EUA podem perder nova Guerra Fria para Rússia e China, diz ganhador do Prêmio Nobel

Joseph Stiglitz lembrou que por quase duas décadas após o colapso da União Soviética, os EUA “foi claramente o número um do mundo

Joseph Stiglitz
Professor Joseph E. Stiglitz. EPA-EFE/GIAN EHRENZELLER

Os Estados Unidos entraram em uma nova guerra fria contra a Rússia e a China e podem perdê-la, disse Joseph Stiglitz, Prêmio Nobel de Economia de 2001, em um comentário para o portal Scheerpost, publicado na quarta-feira.

“Os Estados Unidos parecem ter entrado em uma nova guerra fria com a China e a Rússia. E o retrato dos líderes americanos do confronto entre democracia e autoritarismo falha no teste do cheiro, especialmente em um momento em que os mesmos líderes estão cortejando ativamente um violador de direitos humanos como a Arábia Saudita. Tal hipocrisia sugere que é pelo menos em parte a hegemonia global, não os valores, que está realmente em jogo”, disse o ex-economista-chefe do Banco Mundial.

Em sua opinião, “os Estados Unidos podem perder a nova Guerra Fria”. “Se os EUA vão embarcar em uma nova guerra fria, é melhor que entendam o que será necessário para vencer. Guerras frias, em última análise, são vencidas com o poder brando de atração e persuasão. Para sair por cima, devemos convencer o resto do mundo para comprar não apenas nossos produtos, mas também o sistema social, político e econômico que estamos vendendo”, enfatizou o ex-presidente do Conselho de Assessores Econômicos do Presidente dos EUA.

Ele lembrou que por quase duas décadas após o colapso da União Soviética, os EUA “foram claramente o número um”. “Mas então vieram as guerras desastrosamente mal orientadas no Oriente Médio, a crise financeira de 2008, o aumento da desigualdade, a epidemia de opióides e outras crises que pareciam colocar em dúvida a superioridade do modelo econômico dos Estados Unidos. Além disso, entre a eleição de Donald Trump, a tentativa de golpe no Capitólio dos EUA, numerosos tiroteios em massa, um Partido Republicano empenhado em suprimir os eleitores e o surgimento de cultos de conspiração como QAnon, há evidências mais do que suficientes para sugerir que alguns aspectos da vida política e social americana se tornaram profundamente patológicos”, Stiglitz apontou.

Fonte: Tass

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!