Final triste: Biden não sobreviverá à batalha por causa do ômicron

(Pravda) – O inverno no hemisfério norte chegou, e a variante ômicron já está a todo vapor. A nova cepa é considerada altamente contagiosa. Em Moscou, casos isolados foram registrados até agora, mas nos Estados Unidos, prevê-se que o ômicron se tornará a cepa dominante do COVID-19 em poucas semanas. A nova previsão não contribui em nada para elevar o moral da nação, que já está sob a pressão de seu primo viral Delta.

variante

Ômicron ataca os americanos

“Ele está aqui agora, se espalhando, e sua incidência vai crescer”, alertou o presidente dos Estados Unidos, Joseph Biden, na quinta-feira, 16 de dezembro , preparando-se para uma nova batalha contra o patógeno que define sua presidência e obscurece ainda mais as esperanças dos democratas nas eleições legislativas de 2022.

ômicron

O presidente americano enfatizou que um inverno rigoroso espera os não vacinados, muitos ficarão doentes e morrerão e que os hospitais logo transbordarão. Um cenário ainda mais preocupante foi expresso por Michael Osterholm, epidemiologista e diretor do Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota.

“Acho que estamos prestes a ter uma nevasca viral”, disse Osterholm à CNN.

Omicron emoldurado por Biden

A onda de hospitalizações e mortes causadas pela nova cepa resultará em qualquer caso em outra crise para a Casa Branca, já abalada por uma batalha de um ano contra a pandemia, que Biden prometeu como candidato por encerrar. A nova linhagem é dotada de uma habilidade sobrenatural, porque pode revelar uma divisão há muito esperada na sociedade e abrir novas oportunidades para os políticos que desejam deixar sua marca. No Dia da Marmota, que começou em março de 2020, questões delicadas começaram a ser levantadas:

  • por quanto tempo o país pode suportar as adversidades,
  • quando as escolas estarão funcionando normalmente,
  • quando a crise econômica que surgiu devido às restrições “antigas” vai acabar.

O mantra de Biden era que ele colocava a ciência em primeiro lugar. Mas por que o impacto social e econômico cumulativo não leva Biden a considerar uma abordagem modificada? Quando chegará o momento em que o COVID-19 será visto como uma ameaça endêmica com a qual os americanos devem viver para sempre? Quantas mortes o país está disposto a aceitar em troca de alguma versão de normalidade?

O próprio vírus está desafiando todas as tentativas do líder americano de encontrar uma saída para a crise. Por exemplo, em julho, Biden disse que o país nunca esteve tão perto de vencer uma pandemia. Mas então o mundo caiu de joelhos novamente com o surgimento do ômicron.

A próxima nova batalha com a “coroa” será tão politicamente e socialmente dolorosa quanto os confrontos anteriores. Não há dúvida de que o surgimento de uma nova variante levará a outro fiasco político para Biden.

Além da pandemia, a reputação do presidente sofreu nos últimos meses devido ao

  • mal-entendidos no Congresso,
  • um forte aumento da inflação,
  • altos preços da gasolina
  • e o fiasco no Afeganistão.

Agora Biden deve preparar os cidadãos para outro encontro com o vírus. Provavelmente, perguntas difíceis o aguardam sobre como se divertir nas festas de fim de ano, tendo como pano de fundo as esperanças de uma vida normal.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!