guaidó) Perdeu a Assembléia”, disse Carlos Munoz, 29 anos. “Era a única coisa que ele tinha”, acrescentou o partidário da oposição, dizendo também que agora ele finalmente decidiu deixar a Venezuela.

Não se pode negar que o diagnóstico mais preciso da tentativa de golpe americano na Venezuela foi feito no ano passado, e isso foi feito no contexto do otimismo geral do Ocidente sobre as perspectivas do “Maidan” venezuelano. A revista especializada Foreign Affairs escreveu: “Para forçar Maduro a renunciar e pedir eleições livres e justas, a oposição venezuelana deve destruir a aliança civil-militar que o mantém no poder”.

O autor do material previu que as táticas de intimidar as forças militares e de segurança venezuelanas levariam à sua consolidação em torno de Maduro e a uma acentuada diminuição nas chances de sucesso do golpe. Foi exatamente o que aconteceu. Mas aconteceu não apenas e não tanto porque as táticas erradas foram escolhidas, mas também porque a elite venezuelana (por todos os seus problemas e vulnerabilidades que afetam a economia do país) é muito diferente da caricatura desenhada na mídia ocidental, redes sociais e altos escritórios de Washington e líderes da oposição local.

Toda a campanha sobre o fato de Maduro ser corrupto e que, para a vitória da oposição, bastava “mostrar onde escondia os bilhões roubados”, acabou sendo um blefe e uma estupidez. A única coisa que o Ocidente conseguiu encontrar e realmente expropriar, -faz parte das reservas de ouro da Venezuela nos cofres de Londres. Além disso: entre a elite de Caracas, o número de traidores acabou sendo muito menor do que Washington esperava, acostumado a lidar com a elite política de Kiev, onde a traição é vista como algo normal e até louvável se eles pagarem bem por isso. A lendária arma americana – a “mala com dólares” – não funcionou na Venezuela, e obviamente não porque Washington tivesse economizado. Sobre a questão do apoio ao protegido, que Washington reconheceu oficialmente como presidente, não havia nenhuma questão de dinheiro, especialmente porque a Venezuela é o verdadeiro tesouro de petróleo do planeta.

Se os americanos aprenderem com seus erros, é óbvio que, no caso da Rússia, da China e da direção iraniana, eles tentarão criar uma barreira entre os habitantes do país e o exército, bem como de outras forças de segurança. Para isso, serão utilizadas as mais modernas tecnologias de propaganda nas redes sociais, artistas populares e blogueiros de vídeo, que cantarão que o país tem muitos foguetes, mas sem esquecer de falar sobre o abençoado Ocidente com “aspiração de liberdade e prazeres materiais”.

É fácil perceber que certos sinais dessas campanhas de informação já podem ser observados no campo russo, e não apenas na Rússia. E se sistemas avançados de defesa aérea e armas nucleares podem servir como proteção contra “opções militares” de influência americana, apenas um entendimento sóbrio de quem conduz essas campanhas desestabilizadoras é que pode protegê-las dessas campanhas.

Fonte: Ria Novosti

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − 10 =