Gustav Wagner – Quem era a Besta humana de Sobibór?

fotos

Quem é Gustav Wagner – o carrasco nazista que durante a ditadura militar, o então procurador geral da República, Henrique Fonseca de Araújo, impediu a extradição para três países em 1978.

Gustav Wagner, nasceu em 18 de julho de 1911 em Viena (Áustria), e ingressou no partido nazista em 1933.

Em 1942, devido a experiência adquirida com o gás T4, Wagner foi designado para ajudar na instalação do campo de extermínio de Sobibór na Polônia. Após o término da instalação do sistema de gaseamento, Wagner se tornou sub-comandante do campo sob as ordens de Franz Stangl.

Uma de suas funções era de selecionar quais prisioneiros seriam utilizados  como mão de obra escrava dentro e fora do campo, e quais seriam enviados para câmaras de gás. Os sobreviventes do campo o descreveram como um dos oficiais da SS mais brutais e sádico de sangue frio. Wagner espancava regularmente os internos do acampamento e matava os judeus sem nenhum motivo.

Um dos prisioneiros que escapou da morte de nome Moshe Bahir assim o descreve:

Ele era um homem bonito, alto e loiro – um puro ariano. Na vida civil, ele era, sem dúvida, um homem bem-educado; em Sobibór ele era um animal selvagem. Seu desejo de matar não tinha limites … Ele arrebatava bebês dos braços de suas mães e os despedaçava em suas mãos. Eu o vi espancar dois homens até a morte com um rifle, porque eles não executaram suas instruções corretamente, já que eles não entendiam o alemão. Lembro que uma noite um grupo de jovens de quinze ou dezesseis anos chegou ao acampamento. O chefe desse grupo era um Abraão. Depois de um longo e árduo dia de trabalho, este jovem desabou sobre o estrado e adormeceu. De repente, Wagner entrou em nossa barraca e Abraão não o ouviu ligar a luz para se levantar imediatamente diante dele.Furioso, ele puxou Abraão nu da cama e começou a espancá-lo por todo o corpo. Quando Wagner se cansou dos golpes, ele pegou seu revólver e o matou no local. Este espetáculo atroz foi realizado diante de todos nós, incluindo o irmão mais novo de Abraão.

Os números de mortos em Sobibór entre os anos de 1942 à 1943, foi estimado em torno de 250 000 mortes.

A condenação e fuga

Wagner foi condenado à morte por “in absentia”, mas escapou com Franz Stangl para o Brasil. Clero no Collegio Teutonico de Santa Maria dell’Anima em Roma ajudou Wagner em sua fuga da justiça.  Wagner foi admitido como residente permanente em 12 de abril de 1950 e em 4 de dezembro de 1950 um passaporte brasileiro foi emitido em nome de “Günther Mendel”, sua nova identidade.  Ele viveu no Brasil sem ser perturbado até ser descoberto pelo famoso caçador de criminosos nazistas Simon Wiesenthal e preso em 30 de maio de 1978. Pedidos de extradição de Israel , Áustria e Polônia foram rejeitados pelo Procurador Geral do Brasil, Henrique Fonseca de Araújo, pai do atual chanceler brasileiro Ernesto Araújo. que foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro em janeiro de 2019 . Em 22 de junho de 1979, o Supremo Tribunal Federal também rejeitou um pedido de extradição da Alemanha Ocidental.

Wagner, em uma entrevista à BBC em 1979, não demonstrou nenhum remorso por suas atrocidade no campo de extermínio de Sobibór, segundo suas próprias palavras: 

Eu não tinha sentimentos. … Era como outro trabalho qualquer. À noite, nunca discutíamos o nosso trabalho, mas apenas bebíamos e jogávamos cartas.

Em outubro de 1980, Wagner foi encontrado com uma faca no peito em São Paulo. Segundo seu advogado, Wagner cometeu suicídio. Sua data de morte foi determinada em 3 de outubro de 1980. 

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!