Forças de segurança de Mianmar matam mais de 100 no dia mais letal desde o golpe militar

As forças de segurança de Mianmar mataram no sábado mais de 100 pessoas, incluindo crianças, durante protestos anti-golpe, de acordo com a agência Associated Press notícias.

protestos
Manifestantes protestam contra o golpe militar em Yangon, Mianmar, em 27 de março. Foto: Agência Anadolu via Getty Images

No sábado (27/03) foi o dia de protestos mais sangrento desde que os militares no mês passado derrubaram o governo democraticamente eleito do país e acontece no momento em que os militares de Mianmar comemoram o feriado anual do Dia das Forças Armadas com um desfile na capital do país, Naypyidaw.

Os manifestantes se reúnem em cidades de todo o país há quase dois meses, exigindo que a democracia seja restaurada.

A junta militar que agora comanda o país tem usado repetidamente a força letal contra civis para manter o poder.

O dizem os militares

Durante o desfile das forças armadas, o general Min Aung Hlaing, chefe da junta que agora controla o país, afirmou que os militares protegem o povo e lutam pela democracia, de acordo com a Reuters .

No entanto, a televisão estatal alertou os manifestantes na noite de sexta-feira que eles corriam o risco de serem baleados “na cabeça e nas costas” se protestassem durante o feriado nacional.

“Estamos recebendo relatórios de dezenas de mortos, incluindo crianças, centenas de feridos em 40 locais e prisões em massa”, tuitou o escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas no sábado. “Esta violência está aumentando a ilegitimidade do golpe e a culpabilidade de seus líderes”.

O embaixador dos EUA, Thomas Vajdadisse em uma declaração no sábado que “as forças de segurança estão assassinando civis desarmados, incluindo crianças, as mesmas pessoas que juraram proteger”.

“Este derramamento de sangue é horrível. Estas não são ações de um militar profissional ou força policial”, acrescentou.

“O povo de Mianmar fala claramente: eles não querem viver sob uma ditadura militar. Pedimos o fim imediato da violência e a restauração do governo eleito democraticamente.”

As mortes no sábado aumentaram para bem mais de 400 o número de civis mortos pelas forças de segurança desde o golpe. Outros milhares de civis foram presos, incluindo vários jornalistas .

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × quatro =