Ex-presidente da Bolívia é condenada a 10 anos de prisão por ‘golpe’

Jeanine Áñez foi considerada culpada de violar a Constituição da Bolívia depois que Evo Morales fugiu do país

Bolívia

A ex-presidente boliviana Jeanine Áñez foi condenada a 10 anos de prisão por assumir o poder em um “golpe” contra seu antecessor de esquerda, Evo Morales, em 2019.

O tribunal de La Paz considerou Áñez culpada de “decisões contrárias à Constituição” e de “abuso do dever”.

Sua equipe de defesa e apoiadores argumentaram que o julgamento foi politicamente motivado e que seus direitos foram negados. O advogado de Áñez, Luis Guillen, prometeu recorrer do veredicto e buscar justiça em “organizações internacionais”.

O ministro da Justiça, Ivan Lima, rejeitou as acusações de perseguição política. “Somos um governo que respeita as regras do devido processo legal e que estende o regime democrático a todos os atores políticos” , disse ele em um comentário ao New York Times.

Como vice-presidente do Senado, Áñez foi nomeada presidente interino pelo parlamento em novembro de 2019, depois que Morales renunciou e fugiu da Bolívia em meio a protestos por suposta fraude eleitoral. Parlamentares do partido Movimento para o Socialismo (MAS) de Morales boicotaram a sessão.

Morales, que governou a Bolívia por quase 14 anos, alegou que houve um golpe contra seu governo.

O MAS voltou ao poder em outubro de 2020, vencendo as eleições gerais. O atual presidente da Bolívia, Luis Arce, é membro do MAS.

Áñez foi presa em março de 2021. Durante o julgamento, ela argumentou que “seguiu todos os passos” da constituição ao assumir o poder em 2019. “Sinto-me muito orgulhosa e teria feito isso de novo se tivesse a oportunidade”, ela disse. disse.

A política fez uma greve de fome de duas semanas enquanto estava em prisão preventiva e foi brevemente hospitalizado várias vezes devido a problemas de saúde. Em fevereiro, ela tentou tirar a própria vida devido a “depressão grave”, segundo a filha de Áñez, Carolina Ribera.

Na sexta-feira, o tribunal também condenou o ex-general de polícia Yuri Calderón e o ex-chefe militar Williams Kaliman Romero a 10 anos de prisão em conexão com os eventos de 2019. Ambos são foragidos.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!