Ho Chi Minh, o herói comunista, construtor de uma nação que derrotou três países imperialista

Esse importante pensador e político comunista viajou pelo mundo antes de se tornar governante de um dos mais singulares projetos nacionais da Guerra Fria

Ho

Ho Chi Minh foi um dos maiores líderes do Terceiro Mundo durante a Guerra Fria, tornando-se internacionalmente relevante ao governar o Vietnã comunista contra as ocupações francesa e estadunidense em seu país, reunificando a nação sob a bandeira vermelha. O mais destacado fato dessa participação na guerra, inevitavelmente, é a vitória humilhante de seu pequeno país contra os EUA.

Ho começou sua vida adulta viajando, pois trabalhava como cozinheiro em um navio francês, chegando a viver na Inglaterra e em Paris como jardineiro, maleiro, garçom e outros ofícios. Sua integração com a sociedade europeia foi tamanha que, enquanto estudava, ajudou a fundar o Partido Comunista Francês.

ho
Nguyen Ai Quoc (Ho Chi Minh), 1921. Foto do History Today

Na França, ele desenvolveu ideais que foram fortíssimos em sua trajetória política: para Ho Chi Minh, havia algo no capitalismo que unificava todos os trabalhadores, que eram explorados e tinham suas vidas castradas por ele. Assim, faz-se necessária uma solidariedade a nível global, não fazendo distinção entre um trabalhador europeu e um asiático.

Em 1923, ele partiu para Moscou, onde aprendeu métodos de guerrilha e estratégia militar, entrando para a Komintern. De lá, viajou para China e Hong Kong, onde se articulou em movimento para buscar a independência da Indochina da colonização francesa. Chegou a ser preso e fugir, retornando a Moscou, se reestruturou e voltou ao Vietnã: lá, já começara seu desenvolvimento prático enquanto líder militar, combatendo a invasão japonesa e os colonos europeus durante a Segunda Guerra.

Com o fim da Guerra, Hoi Chi Minh declarou a autonomia do Norte da península, o Vietnã. Por isso entrou numa guerra contra a França, que durou até 1954, com vitória do movimento independentista Viet Minh. Porém, logo depois foi iniciada a Guerra do Vietnã, por conta da tentativa de reunificação do país e a pressão dos EUA em combater a influência comunista. Ho morreu em 1969, em Hanói, mas seu país manteve suas tradições de guerra nacional, que o conduziu à vitória em 1976.

A boa liderança de Ho na guerra integrou duas questões importantes: conhecimento tático de guerrilha e uma concepção nacional integrada do conflito. Com bastante contato com a literatura europeia, Ho Chi Minh era um bom conhecedor de Carl von Clausewitz, considerado o pai da guerra moderna, e que foi a inspiração do líder comunista para a vitória contra os colonizadores: a unificação de toda a nação como corpo organicamente unido, munindo todos os aspectos da vida social para a participação na guerra.

Essa ideologia de guerra, fortemente interligada à noção de resistência, afirma que a força principal da nação está no povo, que é o fio condutor de todas as outras esferas. Por isso, o exército vietnamita era treinado com o intuito de fazê-los protetores (e nunca violadores) das terras de plantio alheias, a posse e animais das pessoas, a honra, o respeito. Com isso, nascem as seis proibições e as seis permissões atreladas a uma boa cidadania no Vietnã. (Com Aventuras na História).

viet

viet

viet

viet

viet

viet

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + sete =